Academia Militar das Agulhas Negras produz série de atividades para celebrar seus 75 anos em Resende

Neste ano de 2019, a Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) comemora 208 anos de existência e 75 anos de sua instalação na cidade de Resende, que ocorreu em 11 de março de 1944.

Por isso, com o objetivo de celebrar a histórica integração da Academia a Resende, a AMAN realizou uma série de eventos comemorativos, como a Exposição de Artes “75 anos da AMAN em Resende”, a encenação da cerimônia de entrega das chaves do Portão Monumental, o Lançamento do Selo Comemorativo, o Concerto da Orquestra Bachiana Filarmônica e a encenação da Rendição da 148ª Divisão de Infantaria alemã, dentre outros.

Exposição de Artes “75 anos da AMAN em Resende”

Em 15 de abril, foi realizada a solenidade de abertura do Salão de Artes do Museu de Arte Moderna na Academia, com a exposição “75 anos da AMAN em Resende”. A exposição é composta por fotografias e aquarelas que contam a história da cidade e da sua integração com a Academia.

As obras expostas são de sete artistas da região: Alexandre Neves, Gerson Mallorca, João Sabóia, Jorge Vieira, Otacílio Rodrigues, Shirley Ramires e Wanda Takeda. O salão de artes ficará aberto para visitação até 19 de maio, das 9h às 17h, no Foyer Superior do Teatro da AMAN. A entrada é franca.

Encenação da Cerimônia de Entrega das Chaves do Portão Monumental

Ainda no contexto das comemorações, em 16 de abril, foi realizada uma cerimônia na Esplanada Ministro Dutra, em frente ao Portão Monumental da Academia, com a finalidade de relembrar o fato histórico ocorrido em 11 de março de 1944: a entrega das chaves da AMAN e a recepção dos cadetes da Turma Escola Militar de Resende.

Durante a cerimônia, foi relembrado aquele momento marcante, com uma encenação na qual o Coronel Carlos Roberto Peres, representou o Coronel Mário Travassos, primeiro Comandante da Escola Militar de Resende, e o Coronel Luiz Emílio da Cás, representou o General Luiz Sá de Affonseca, Chefe da Comissão Especial de Obras de Piquete e Resende, ambos trajando os uniformes da época.

Participaram da formatura, em posição de destaque, integrantes da “turma pioneira”, Turma Escola Militar de Resende, os Coronéis Arioswaldo Tavares Gomes da Silva, Murillo de Andrade Carqueja, Cler Celsio de Araujo, Arilmes de Paula Lopes, Pedro Buzatto Costa, Loredano Cassio Silva e a Senhora Vera Lúcia Magioli, víuva do Coronel Hélio Duarte Magioli.

Após o canto da Canção da Academia Militar das Agulhas Negras, o Cel Peres, representando o Coronel Mário Travassos, fez a leitura da Ordem do Dia de 11 de Março de 1944.

Na sequência, tomados de grande emoção, os integrantes da Turma Escola Militar de Resende reviveram o tradicional ato solene que marca o ingresso na Academia Militar, passando mais uma vez pelo Portão Monumental da AMAN.

Idealizada pelo Marechal José Pessôa Cavalcanti de Albuquerque, a nova Escola Militar foi construída para proporcionar aos cadetes as melhores condições de aprendizagem técnico-profissional.

O primeiro contingente de cadetes, que ocupou as instalações da nova Escola Militar em 1944, chegou a Resende de trem. Na Estação de Trem de Resende, encontravam-se o Comandante, Coronel Mário Travassos, e toda os oficiais da Escola Militar. Além destes, um grande número de cidadãos resendenses prestigiava o evento.

Após desembarcarem, os cadetes, em forma, romperam marcha em passo ordinário rumo à nova escola, sob os aplausos das pessoas que formavam alas ao longo das ruas. Em frente ao Portão Monumental, foi comandado “Alto”! As Agulhas Negras ao fundo compunham uma imagem de incomparável beleza à primeira cerimônia que se iniciava.

Do lado de dentro dos portões, encontravam-se os construtores, chefiados pelo General Affonseca. Do lado de fora, o Coronel Mário Travassos, o Coronel Synésio de Faria, Subdiretor do Ensino Fundamental, com outros oficiais e professores.

A solenidade teve início com a entrega da chave da Escola ao seu primeiro Comandante. O General Luiz de Sá Affonseca avançou até o Portão Monumental, abriu-o o suficiente para passar, retirando a chave que se achava ornada em fitas verde-amarelas. Oficiais da Comissão de Obras abriram os Portões de par em par.

Com os portões abertos, o Coronel Travassos avançou, simbolizando a continuidade daquele processo evolutivo institucional, recebendo das mãos do General Affonseca, a chave do Portão Monumental.

O Coronel Travassos leu, então, sua primeira Ordem do Dia, apresentando a Escola aos cadetes. Após a leitura, os integrantes da Turma Escola Militar de Resende passaram solenemente pelo Portão Monumental. Naquele momento, iniciavam-se as tradições e a história da nova escola militar, que se instalou e se integrou perfeitamente ao município de Resende.

