A “misteriosa” estação espacial da China na Argentina

A principal característica da estação é uma poderosa antena de 160 pés de altura. As visitas à estação são apenas por marcação. Foto de Reuters / Agustin Marcarian

Por: Redação Orbis Defense Europa.

O objetivo declarado da estação espacial é para observação e exploração espacial com fins pacíficos. Mas o complexo, que inclui uma poderosa antena, opera com pouca supervisão aparente das autoridades argentinas.

Quando a China construiu uma estação espacial militar na região da Patagônia argentina, prometeu incluir um centro de visitantes para explicar o propósito de sua poderosa antena da altura de 16 andares.

O centro agora está construído – atrás da cerca de arame farpado de 1,5 metros que circunda todo o complexo da estação espacial. As visitas são sempre agendadas.

Envolto em sigilo, o complexo provocou inquietação entre os moradores locais, fomentou teorias conspiratórias e provocou preocupações no governo Trump sobre seu verdadeiro objetivo, segundo entrevistas com dezenas de residentes, atuais e antigos funcionários do governo argentino, autoridades dos EUA, especialistas em satélite e astronomia e juristas.

O objetivo declarado da estação é a observação e exploração pacífica do espaço e, de acordo com a mídia chinesa, ela desempenhou um papel fundamental na aterrisagem de uma espaçonave chinesa no lado escuro da lua, em janeiro.

Mas o remoto complexo de 200 hectares, opera com pouca supervisão pelas autoridades argentinas, de acordo com centenas de páginas de documentos do governo argentino obtidos pela Reuters e revisados por especialistas em direito internacional.

A ex-ministra do exterior do presidente Mauricio Macri, Susana Malcorra, disse em uma entrevista que a Argentina não tem supervisão física das operações da estação. Em 2016, ela revisou o acordo da estação espacial chinesa para incluir uma cláusula para uso civil apenas.

O acordo obriga a China a informar a Argentina de suas atividades na estação, mas não oferece nenhum mecanismo de execução para as autoridades garantirem que ela não esteja sendo usada para fins militares, disseram os especialistas em direito internacional.

“Realmente não importa o que diz o contrato ou o acordo”, disse Juan Uriburu, um advogado argentino que trabalhou em duas grandes joint ventures entre a Argentina e a China. “Como você se certifica de que eles cumprem as regras? ”

“Eu diria que, dado que um dos atores envolvidos nos acordos se reporta diretamente aos militares chineses, é pelo menos intrigante ver que o governo argentino não lidou com essa questão com maior especificidade”, disse ele.

O programa espacial da China é dirigido por seus militares, o Exército de Libertação do Povo (PLA, em inglês). A estação da Patagônia é gerenciada pelo Controle Geral de Rastreamento e Lançamento de Satélites da China (CLTC, em inglês), que se reporta à Força de Suporte Estratégico do PLA [1].

Pequim insiste que seu programa espacial é para fins pacíficos e seu Ministério do Exterior, em nota, enfatizou que a estação argentina é apenas para uso civil. Ele disse que a estação estava aberta ao público e à mídia.

“A suspeitas de alguns indivíduos têm segundas intenções”, disse o ministério.

Questionado sobre como isso garante que a estação não seja usada para fins militares, a agência espacial argentina CONAE disse que o acordo entre os dois países declarou seu compromisso com o “uso pacífico” do projeto.

Ele disse que as emissões de rádio da estação também foram monitoradas, mas especialistas em radioastronomia disseram que os chineses poderiam facilmente esconder dados ilícitos nessas transmissões ou adicionar canais criptografados às frequências acordadas com a Argentina.

A CONAE também disse que não tinha pessoal permanentemente baseado na estação, mas fez viagens “periódicas” para lá.

O Congresso da Argentina não aprovou a estação até fevereiro de 2015, mas o trabalho de construção começou no verão de 2013. No início de 2017, a maioria dos edifícios parecia estar estruturalmente completa. Pelo menos 300 trabalhadores da construção argentina assistiram no local, de acordo com a CONAE, antes que o projeto fosse entregue à gerência chinesa. Hoje, há 30 funcionários chineses que trabalham e moram na estação, disse a prefeita de Las Lajas, Maria Espinosa. Imagens por satélite são cortesia da DigitalGlobe, uma empresa da Maxar.

