60 anos da Operação Alvorada, a marcha dos Fuzileiros Navais para Brasília

A Marcha de 1960 em algum lugar do cerrado, a chegada em Brasilia depois de marchar 1200km desde o Rio de Janeiro em 2008 e o livro de Alfredo de Souza Coutinho Filho. Montagen com imagens de autores desconhecidos. Via CA (FN) José Elkfury & Veterano FN Mauro Coimbra.

A marcha de longa distância é ainda um dos mais temidos e ao mesmo tempo almejados exercícios para os jovens militares, ainda não acostumados com a vida militar. 

Mas, salvo raras exceções, todos os neófitos militares um dia terão que encarar esse desafio, como parte da validação de suas carreiras. 

Desde os tempos mais remotos, a marcha faz parte da vida do militar ou qualquer outro povo que precisasse apenas “sobreviver” em um mundo onde o maior conforto era o simples fato de não ser atacado por povos inimigos. 
E, nas histórias das guerras dos tempos modernos, vitórias foram alcançadas e tropas inteiras salvas de fogo de artilharia inimigo, graças à movimentos de deslocamentos rapidamente organizados, e, concluídos por marchas que superaram entre 20 km à 40 km ou mais em campos de batalhas. 
A marcha também tem todo o seu significado simbólico para os exércitos, quando da saída para o combate, a finalização da tomada e  liberação de uma cidade antes ocupada pelo inimigo. 
Para tropas em treinamento, a marcha é uma das ferramentas mais eficientes de aperfeiçoamento da resistência física, mental e moral do jovem militar. 

Como escutei na última marcha que pude participar na Ilha da Marambaia junto aos Fuzileiros Navais, foi dito em alto e bom tom pelos instrutores; “- É fácil ser amigo de turminha de copo, na balada ou na praia… Aqui enfrentando essa marcha com seu equipamento de campanha, quando um de vocês desmaiar no caminho, veremos quem será o primeiro a se dispor a te ajudar a carregar seu equipamento ou te dar a água do seu cantil…”

E dentro desse espìrito vos apresento um pouco da historia de Fuzileiros Navais e Marinheiros, que marcaram por duas vezes a história da marcha militar no Brasil…

60 anos da  “Operação Alvorada”, a marcha para Brasília
Em 27 de março de 1960, um contingente de 124 Fuzileiros Navais, Marinheiros e civis marcharam 24 dias, do Rio de Janeiro até Brasília, para celebrar a inauguração da nova capital, ocorrida em 21 de abril.
Iniciada  no Cais do Porto do Rio de Janeiro, a marcha chegou na capital federal em 20 de abril de 1960, véspera da inauguração da cidade pelo então Presidente Juscelino Kubitscheck.

A marcha foi comandada pelo Capitão de Corveta Clinton de Queirós Barros, que portava uma carta do então Ministro da Marinha para ser entregue ao Presidente Juscelino Kubitschek, por ocasião da fundação de Brasília.

Uma das raras imagens que estão no livro de Alfredo de Souza Coutinho Filho. Imagem via FAPERJ.

A história é narrada em mais detalhes no livro “A pé para Brasília: Crônicas de uma marcha”,  livro que narra os fatos da história  até então pouco conhecido dos brasileiros; a marcha realizada por Fuzileiros Navais entre o Rio de Janeiro e o planalto central em homenagem à inauguração de Brasília.

Estes mesmos Fuzileiros também seriam responsáveis pela implantação do  embrionário Primeiro Destacamento de Fuzileiros Navais em Brasília, que depois se tornaria o  atual Grupamento de Fuzileiros Navais de Brasília.

O livro, organizado em formas de crônicas, traz belíssimas imagens dos fuzileiros em marcha e nos acampamentos, além de detalhes de anotações do diário oficial de viagem. O livro é de autoria de Alfredo de Souza Coutinho Filho e teve sua primeira edição em 2004.

Imagem via FAPERJ.

A marcha foi um evento ùnico empreendido em tempos de paz, levou 124 Fuzileiros Navais e os civis acompanhantes a percorrerem, em 24 dias, a distância de cerca de 1.200 quilômetros, efetuando uma média de 50km/dia na distância que separa o Rio de Janeiro da atual capital federal. 

Homenagem da Marinha do Brasil ao país e a sua nova capital, a marcha traz a inevitável lembrança dos Bandeirantes e figuras como a do Marechal Rondon, que ajudaram a desbravar rincões a oeste do país.

Há 60 anos atrás, com então 23 anos de idade, o Comandante José Miliauskas finalizava o trajeto Rio de Janeiro – Brasília. Ele e os outros Fuzileiros Navais foram recebidos pelo presidente Juscelino Kubitschek na festa de inauguração da cidade.

