sexta-feira, julho 19, 2019
Início Colunistas João Gilberto A Marinha dos EUA está de olho em uma grande mudança de...

A Marinha dos EUA está de olho em uma grande mudança de emprego para seus novos destróieres stealth

O destróier de mísseis guiados Zumwalt parte de San Diego. (Foto da Marinha dos EUA por MC2 Natalie Byers)

A Marinha dos EUA está considerando uma mudança significativa em seus novos destróieres stealth, uma conclusão impulsionada pela mudança de missão anunciada nos documentos orçamentários do ano passado, disse o chefe do programa em 7 de maio na conferência Sea-Air-Space. .

O serviço naval tem se esforçado para encontrar um uso para o avançado sistema de armas do navio – o maior de seu tipo usado pelo serviço desde a Segunda Guerra Mundial – e agora está considerando retirá-los da plataforma por completo, disse o Capitão Kevin Smith do DDG. 1000, também gerente de programa no Programa Executive Officer Ships.

A Marinha marginalizou as armas depois que o serviço finalizou a compra para apenas três navios, e depois que o armamento embarcado, chamada de Projétil de Ataque Terrestre de Longo Alcance , inchou de preço para mais de US $ 800.000 por disparo.

“As armas estão em espera”, disse Smith. “Estamos esperando por essa arma para decidir o que nos dará o maior número possível de vantagens e o maior alcance. Mas, dado que isso é esperar o desenvolvimento de uma arma de superfície ofensiva, vamos também olhar para outras armas com capacidades potencialmente uteis e que poderíamos usar nesse navio. ”

Os navios mudaram as missões de ataque terrestre para caça e matança de navios no ano passado. A Marinha está integrando o míssil SM-6, que tem um modo de ataque de superfície, e está integrando o ataque marítimo Tomahawk para preencher as novas capacidades.

Em depoimento em abril, o vice-almirante William Merz, oficial de altas exigências da Marinha, disse ao Congresso que o lento desenvolvimento do Sistema Avançado de Armas estava atrasando o Zumwalt.

“Mesmo com o alto custo, ainda não estávamos conseguindo o que pedimos”, disse ele. “Então, o que nós decidimos fazer é separar o desenvolvimento de armas do desenvolvimento do navio, porque nós realmente chegamos ao ponto de agora estarmos segurando desenvolvimento do navio em virtude  do atraso no desenvolvimento do armamento.”

A Marinha elogiou o excesso de espaço, peso, potência e resfriamento do navio como vantagens que em serviço tornariam longo da vida do navio. Tudo, desde a energia dirigida para as armas eletromagnéticas até equipamentos de guerra eletrônica, tem surgido como complementos para os destróieres da classe Zumwalt.

A Marinha entrou em sua atual configuração com um canhão de 155mm / calibre .62 – Advanced Gun System (AGS) – com sistema de carregamento e disparo automatizado, para baratear custos, porque o serviço cortou a compra de 28 navios, para sete e, finalmente, para três.

A arma eletro magnética, devido ao seu alto custo e longo desenvolvimento foi por  hora descartado de equipar esta classe de navios.

O AGS foi desenvolvido especificamente para a classe Zumwalt, assim como a munição LRLAP – Long Range Land Attack Projectile – que foi planejada como armamento. Não havia plano de reserva, então, quando a compra passou de 28 para três, os custos permaneceram estáticos, elevando o preço dos disparos a valores astronômicos. 

O Zumwalt está passando por testes enquanto a instalação e desenvolvimento do sistema de combate se encerra; o segundo da classe o Michael Monsoor está indo para os as docas para a instalação do sistema de combate; e o Lyndon B. Johnson está quase 85% completo.

O trabalho restante em Johnson envolve passar cabos, pintar espaços internos e dar os últimos retoques no navio. O navio sairá de Bath, Maine, e seguirá em direção ao porto de San Diego, na Califórnia.