Preocupações quanto a espionagem

Os Estados Unidos há muito se preocupam com o que consideram a estratégia da China de “militarizar” o espaço, segundo um funcionário dos EUA, que acrescentou que havia motivos para ser cético quanto à insistência de Pequim de que a base argentina era estritamente para estudos.

Outras autoridades dos EUA que conversaram com a Reuters expressaram preocupações semelhantes.

“A estação terrestre da Patagônia, acordada em segredo por um governo corrupto e financeiramente vulnerável há uma década, é outro exemplo de transações chinesas obscuras e predatórias que minam a soberania das nações anfitriãs”, disse Garrett Marquis, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca.

Alguns especialistas em radioastronomia disseram que as preocupações dos EUA eram exageradas e que a estação era provavelmente como anunciada – um empreendimento científico com a Argentina – mesmo que sua antena com um prato de 35 metros de diâmetro pudesse espionar os satélites estrangeiros.

Tony Beasley, diretor do Observatório Nacional de Radioastronomia dos Estados Unidos, disse que a estação poderia, em teoria, “ouvir” os satélites de outros governos, potencialmente captando dados confidenciais. Mas esse tipo de escuta poderia ser feito com equipamentos muito menos sofisticados.

“Qualquer um pode fazer isso. Eu posso fazer isso com uma antena no meu quintal, basicamente”, disse Beasley. “Não sei se há algo particularmente sinistro ou preocupante em qualquer parte da rede de rádio espacial da China na Argentina.

Autoridades argentinas defenderam a estação chinesa, dizendo que o acordo com a China é semelhante ao assinado com a Agência Espacial Europeia, que construiu uma estação em uma província vizinha. Ambos têm arrendamento de 50 anos sem impostos. Cientistas argentino, em teoria, têm acesso a 10% do tempo da antena em ambas as estações.

Os especialistas em direito que revisaram os documentos, disseram que há uma diferença notável: a ESA é uma agência civil.

“Todos os governos da ESA jogam por regras democráticas”, disse Uriburu. “O estado não é um partido. Mas esse não é o caso na China. O partido é o estado”.

Nos Estados Unidos, a NASA, como a ESA, é uma agência civil, enquanto os militares dos EUA têm seu próprio comando espacial para missões militares ou de segurança nacional. Em alguns casos, a NASA e os militares colaboraram, disse Jonathan McDowell, astrônomo do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics.

“A linha fica obscura, às vezes”, disse ele. “Mas isso é muito a exceção”.

Um foguete Longa Marcha 3B levando a sonda lunar Chang’e 4 da China decola do Centro de Lançamento de Satélites Xichang, na província de Sichuan, em 8 de dezembro de 2018. Em janeiro, a China se tornou a primeira nação a pousar uma espaçonave no lado escuro do lua. A mídia chinesa disse que a estação em Neuquen desempenhou um papel fundamental nessa missão.Photo by Reuters / Stringer

Caixa Preta

Em Las Lajas, uma cidade de 7.000 pessoas, localizada a cerca de 40 minutos de carro da estação, a antena é uma fonte de perplexidade e desconfiança.

“Essas pessoas não permitem o acesso, elas não permitem que você veja”, disse o proprietário de uma loja, Alfredo Garrido, 51 anos. “Minha opinião é que não é uma base de pesquisa científica, mas sim uma base militar chinesa”.

Entre as mais extravagantes teorias da conspiração que os repórteres ouviram durante uma visita à cidade, era a de que a base estava sendo utilizada para construir uma bomba nuclear.

A viagem de Las Lajas para a estação espacial é estéril e empoeirada. Não há sinais indicando a existência da estação. A extensa antena é subitamente visível após uma curva na estrada de cascalho da rua principal. O enorme prato da antena é o único sinal de vida humana por quilômetros ao redor.

A estação ficou operacional em abril. Trinta funcionários chineses trabalham e moram no local, que não emprega pessoas locais, de acordo com a prefeita de Las Lajas, Maria Espinosa, acrescentando que a estação tem sido boa para a economia local.