A Marinha localizada no Rio de Janeiro não poderia trazer seus navios. A Esquadrilha da Fumaça trouxe seus aviões, o Exército trouxe sua tropa motorizada e nós, que tínhamos feito o curso de paraquedismo, fomos convidados para representar a Marinha. E viemos marchando para o desfile de inauguração da capital entregar a mensagem do Ministro da Marinha ao Presidente JK.

Para o militar da reserva, o momento mais emocionante ocorreu quando a tropa parou em frente ao palanque onde estava Juscelino Kubitschek.

Imagem do momento que o Comandante José Miliauskas entrega a carta do Ministro da Marinha ao Presidente JK. Foto de autor desconhecido, via SOAMAR Campinas.
Me recordo que o momento mais emocionante foi quando, ao iniciarmos nosso desfile ao som de Cisne Branco, paramos em frente ao palanque presidencial e a banda parou de tocar. O nosso comandante se encaminhou em direção ao presidente e, naquele silêncio, alguém começou a cantar Soldados da Liberdade e todos cantaram juntos. No dia seguinte, a imprensa noticiou que escorreram lágrimas do rosto do Presidente Juscelino Kubitscheck. Foi bom demais”, relembrou.
48 anos depois, a façanha se repetiria

Quarenta e oito anos depois, no ano de 2008, a tropa repetiria o feito em tempo recorde de 22 dias e com maior número de militares, sendo 230 homens e uma mulher. 

Realizada com dois dias a menos que na marcha de 1960, o recorde foi obtido com a média de 55 quilômetros por dia para completar o percurso de 1.200 quilômetros, que dessa vez saiu da Base de Fuzileiros Navais, no Rio de Janeiro, até a Praça dos Três Poderes, em Brasília.

Os 230 militares da Marinha do Brasil, Fuzileiros Navais e Marinheiros, que saíram do Rio de Janeiro no dia 29 de março chegaram ao Grupamento de Fuzileiros Navais de Brasília (GptFNB) no dia 19 de abril.

Os militares enfrentaram os mesmos problemas dos pioneiros de 1960; bolhas nos pés, dores musculares e o cansaço físico.

A marcha de 2008 foi não somente em homenagem ao aniversário da capital federal mas também como parte das comemorações do bicentenário do Corpo de Fuzileiros Navais. 

Foto de autor desconhecido. Via CA (FN) José Elkfury & Veterano FN Mauro Coimbra.

Entre os militares que participaram do evento na época, destacam-se: o Vice-Almirante (Fuzileiro Naval) Stingelim, Comandante da Força de Fuzileiros da Esquadra (ComFFE); o Contra-Almirante (Fuzileiro Naval) Elkfury (conhecido por ser o Cmdte da guarnição da primeira invernada da EACF na Antàrtica), Imediato do ComFFE; o Capitão-de-Mar-e-Guerra (Fuzileiro Naval-RM1) Gonzales, representante da Associação de Veteranos do Corpo de Fuzileiros Navais ; a Suboficial Sonia Brilhante Wanderley, da Diretoria de Pessoal Militar da Marinha; e o Suboficial (Fuzileiro Naval) da Guia , tricampeão da Ultramaratona da França, que percorreu, correndo, todo o trajeto da marcha.

Foto de autor desconhecido. Via CA (FN) José Elkfury & Veterano FN Mauro Coimbra.

A Coluna dos 230 militares que participam desse vigoroso exercício foi denominada “Coluna Bicentenário do Corpo de Fuzileiros Navais – Suboficial Fuzileiro Naval MACEDO”, uma justa homenagem ao Suboficial Fuzileiro Naval de Infantaria CID CLÍMACO DE MACEDO, dedicado militar,  falecido em serviço, quando se preparava para integrar a Marcha.

Simultaneamente à “Coluna Bicentenário do Corpo de Fuzileiros Navais – Suboficial Macedo” ocorreram, durante o percurso, Ações Cívico-Sociais que incluíram reparos em 31 escolas públicas de 29 municípios, executadas em paralelo por Fuzileiros Navais, que não participaram da marcha.

O inicio do deslocamento
Exatamente as 04h 30min do dia 29 março de 2008 tem início a Marcha Rio-Brasília em comemoração aos 200 Anos do CFN.
Foto de autor desconhecido. Via CA (FN) José Elkfury & Veterano FN Mauro Coimbra.
Declaração Vice-Almirante (FN) Stingelim (ComFFE)
 “Estou muito emocionado porque é uma abnegação, uma dedicação característica dos Fuzileiros Navais . Nós venceremos.”
 “Essa Marcha representa um marco, uma realização, uma rendição de uma marcha de uma epopéia que foi vivida há 48 anos atrás, é uma missão digna dos Fuzileiros Navais Brasileiros.

