A China poderá enviar “tropas de paz” ao Afeganistão após a saída das forças dos EUA

blank
Imagem ilustrativa com fotos via U.S. DoD e China PLA.

Pequim pode considerar o envio de uma força de paz para o Afeganistão se a situação de segurança no país do sul da Ásia representa uma ameaça para a vizinha província chinesa de Xinjiang após Tropas americanas deixarem o país. A informação é oriunda de especialistas ligados a instituições e universidades chinesas que são conhecidas por colaborar com as definições das políticas estratégicas militares do governo comunista chinês.

A China comunista já tem algumas “Forças de Paz” na África e certamente já tem planos de expandir essa presença “simbólica para outros países como efeito de propaganda do regime, mesmo que não possam ter inicialmente alguma eficácia em gerir e evitar conflitos locais de médio e grande porte.

O Presidente dos Estados Unidos Joe Biden disse na quarta-feira que retiraria todas as tropas americanas restantes do Afeganistão até 11 de setembro, o 20º aniversário do ataque terrorista em Nova York.

A retirada pode representar uma ameaça à segurança e estabilidade do Afeganistão, o que pode se espalhar para Xinjiang e atrapalhar os esforços de contraterrorismo da China.

Em 2018, a China treinou tropas afegãs e ajudou a montar uma brigada de montanha. O treinamento ocorreu na China e o objetivo da brigada era conter possíveis ataques da Al-Qaeda e Estado islâmico.

“As forças de segurança do governo afegão não são capazes de garantir a segurança afegã”… “A situação no Afeganistão pode se tornar ainda mais caótica no futuro. O crime transfronteiriço, o tráfico de drogas e o contrabando de armas podem proliferar ”… “Se a situação de segurança representar uma ameaça significativa, a China pode enviar tropas de manutenção da paz junto com assistência humanitária para a região, nos termos da Carta do Nações Unidas para garantir a segurança e os interesses do povo e das empresas chinesas ”, afirmou Sun Qi, especialista em relações internacionais da Academia de Ciências Sociais de Xangai.

Embora Pequim não posicione tropas no Afeganistão, pode trabalhar com outros países da região para promover a estabilidade política e reduzir o risco de segurança para a China, disse Sun.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse na quinta-feira que as tropas estrangeiras estacionadas no Afeganistão deveriam se retirar de “maneira responsável e ordeira” para evitar que as forças terroristas aproveitem o caos.

“Os Estados Unidos são o maior fator externo que afeta a questão afegã. As decisões e ações relevantes dos Estados Unidos devem respeitar plenamente a soberania, independência e integridade territorial do Afeganistão, assumir seriamente a responsabilidade pela manutenção dos resultados da paz e da reconstrução no Afeganistão ”, disse ele.

Logo após o anúncio de Biden, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse que a aliança planejava retirar suas tropas, cerca de 7.000 militares do Afeganistão no mês que vem.

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, disse na quinta-feira queAustrália também completaria sua retirada militar do Afeganistão em setembro.

Outros especialistas disseram que é improvável que a China pressione demais para ganhar influência no Afeganistão, uma vez que já existe uma competição acirrada na região.
“Vários países, incluindo Paquistão, Índia e Rússia querem exercer sua influência na região, então a China realmente precisa ter cuidado para não se envolver no caos ”, disse Wang Jin, pesquisador do Charhar Institute, uma conceituado instituto de pesquisas no norte da China.

É improvável que a China e os EUA se envolvam em qualquer cooperação significativa no Afeganistão após a retirada das tropas americanas, devido às tensões entre os dois países, disse ele.

“Podemos ver pela retirada das tropas dos EUA que a disposição dos EUA de intervir nos assuntos do Afeganistão está diminuindo”, disse ele.
“Principalmente porque a ideia de resolver conflitos locais estabelecendo uma democracia de estilo ocidental no Afeganistão falhou.”

Sun disse que os Estados Unidos provavelmente retirarão seus posicionamentos militares da Ásia Central e os realocarão na Ásia-Pacífico.

“A retirada do Afeganistão permite que os EUA aumentem sua presença militar nas regiões da Ásia-Pacífico e do Oceano Índico, com o objetivo de conter a China”, disse ele.
“Os EUA têm grande probabilidade de aumentar sua atividade militar no Mar da China Meridional e península China-Indochina. ”

  • Con informações The Telegraph UK, France Inter e texto adaptado de Rachel Zhang para o South China Morning Post, via redação Orbis Defense Europe.