“Vamos energizar e ligar todos os sistemas em setembro, desligando os geradores externos na primavera, depois vamos testar e ativar os sistemas [casco, sistemas mecânicos e elétricos], testes no outono e depois na entrega para  a marinha”.

O que podemos  tirar de conclusões disto  tudo:

1 – A Marinha descartou o uso das armas avançadas depois que o serviço naval reduziu a compra para apenas três navios da classe, e depois descobriu que a munição desenvolvida para  o armento empregado, chamada de Projétil de Ataque Terrestre de Longo Alcance, inchou de preço para mais de US $ 800.000 por disparo.

“As armas estão em espera”, disse Smith. “Estamos esperando por essa arma para decidir o que nos dará o maior número possível de vantagens e o maior alcance. Mas, dado que isso é esperar o desenvolvimento de uma arma de superfície ofensiva, vamos também olhar para outras armas com capacidades potencialmente uteis e que poderíamos usar nesse navio. ”

2- Ou seja, nada definitivo, para  o custo astronômico deste navio será que  isto não foi  uma decisão idiota para a Marinha americana, será que pelo mesmo preço de  três navios, a marinha  não estaria melhor atendida  com mais navios convencionais?.

Os navios mudaram as missões de ataque terrestre para caça e matança de navios no ano passado. A Marinha está integrando o míssil SM-6, que tem um modo de ataque de superfície, e está integrando o ataque marítimo Tomahawk para preencher os novos recursos.

Podemos estar  vendo o retorno de um tipo de  combate naval de navio para navio, que  já  se encontrava esquecido, e que retorna agora com o desenvolvimento de armas  de longuíssimo alcance.

Está bem. Eu admito que há muita especulação acontecendo nas interpretações e nas noticias divulgadas, mas parece bem claro o seguinte. 

a. Ataque terrestre não é mais considerado primário. Isso é compreensível. A luta no mar deve ser vencida antes que você desembarque fuzileiros navais … ou, pelo menos, seja igual a contestada do outro lado. 

b. A matança de navios por navios está de volta em grande estilo. O artigo falava sobre uma mudança de ataque terrestre para matança de navio e com a remoção das armas você está falando sobre um monte de possibilidades de armamentos  para empilhar a bordo.

Nem sequer me atrevo a tentar contar o número de mísseis que estes navios poderiam transportar se o acima for verdade, mas apostaria se eles decidissem transformar os Zumwalt’s em navios do arsenal que fossem especializado em matar navios e que pudessem libertar os Classe Burke para se concentrarem na defesa aérea pura.  Só isso seria enorme avanço. Em paralelo jogue em algumas fragatas que podem desempenhar o papel multi-tarefa entre ser uma excelente plataforma anti-submarino e também para ser capaz de ser usada em atividade anti-superfície / anti-ar e acho que estamos começando a ver algo de interessante na nova doutrina naval da US NAVY. 

Claro que isso faz com que os alvos prioritários passem a ser os Classe Zumwalt,  mas nada de mais  no  emprego de defesa  da marinha  pois  o mesmo se aplica a todos os  porta-aviões, somente  teriam de adequar a defesa de ponto para incluir também os navios de classe Zumwalt. 

Eu acho que a única questão sem resposta é como você distribui uma classe tão pequena fazendo um papel tão importante?

JG

3 COMENTÁRIOS

  1. Boa noite o zuwat pode simplesmente ser usado para guerra anti submarino ou ASW anti submarine warfare simples poderiam combater os submarinos russos ou chineses .simples tem espaço para um osprey v 22 ou um chinook aterrar com torpedos e sondas sonar anti submarino. simples e funcional.

  2. Eu gostaria de ver pessoas como você vivendo na China ou na Rússia, e depois queria ouvir seu discurso de menino rebelde e inconsequente. Falar asneiras numa posição de conforto e muito diferente se viver o que se fala. Portanto amigo irresponsável…..cala se e nos poupe de suas asneiras.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here
Enter the text from the image below
 

Translate »