Recado aos familiares dos participantes da marcha:

Que fiquem tranqüilos que nada nos faltará de apoio e retornaremos da mesma forma que estamos saindo, muito bem,

mais fortificados e vencedores”.

Visita do Comandante da Marinha e do ComGerCFN. Foto de autor desconhecido. Via CA (FN) José Elkfury & Veterano FN Mauro Coimbra.
Participação Feminina na Marcha Rio-Brasília
A suboficial Sônia Brilhante Wanderley (hoje na reserva)foi a ùnica mulher na marcha, contou que os primeiros dias foram os mais difíceis. “A adaptação nos primeiros dias é muito difícil. Tem as bolhas, as dores musculares. Como não estávamos acostumados, à noite não dormia e no final da marcha estamos muito sofridos”, ela relatou.
Apesar de afirmar que não houve tratamento diferenciado por ser mulher, a suboficial admitiu que os demais militares eram mais contidos nas brincadeiras. “Quando só tem homens, às vezes escorrega um nome meio difícil para mulher. Mas eu já vivo no meio deles e muitas coisas a gente releva ou finge que não escuta para não criar um clima ruim ou atrapalhar a brincadeira”.
Imagem de autor desconhecido. Via CA (FN) José Elkfury & Veterano FN Mauro Coimbra.
Emocionada por chegar ao Distrito Federal depois de muitas dores e dificuldades a cada trecho de 55 quilômetros por dia da viagem, a então Subofical Sônia  se sentiu realizada. 

“Sempre quis fazer uma marcha e nunca pude. Primeiro porque eu era da gola . Depois eles nunca deixavam, acho que por eu ser mulher e achavam que eu não ia agüentar. Acho que eles podiam ter medo de fragilidade e algumas pessoas ainda pensam que a gente não pode exercer determinadas funções”. 

Da esquerda para direita, Ten(S) Andréa Figueiredo, fisioterapeuta, Ten(S) Tais Claro, Fisioterapeuta e Ten(Med) Tereza Cristina, Médica. Estas foram as oficiais que integraram o apoio de Saúde para que os marchantes recebessem os devidos cuidados e se recuperassem de algumas lesões adquiridas ao longo da marcha. Imagem via Blog Diàrio de Bordo (link no final da matéria).
Um Suboficial que correu o percurso

Para o Suboficial Sebastião da Guia, a marcha do Rio de janeiro a Brasília foi ainda mais desgastante. Ao contrário dos demais fuzileiros, ele percorreu os 1,2 mil quilômetros correndo. “Desde o momento em que soube que viria na marcha, solicitei vir correndo. O mais difícil foi o trânsito e as dores. É uma soma de lesões que vamos sentindo ao longo do percurso, que foram administradas no decorrer dos 20 dias”, afirmou.

Imagem de autor desconhecido. Via CA (FN) José Elkfury & Veterano FN Mauro Coimbra.

Duzentos, Tequila e Alvorada

Assim como na década de 1960, a Coluna de 2008 chegou a Brasília com uma companhia inesperada: um cachorro que se integrou à marcha logo nos primeiros dias de caminhada. O “Duzentos”, como passou a ser chamado o cachorro, em homenagem ao bicentenário da força, chegou à cidade à frente da tropa devidamente caracterizado com farda da força. Na primeira marcha para a nova capital em 1960, dois cachorros apelidados de “Tequila” e “Alvorada” acompanharam os militares durante o percurso.

Ùnica foto conhecida do “Duzentos”, o cachorro que surgiu do nada e acompanhou voluntariamente a “Coluna 200/Suboficial Macedo”. Imagem de autor desconhecido. Via CA (FN) José Elkfury & Veterano FN Mauro Coimbra.

Boas lembranças

O comandante-geral da marcha na época (2008), Vice-Almirante Paulo César Stirgelim, se emocionou ao comunicar ao Comandante da Marinha que a marcha estava encerrada e sem nenhuma baixa entre os militares. Para Stirgem, as adversidades foram superadas pela determinação dos Fuzileiros Navais e o cuidado na preparação do percurso. “As nossas dificuldades foram vencidas como fruto de um bom planejamento e de uma execução que considero primorosa.”

Reunião diària para briefing/debriefing. Imagem de autor desconhecido. Via CA (FN) José Elkfury & Veterano FN Mauro Coimbra.