Treinamento Físico Militar centralizado, conduzido pelo Comandante da AMAN

Em 16 de abril, o efetivo da AMAN se reuniu no Pátio Marechal Mascarenhas de Moraes, para participar de um Treinamento Físico Militar (TFM), que foi conduzido pelo Comandante da AMAN, General de Brigada Gustavo Henrique Dutra de Menezes, com o objetivo de comemorar o aniversário de 75 anos da AMAN em Resende.

A atividade física foi uma excelente oportunidade de confraternização entre o oficiais da Academia, os cadetes e os integrantes do Batalhão de Comando e Serviços. Quase dois mil militares participaram da corrida em forma.

Começando no Pátio Marechal Mascarenhas de Moraes, o itinerário da corrida seguiu pelo “Retão da AMAN”, Portão Monumental, Bairro Guararapes da Vila Militar, Seção de Educação Física e pelo perímetro da região dos Parques, retornando ao Conjunto Principal.

Ao término da atividade, o Comandante da AMAN destacou a importância da atividade física para a saúde e para o desenvolvimento do espírito de corpo. Cumprimentou a todos, ainda, pelo entusiasmo e vibração durante a atividade e pelo aniversário da AMAN.

Palestra da Cadeira de História

Em 17 de abril, professores da Cadeira de História Militar ministraram uma palestra para todo o efetivo da Academia e a família militar, com o tema “AMAN 75 anos integrada a Resende”.

Durante a palestra, foram relembrados os principais fatos da história da AMAN. A formação dos oficiais da linha bélica do Exército Brasileiro acontece desde 1811 e a sede da Escola Militar, inicialmente instalada no Rio de Janeiro, passou por vários locais até chegar a Resende em 1944.

Resende foi escolhida por uma série de motivos, desde um condizente campo de instrução para as manobras militares até o aspecto pitoresco do interior, adequado à necessidade de proporcionar um convívio social tranquilo aos cadetes.

A iniciativa dessa mudança é mérito do idealizador da AMAN, o Marechal José Pessôa Cavalcanti de Albuquerque. Militar de destacada visão estratégica e artífice da criação de uma Academia Militar, que hoje é modelo para outros países.

A cidade de Resende beneficiou-se enormemente pela vinda da então Escola Militar em 1944 (somente em 1951 seria dada a designação definitiva de Academia Militar das Agulhas Negras). Os impactos sociais e econômicos para o município foram muitos. Três novos bairros surgiram na cidade.

Uma população aumentada gerou novas demandas, fazendo crescer o comércio e os serviços, gerando empregos diretos e indiretos. As comissões técnicas envolvidas na construção da Academia auxiliaram o Município a redesenhar o seu Plano Diretor.

Os docentes militares incrementaram o ensino na cidade, pelas contribuições que muitos deles fizeram em várias instituições de ensino. As comunidades religiosas ganharam novos adeptos. Famílias se formaram a partir dos romances entre as jovens da cidade e os cadetes da AMAN.

Hoje, percebe-se claramente essa integração, no grande número de oficiais que passam para a Reserva e decidem escolher a cidade para fixar suas residências. A cidade cresceu junto com a AMAN e tornou-se conhecida em todo o Brasil e no mundo.

Lançamento do Selo Comemorativo

Os Correios registraram para sempre na filatelia brasileira e na história, os 75 anos da AMAN em Resende. Em 17 de abril, no Teatro General Leonidas, na AMAN, foi realizada a cerimônia de obliteração do Selo Comemorativo.

O selo personalizado traz estampada a cerimônia de entrada dos novos cadetes no Portão Monumental, tendo a cidade de Resende ao fundo. Apresenta o dístico dos 75 anos ao centro e os brasões da AMAN, à esquerda, e da cidade de Resende, à direita.

A expressão “AMAN integrada a Resende” complementa a arte. Foi utilizada a técnica da computação gráfica. A obra foi idealizada pelo Subtenente Rosemberg Ribeiro Varandas, da Seção de Comunicação Social da AMAN.

Durante a cerimônia, foi realizado o rito de obliterações, ato de carimbar o selo, tornando-o oficialmente lançado, que foi conduzido pelo Superintendente Estadual de Operações dos Correios do Rio de Janeiro, o Senhor Cléber Isaias Machado.

A primeira obliteração, ato que oficializa a colocação do selo em circulação, foi realizada pelo Diretor de Educação Superior Militar, General de Divisão João Batista Bezerra Leonel Filho.

A segunda, foi realizada pelo Comandante da AMAN, General de Brigada Gustavo Henrique Dutra de Menezes. Encerrando a cerimônia, o Cadete número 3059, Júlio Silva Vieira, da 4ª Companhia do Curso Básico, cadete mais jovem entre os naturais da cidade de Resende, fez a última obliteração.

Concerto da Orquestra Bachiana Filarmônica

Em 23 de abril, data do aniversário de 208 anos da AMAN, foi realizado, no Teatro Acadêmico, Teatro General Leonidas, um concerto da Orquestra Bachiana Filarmônica SESI-SP, sob a regência do Maestro João Carlos Gandra Martins.

