4º ATAQUE A MONTE CASTELLO – MC – TEXTO DE APOIO COMENTADO (Relato do Ten Paiva – Veterano da FEB – 1º Btl do Regimento Sampaio, transcrito por Gen Bda Ref Rocha Paiva, filho do Veterano)

blank

4º ATAQUE A MONTE CASTELLO – MC – TEXTO DE APOIO COMENTADO

(Relato do Ten Paiva – Veterano da FEB – 1º Btl do Regimento Sampaio, transcrito por Gen Bda Ref Rocha Paiva, filho do Veterano)

Ataque Preliminar

– Houve um ataque preliminar pela 10ª Div Mth/EUA, em 20 Fev, para conquistar Belvedere – Ronchidos – Mazancanna, á esquerda da zona de ação da FEB.
– Mazancana seria Linha de Partida (LP) do Regimento Rampaio (RS) no ataque a MC, e da 10ª Div Mth ao Monte La Torracia, em 21 Fev às 0530h.
– Um Btl da 10ª Div Mth apoiaria o RS para a conquista de MC, protegendo seu flanco esquerdo e indo na direção 1027-1036-La Torraccia.
– O RS fez o ataque ao MC.
– Um Btl do Regimento Tiradentes (RT) atacou Abetaia, protegendo o flanco direito do RS.
– Após a conquista de MC, um Btl do RS prosseguiria para conquistar La Serra.

Comentário
Os ataques malsucedidos (Slides 3,4,5) foram frontais e com poder de combate aquém do necessário. Dessa vez, o ataque preliminar da 10ª Div Mth abriria vias de acesso no flanco de MC, por onde o Btl Verde (Atq Sec) poderia cooperar com o Amarelo (Atq Pcp). Ou seja, o ataque principal da FEB ainda seria frontal. Mais direto nem sempre será necessariamente mais rápido (Slide 7). Acreditava-se que a conquista de La Torraccia pela Div dos EUA deixaria MC à mercê da FEB, pela ameaça de cerco. No final, a situação se inverteu, pois MC foi conquistado primeiro e quem apoiou a missão da 10ª Div Mth na conquista de La Torraccia foi o RS.

 

Esquema de Manobra do RS

– O RS atacou com I Btl (Verde) à esquerda, ataque secundário, para conquistar FORNACE e 875 e prosseguir para 930, à esquerda e na subida do MC.- O III Btl (Amarelo) à direita, ataque principal para conquistar MC, propriamente dito.
– O II Btl (Branco) ficou em reserva, para prosseguir sobre La Serra, após a conquista de MC.

Posições inimigas

– Pontos fortes adiantados, com casamatas, e linhas de defesa principais entrincheiradas.

Ataque de 0530h – 0800h

– 2ª Cia (Cap Ramalho) – antes do amanhecer, avançou e surpreendeu os alemães. Conquistou FORNACE, no meio da zona de ação e passou a apoiar com fogos a 3ª Cia do próprio Btl (Verde), na conquista de 875 e o III Btl.
– O III Btl, ataque principal, ficou detido por fogos e obstáculos (ataque frontal)

Comentário
Daí os ataques frontais nem sempre serem mais rápidos, pois vão pelas vias de acesso mais diretas ou melhores que, por isso mesmo, o inimigo concentra sua defesa para barrá-las com prioridade. Será que se considerou que o alemão estaria mais fraco do que em novembro e dezembro ou que a Div Mth dos EUA, ao progredir ameaçando o cerco, obrigaria o alemão a distribuir seus meios, retirando parte deles da frente do III Btl (Amarelo)? Acontece que a Div Mth dos EUA ficou detida diretamente na Linha de Partida (LP).

 

– O Btl da 10ª Div Mth foi detido na LP por um contra-ataque alemão, sem possibilidade de partir para 1027 – 1036 – La Torraccia. Essa linha ficava no flanco do Btl Verde e ameaçava sua progressão, enquanto de posse do alemão.
– 3ª Cia (Cap Yedo Blauth) – avançava para 875 e foi batida pelo inimigo em 1027 à esquerda (na zona de ação da Div Mth que estava detida e não podia proteger o flanco do Btl Verde).

– Um Pel do Esc Atq da 3ª Cia (Ten Brandi) infletiu para a esquerda, atacou e eliminou 1027, o que obrigou o Cmt Cia a empregar o Pel Res, pela direita, para conquistar 875, com o desvio do Pel do Ten que teve que atacar 1027. Houve coordenação, pois 1027 estava na zona de ação da 10ª Div Mth.
– Ás 0800h o I Btl conquistara a linha FORNACE, 875 e 1027 (ZAç da 10ª Div Mth). O Btl era a única peça de manobra do RS e de todo o ataque aliado que estava progredindo. Veja que esse Btl abrira uma Via de Acesso que flanqueava parcialmente MC.
– Cmt Btl Verde pediu a 5ª Cia do Btl Branco (Res do RS) para aproveitar o seu êxito, mas lhe foi negada pelo Cmt RS.

Comentário
Foi se delineando uma situação não tão anormal, que é o ataque secundário ter êxito enquanto o principal “patina”. Destaque-se a iniciativa de coordenar com a Div EUA e entrar em sua zona de ação, de modo a eliminar o flanqueamento e criar condições de avançar sem ficar parado esperando a Div Mth.
O fato do Cmt RS negar o reforço da 5ª Cia do Btl Branco (reserva do Regimento) é compreensível, pois o ataque estava no início, a reserva deve ser poupada, se possível, para o esforço próximo à conquista do objetivo (arrancada final quando o escalão de ataque já está desgastado), o Btl Verde ainda não empregara a sua própria reserva (1ª Cia) e, se o contra-atque alemão expulsasse a Div Mth dos EUA de  Ronchidos, o Regimento precisaria de uma reserva forte para bloqueálo ou ele envolveria sua retaguarda.