Passagem sobre o Rio São Francisco

As 17:07h do dia 10/04/08 o GT-200 passou com os seus 230 componetes pela ponte de 360 metros sobre o Rio São Francisco, na Cidade de Três Marias, MG.

Imagem de autor desconhecido (provavelmente obtida da Acft UH-12 do EsqdHU-91).
Via CA (FN) José Elkfury & Veterano FN Mauro Coimbra.

Este evento foi marcado com a presença aeronave UH-12, pilotada pelo CT Flávio Borges, tendo como copiloto o CT(FN) Sérgio Sá, auxiliados pelo SG Pereira do Primeiro Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral, sobrevoando a tropa. O fato do dia ocorreu com muita vibração entre os componentes do GT.

Foto de autor desconhecido. Via CA (FN) José Elkfury & Veterano FN Mauro Coimbra.

Na Chuva ou no Nevoeiro…

Nem a chuva e nem o nevoeiro impedem o GT-200 de chagar ao seu objetivo.
Imagem de autor desconhecido (provavelmente obtida da Acft UH-12 do EsqdHU-91).
Via CA (FN) José Elkfury & Veterano FN Mauro Coimbra.

Mais de 30 cidades e histórias emocionantes

O então Comandante Luiz Corrêa (atualmente Contra-Almirante na reserva),  lembra com carinho o apoio da população nos municípios pelos quais passou desde o início da caminhada no dia 29 de março. Ele diz, porém, que o que mais lhe marcou foi ser recebido numa cidade de Minas pela filha de uma senhora que acolheu a marcha original de 1960, que inspirou a nova edição da caminhada.

 Quando passamos por Ewbank da Câmara, ela fez uma manifestação de apreço à marcha levando crianças da escola para a rodovia para uma manifestação muito bonita. Naquela posição da marcha, isso deu um estímulo muito grande, pois estávamos em plena subida em Barbacena” – recorda o então Cmdte Luiz Corrêa.
A então Suboficial Sônia Brilhante Wanderley também guarda boas recordações da viagem. A mais marcante aconteceu numa cidade do interior de Minas e a leva às lágrimas ainda hoje, mesmo depois de mais duas semanas de caminhada.
Uma das paradas em uma antiga fazenda mineira. Imagem de autor desconhecido. Via CA (FN) José Elkfury & Veterano FN Mauro Coimbra.
“A rua principal desta cidade era paralela à rodovia. Então nós saímos da rota porque foi pedido que passássemos por dentro da cidade. Tinha uma escola onde os alunos ficavam na rua com bandeiras e aplaudindo. A gente já tinha um certo tempo de marcha e a emoção, você lembra do sofrimento, o dia-a-dia, a superação e vê o valor que eles dão para a gente. Essa me marcou muito” – lembra ela, emocionada.
O então Cmdte Luiz Corrêa conta que resolveu participar da marcha como um desafio pessoal. Ele considera que o resultado foi além da expectativa.
“Só vivendo isso para saber como é que foi a marcha. Inicialmente eu queria conhecer meus próprios limites e saber se poderia superá-los. O resultado foi além da expectativa”.
Em algum lugar das planicies do Planalto Central. Imagem de autor desconhecido. Via CA (FN) José Elkfury & Veterano FN Mauro Coimbra.

A importância da logística. 

Entrevista com o então Comandante do Batalhão Logístico de Fuzileiros Navais

Sargento Rogério – O Senhor se encontra satisfeito com toda estrutura que foi montada para atender as necessidades logísticas e de participar desse evento?

Comandante Luiz Corrêa – Eu me sinto bastante satisfeito de fazer parte desta empreitada, deste grande evento porque como comandante do Batalhão a gente sabe da responsabilidade que o Batalhão tem em termos logístico, um evento desta grande magnitude jamais poderia ser feito sem um grande apoio logístico, a exemplo do que foi a marcha de 1960, rapidamente naquela época estiveram que montar uma estrutura de apoio logístico para apoiar a coluna marcha justamente o planejamento tinha sido muito incipiente, ou seja, uma estrutura de apoio logístico simples que depois foi crescendo e ganhando complexidade ao longo do caminho até chegar em Brasília com o sucesso como eles tiveram. Nós já partimos do planejamento muito bem feito, de três reconhecimentos prévios, levantamentos de todos os locais, levantamento das necessidades e de uma boa ajuda financeira do Comando da FFE para poder adquirir, por via da BFNRM, todos os itens necessários ao apoio logísticos que nós estamos prestando, especialmente de rancho, de água, estrutura também de cozinha e de banheiros químicos, não poderia ter sido possível sem o apoio da Diretoria de Abastecimento. A Diretoria de Abastecimento, a Diretoria de Saúde da Marinha que nos apoiaram elas permitiram que nós possamos então chegar a acompanhar a unidade de marcha com esse grande suporte logístico que nós estamos prestando. Então se todo o apoio logístico for suficiente para que a unidade de marcha conclua com êxito a sua missão, nós temos também a tranqüilidade que nós participamos de maneira muito significativa e contribuímos para o cumprimento da missão e para este grande evento que é a comemoração do aniversário de 200 anos do CFN, visto que a marcha para Brasília é um dos eventos, como bem disse o Almirante Stingelim, Comandante da FFE, é o evento de maior magnitude, neste contexto de eventos da comemoração como um evento operativo, é um evento de grande magnitude, e voltando a sua pergunta para mim, é uma grande satisfação, eu vou estar participando desse evento como Comandante do Batalhão Logístico.