Espinosa disse que alugou sua casa para trabalhadores da estação espacial chinesa antes de se mudarem para a base e ter visitado o local pelo menos oito vezes.

Outras pessoas em Las Lajas disseram que raramente veem alguém da estação na cidade, exceto quando a equipe faz uma viagem ao seu supermercado chinês.

A Reuters solicitou acesso à estação através da CONAE, do governo provincial local e da embaixada da China. A CONAE disse que não foi capaz de aprovar uma visita da Reuters a curto prazo, mas estava planejando um dia dedicado à mídia, na base.

Ele acrescentou, também, que estudantes de cidades próximas já visitaram o complexo.

Sem supervisão

Quando o Congresso da Argentina debateu a estação espacial em 2015, durante a presidência de Cristina Fernandez, os legisladores da oposição questionaram por que não havia estipulação de que fosse apenas para uso civil. No entanto, o Congresso aprovou o acordo.

Quando Macri assumiu o cargo em 2015, ele estava preocupado que o acordo da estação espacial não explicitamente dissesse que deveria ser apenas para uso civil, disse Malcorra, sua então ministra das Relações Exteriores, que voou para Pequim em 2016 para reformulá-lo.

Malcorra disse que estava constrangida em sua capacidade de revisá-lo, porque ele já havia sido assinado por Fernandez. Os chineses, no entanto, concordaram em incluir a estipulação de que seria para uso civil. Ela insistiu em uma conferência de imprensa com sua contraparte chinesa em Pequim para divulgar isso.

Isso foi algo que eu pedi para garantir que não houvesse dúvida ou nenhuma agenda oculta de qualquer lado aqui, e que nosso povo soubesse que havíamos feito isso”, disse ela em sua casa na Espanha.

Mas isso ficou aquém de um ponto-chave – a supervisão.

“Não havia como fazer isso depois do nível de reconhecimento que esse acordo tinha do nosso lado. Isso foi reconhecido, aceito e aprovado pelo Congresso”, disse Malcorra.

“Eu teria escrito o acordo de uma maneira diferente”, acrescentou. “Eu teria cláusulas que articulassem o acesso à supervisão”.

Malcorra disse estar confiante de que a Argentina poderia se aproximar da China para “garantias” se houvesse alguma dúvida sobre as atividades na estação. Quando perguntada sobre como a Argentina saberia sobre essas atividades, ela disse: “Haverá algumas pessoas que nos dirão, não se preocupem”.

Registro de visitantes

A obscuridade das operações da estação e a relutância dos oficiais argentinos em falar sobre isso dificultam determinar quem exatamente visitou o complexo.

Uma autoridade do governo provincial forneceu à Reuters uma lista de jornalistas locais que visitaram a instalação. Esse número parecia ter visitado a estação em um único dia de fevereiro de 2017, 14 meses antes de se tornar operacional, uma revisão de suas histórias e postagens em mídias sociais mostrou isso.

Além de Espinosa, prefeita de Las Lajas, ninguém mais entrevistado pela Reuters na cidade visitou a estação. A residente Maria Uran, 24, no entanto, disse que sua irmã estava entre um grupo de estudantes que visitou a estação no ano passado. Eles viram uma sala de jantar e uma sala de jogos, ela disse.

Alberto Hugo Amarilla, 60, que administra um pequeno hotel em Las Lajas, relembrou um jantar que ele compareceu logo após o início da construção do local.

Lá, ele disse, um oficial chinês que estava na cidade para visitar o local o cumprimentou com entusiasmo. Seus colegas, convidados do jantar, disseram-lhe que o oficial tinha ouvido que Amarilla era um oficial do exército aposentado.

O oficial, disseram eles, era um general chinês.

Tradução e revisão por Yam Wanders da reportagem de Cassandra Garrison para a Reuters.

Titulo original; 

A estação espacial administrada por militares da China na Argentina é uma “caixa preta”

China’s military-run space station in Argentina is a ‘black box’

http://graphics.reuters.com/SPACE-ARGENTINA-CHINA/010090CP0J4/index.html?fbclid=IwAR1xrN3O7heAjipXhpinOZzxDCJ6gAC1NIqHn1lPjp7zzetQngXpUHIwYW8

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here
Enter the text from the image below