A apresentação contou com a presença de mais de 2500 pessoas e teve a participação especial do pianista Davi Campolongo. A plateia acompanhou a orquestra durante a música “Trem das Onze” e retribuiu, cantando a Canção da AMAN, antes do encerramento do concerto com a peça “The Stars And Stripes Forever”, de J.P. Sousa.

João Carlos Martins é considerado um dos maiores intérpretes de Bach do século XX pela crítica internacional, do qual registrou a obra completa para teclado. Seus concertos no Carnegie Hall, após a sua estreia aos 21 anos em apresentação patrocinada por Eleanor Roosevelt, sempre tiveram lotação esgotada.

Suas gravações estiveram muitas vezes entre as mais vendidas e jornais como New York TimesWashington Post Los Angeles Times sempre dedicaram reportagens entusiasmadas pela sua personalidade artística. A Orquestra Bachiana Filarmônica SESI-SP, foi a primeira orquestra brasileira a se apresentar em janeiro de 2007 no Carnegie Hall.

Sessão Solene

Em 24 de abril, a Academia Resendense de História (ARDHIS) promoveu uma “Sessão Festiva em comemoração aos 75 anos de instalação da Escola Militar de Resende” no Plenário da Câmara Municipal de Resende.

Durante a Sessão, o professor Júlio César Fidelis, membro da ARDHIS, realizou uma apresentação de slides com fotos e vídeos históricos da AMAN, da década de 40, relembrando algumas das antigas tradições da AMAN e destacando fatos memoráveis, como a visita à Academia Militar das Agulhas Negras, no dia 7 de agosto de 1945, do General Dwight Eisenhower.

O General Eisenhower fora o Comandante Supremo das Forças Aliadas na Europa durante a Segunda Guerra Mundial e que, posteriormente, viria a ser o 34º Presidente dos Estados Unidos da América. Por ocasião da visita, o General doou um espadim de West Point À AMAN.

A ARDHIS foi fundada há 17 anos pelo historiador e militar Coronel Cláudio Moreira Bento, e tem 35 cadeiras que imortalizam figuras expoentes da história de Resende, como o Marechal José Pessoa Cavalcanti De Albuquerque.

Encenação da Rendição da 148ª Divisão de Infantaria alemã

Finalizando as atividades em comemoração ao aniversário de 75 anos da AMAN em Resende, no dia 1º de maio, a rendição da 148ª Divisão de Infantaria alemã à Força Expedicionária Brasileira (FEB), na Itália, foi encenada na Pista Andrade Neves, no Campo de Instrução da AMAN. O fato histórico ocorreu há 74 anos.

A trajetória da FEB, durante os combates na Segunda Guerra Mundial, reservou momentos marcantes, como o ocorrido entre 29 e 30 de abril de 1945, quando a FEB forçou a rendição de quase 14 mil soldados, a maioria da 148ª Divisão de Infantaria (148ª DI) do Exército Alemão.

A rendição da 148ª DI ocorreu no contexto da ofensiva final de 1945, que culminou com as conquistas de Monte Castelo (21 de fevereiro) e de Montese (14 de abril). Já fragilizado por quase seis anos de guerra, o Exército Alemão estava se desmantelando e em rota de fuga pelo norte da Itália, rumo à fronteira com a Áustria.

O processo durou da meia-noite às 5h30 do dia 29 de abril. Ficou estabelecido que a artilharia brasileira cessaria fogo. As unidades alemãs apresentar-se-iam às 13h, entregando, inicialmente, seus feridos, única exigência dos alemães, que foi aceita pelo comando da FEB por questões humanitárias.

Os soldados alemães, em grandes filas, depuseram as armas observados pelos pracinhas brasileiros. Posteriormente, foram removidos para os campos de prisioneiros de guerra em Modena e em Florença, mantidos pelo Exército Norte-Americano. A rendição foi finalizada às 18 horas do dia 30 de abril.

Durante a Encenação, foram representadas as situações de combate vividas pela FEB na Itália contra as forças Alemãs na Segunda Guerra Mundial. Foram utilizados uniformes, equipamentos, armamentos e veículos da época, para que fosse retratado com a maior realidade possível.

A encenação foi baseada em fatos que foram extraídos de depoimentos dos veteranos da guerra, de relatos de correspondentes de guerra e do relatório de guerra do comandante da área de rendição.

Estiveram presentes no evento o Diretor do Patrimônio Histórico e Cultural do Exército, General de Divisão Carlos Alberto Mansur, o Prefeito de Resende, Sr Diogo Balierio, o Comandante da AMAN, General de Brigada Gustavo Henrique Dutra de Menezes, e demais autoridades civis e militares.

O evento foi aberto ao público, que teve a oportunidade de reviver a história e entender como aconteceu a vitória da FEB há 74 anos atrás.

  • Com informações e fotos da AMAN, Via agência Verde-oliva


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here
Enter the text from the image below