 

Ataque entre 0800h – 1130h – 1330h

– Cmt I Btl, mesmo sem receber a 5ª Cia (Cap Waldir) do Btl Branco, empregou a sua 1ª Cia Res/Btl (Cap Everaldo) para conquistar X 1036 e X 930.
– Deixou só um Pel na proteção do PC do Btl (Ten Adail), assumindo um alto risco, pois se o contra-ataque alemão tivesse êxito, cairia sobre seu PC e a retaguarda de todo o escalão de ataque.
– Dois Pel da 1ª Cia avançaram, o Pel Ten Aquino conquistou 1036 e prosseguiu para 930, já no sopé à esquerda do MC.
– Diante do êxito em 1036 e 930:
. o contra-ataque alemão foi rechaçado, pois flanqueado pelo Btl Verde e batido por            fogos de nossa Artilharia;
. o Btl americano pode prosseguir sem combater até 1036;
. o alemão teve que reforçar sua direita no MC, que ficara ameaçada, aliviando    a             defesa frente ao III Btl;
. o III Btl pôde retomar o ataque, pois o alemão, ao rocar meios no MC    enfraqueceu a     posição que o detinha; e
. o Cmt RS concordou em reforçar o 1º Btl com a 5ª Cia do Btl Branco

Comentário
Cmt do Btl Verde: iniciativa; disposição; visão tática; e coragem de assumir riscos.
Resultando em: apoio total ao êxito do ataque principal; parcial desestruturação da posição alemã; liberação da Div Mth dos EUA (lembrem que ela deveria apoiar a FEB, mas acabou tendo parte de sua missão cumprida pelo Btl Brasileiro); conquista do objetivo final de seu ataque, que era 930, pois MC era do Btl Amarelo.
Consequência: o Cmt RS reforçou o Btl Verde, que era quem estava tendo êxito (o secundário estava se tornando o principal) e permitiu que ele atacasse uma parte do MC (não sei como foi a coordenação com o Amarelo, mas eles devem ter recebido uma linha de controle ou um limite no monte). Emprego judicioso da reserva, reforçando um êxito, ao invés de “jogar lenha na fogueira”, pois era essa a situação do ataque principal, sem via de acesso alternativa. Reparem que o ataque secundário ficou com mais uma Cia do que o principal, ou seja, o avanço final parece caracterizar um momento em que não havia mais uma clara definição do esforço. Mas os dois batalhões, parece que chegaram mais ou menos ao mesmo tempo no MC. Porém, os correspondentes de guerra estavam no III Btl, ataque principal original.

 

1330h – 1500h

– As três Cia do I Btl e a 5ª Cia recebida foram deslocadas para o flanco do MC.
– Porém, uma parte da 10ª Div americana, perdeu a direção e entrou na ZAç do I Btl, indo ficar entre as Cia e o MC, atrasando em mais de uma hora o ataque final, pelo o risco de a tropa americana ser batida por fogo amigo.
– O imprevisto permitiu a fuga de um grande efetivo alemão, ciente que o MC cairia pela manobra, que levou consigo copioso material bélico.

Comentário
Não há do que se criticar o ocorrido com a Div Mth dos EUA, que era uma “senhora força combatente”, especializada em montanha, altamente profissional e sempre cumpriu muito bem suas missões. Ela veio substituir a Task Force 45, que combateu junto com a FEB em novembro e dezembro de 1944. Esses desencontros são muito normais em combate, onde os planejamentos começam a mudar e a situação a se aproximar do caos tão logo se passe a LP. Entre 19 e 21 de fevereiro a 10ª Div Mth sofrera e resistira a sete contra-ataques alemães em seu flanco.

 

1600h – 1800h

– Às 1600h foi desencadeado o ataque final, após cerrada e eficaz concentração da Artilharia da FEB, por 20 minutos, sobre o objetivo.
– 1ª Cia (Cap Everaldo) – conquistou as Enc N e NE de MC; 3ª Cia (Cap Yedo Blauth) – o topo e as Enc NO; 5ª/II RI (Cap Waldir) – nas Enc W; e 2ª Cia (Cap Ramalho) – passou à reserva e atuou no apoio de fogo, mas realizou um golpe de mão contra posições Ini em Casa de Zolfo, na meia encosta do MC.
– Cerca de 1800h, um Pel do I Btl (Ten Aquino) e, simultaneamente (?), um Pel do III Btl conseguiam conquistar o MC, sendo o ponto dominante pelo Ten Aquino.
– a Div Mth americana só conquistou La Torraccia no dia seguinte, com apoio de fogo da FEB.
– La Serra foi conquistada pelo II Btl Branco do RS em 24 de fevereiro.

FONTES DE CONSULTA

TEXTO:

– Livro “CRÔNICAS DE GUERRA”, Ten Cel Olívio Gondim Uzêda (Comandante do I/1º RI na FEB).
– Publicação – “A Força Expedicionária Brasileira na Campanha da Itália”, AMAN / Seçaõ de Ensino “A”.

IMAGENS e ESBOÇOS:

– Pesquisas na Internet, em diversos sites de imagens sobre a Batalha de Monte Castelo e a Força Expedicionária Brasileira.
– Esquemas da manobra operacional, feitos por mim com base no Livro e publicação supracitados.
Os comentários dentro dos quadros são considerações de minha autoria.