S.R – Esta missão agrega Conhecimento em futuras missões de grande magnitude?
C.L.C – Sem dúvida nenhuma agrega conhecimento e agrega, sobretudo experiência. Experiência vivida nestes dois primeiros dias de marcha nos mostraram que o planejamento logístico estava correto, porém, não tão bem executado. O de ontem, o do primeiro dia para o segundo dia nós reformulamos a estrutura logística para a execução de um melhor apoio logístico. Este conhecimento adquirido já foi utilizado hoje e com certeza será muito útil no futuro, não só na marcha, mas como em exercícios que o Batalhão vai participar.
S.R – O Senhor tem uma mensagem para os militares que ficaram ou para os familiares dos que estão hoje aqui participando da marcha, tanto do pessoal do apoio quanto dos que estão caminhando?

C.L.C – Mensagem de otimismo no sentido de que o pessoal que foi voluntário para fazer a marcha fez uma escolha muito acertada, porque participar de um evento dessa natureza é satisfação, orgulho pessoal, superação de desafios, das dores, de metas e certamente vão concluir a marcha com sucesso, para nós do apoio logístico também é uma satisfação participar e para os familiares agradecer, porque certamente encorajaram os seus familiares a participar e dizer que estamos aqui para cumprir qualquer missão.

Rusticidade de guerra! Foto de autor desconhecido. Via CA (FN) José Elkfury & Veterano FN Mauro Coimbra.
A chegada do GT-200 ao Marco Zero

As 11h28 o GT-200 adentrou a vila naval em Santa Maria, DF entoando a canção Soldado da Liberdade, local considerado para o GT-200 o marco zero da missão.

Imagem de autor desconhecido. Via CA (FN) José Elkfury & Veterano FN Mauro Coimbra.

Por ocasião da chegada do GT, houve uma cerimônia que contou com a presença do Comandante do Capitão-de-Mar-e-Guerra (FN) Luiz Felipe Xavier de Assumpção, comandante do CIAB, com uma representação da Associação de Veteranos de Fuzileiros Navais, além de moradores e demais militares da localidade.

Nesta oportunidade foi inaugurada uma placa comemorativa do evento postada ao lado da placa da marcha de 1960.

Imagem de autor desconhecido. Via CA (FN) José Elkfury & Veterano FN Mauro Coimbra.
A gloriosa chegada em Brasilia, repetindo a cerimônia de 1960. Imagem de autor desconhecido. Via CA (FN) José Elkfury & Veterano FN Mauro Coimbra.

Esse artigo contou com a prestimosa colaboração do Veterano Fuzileiro Naval Mauro Coimbra, fundador e mantenedor da pàgina “Veteranos do Corpo de Fuzileiros Navais” e do Contra Almirante (FN) José Elkfury, que enviou vàrias fotos que ajudam a ilustrar:

Fontes e referências:
– Veteranos do Corpo de Fuzileiros Navais:

https://www.facebook.com/veteranosfuzileirosnavais/

– A Pé Para Brasília – Crônicas de Uma Marcha, de Alfredo de Souza Coutinho Filho.

isbn: 9788573163728, ano de edição: 2004, ano copyright: 2004, coeditora: FAPERJ.

– Blog “Diàrio de bordo”:

http://marcha200anoscfn.blogspot.com/

– Blog do Antero:

http://blogdomarcantero.blogspot.com/2008/04/fuzileiros-navais-realizam-marcha-p-rio.html

– Agência Brasil de Notìcias

http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2008/04/19/materia.2008-04-19.2623503877/view

http://www.soamarcampinas.org.br/informativos/2017/Boletim%20Informativo%20Soamar%20Campinas%20Fevereiro%202017.pdf

You may also like