Acontecimentos estranhos em região de base secreta russa no Ártico

Seria o sol ao amanhecer em altas latitudes ou mais um teste de mìsseis secretos? Muitas imagens semelhantes circulam em redes sociais desde que começaram os estranhos acontecimentos na região Àrtica russa. Imagem via Russian Television.

Moradores de uma vila no norte da Rússia foram informados nesta semana que estavam vivendo em uma “zona de perigo” devido a um “trabalho” não especificado, realizado a pouco mais de 1,6 km de distância, em um local secreto de testes de armas, onde os militares russos vem desenvolvendo seu novo arsenal das chamadas armas do dia do juízo final.

Uma publicação na Internet aconselhou os cerca de 500 moradores da vila costeira de Nyonoksa no Mar Branco que cinco ônibus estavam prontos para evacuá-los como precaução devido às atividades planejadas de 7 a 8 de julho nas instalações de armas militares próximas, em operação desde os anos 50 para o desenvolvimento e teste de mísseis de cruzeiro marítimos e terrestres.

O aviso era paralelo para os marinheiros e outros trabalhadores maritimos no Mar Branco, emitidos pelas autoridades portuárias de Arkhangelsk, que durariam de 6 a 10 de julho. O aviso governamental aos navegantes proibia as embarcações marítimas de entrar em uma área começando na costa de Nyonoksa e na cidade vizinha de Severodvinsk e estendendo-se para nordeste.

Nenhuma informação adicional foi dada sobre a natureza exata do teste da semana passada. Mas a instalação de testes de armas de Nyonoksa passou por atividades extraordinárias nos últimos anos, incluindo alguns acidentes de alto risco, que colocam em risco vidas civis.

Assim, com os muitos sistemas avançados de armas da Rússia em desenvolvimento, a chamada evacuação opcional de Nyonoksa desta semana não é necessariamente sugestiva de nenhum desenvolvimento extraordinário, dizem os especialistas. No entanto, a notícia também vem em meio a relatos no final de junho de que os níveis de radiação no norte da Europa estavam acima do normal, um fenômeno que alguns cientistas atribuíram a prováveis ​​testes de armas da Rússia no Ártico.

Em 23 de junho, a Organização do Tratado de Proibição Completa de Testes Nucleares (CTBTO) informou que cientistas na Suécia haviam detectado níveis extraordinariamente altos de radiação. Os padrões climáticos sugeriam que o norte da Rússia era o ponto de origem.

De acordo com imagens de satélite de radar de código aberto, um navio russo anteriormente associado aos testes do drone submarino movido a energia nuclear Poseidon estava na costa de Nyonoksa em 23 de junho. Alguns especialistas especulam que um teste fracassado do Poseidon poderia ser o culpado por trás do recente pico de radiação. Moscou nega que esse incidente tenha ocorrido.

Um dos muitos testes de misseis na região. Imagem via Reuters.

Testes com mísseis de cruzeiro e drones submarinos?

Em dezembro de 2015, um míssil de cruzeiro descontrolado, lançado da instalação atingiu um prédio de apartamentos em Nyonoksa, causando destruição e um incêndio. Não houve feridos, segundo notícias da época. E em agosto do ano passado, o teste fracassado de um míssil de cruzeiro nuclear na costa de Nyonoksa matou cinco especialistas civis e militares, feriu outros e aumentou os níveis de radiação em região habitada por civis próximos.

A explosão aconteceu quando uma barcaça tentou recuperar um míssil de cruzeiro Burevestnik movido a energia nuclear do fundo do mar. Entre os mortos estavam membros de uma equipe especial de desenvolvimento de reatores nucleares da Rosatom, a empresa nacional de energia nuclear da Rússia.

O 9M730 Burevestnik, conhecido como “Skyfall” entre os militares da OTAN, é um míssil de cruzeiro movido a energia nuclear e com armas nucleares com alcance praticamente ilimitado. O presidente russo Vladimir Putin anunciou a arma experimental em março de 2018, juntamente com várias outras armas do “dia do juízo final”. Uma apresentação em vídeo de exemplo ilustrado de um dos sistemas de armas mostrou um ataque simulado à Flórida. Putin, que considerou as novas armas da Rússia “invencíveis”, alertou os EUA para levar a sério o poderio militar da Rússia.

Após o colapso do Tratado das Forças Nucleares de Alcance Intermediário da época da Guerra Fria entre os Estados Unidos e a Rússia no ano passado, e com Moscou e Washington cada vez mais em desacordo com uma ampla gama de questões geopolíticas, Putin embarcou as forças armadas de seu país em um programa de esforços para desenvolver novas armas.

Além do Burevestnik, em 2018, Putin apresentou outras novas armas que ele divulgou que seriam capazes de derrotar os sistemas de defesa antimísseis dos EUA. Entre eles estava o veículo hipersônico Avangard, supostamente capaz de voar em Mach 27. O Avangard entrou em operação em dezembro.

A Rússia também está desenvolvendo um drone submarino movido a energia nuclear, o ” Poseidon “, que se aproximará da costa de um adversário, detonará uma arma nuclear e criará um tsunami de 500 metros ou 1.640 pés.

De acordo com algumas reportagens de revistas científicas, a Rússia também pode estar ressuscitando alguns programas de mísseis antissatélites da era soviética, particularmente um míssil conhecido como Kontakt, que deveria ser disparado de um caça MiG-31D.

Enquanto o sistema Kontakt da era soviética compreendia uma arma cinética destinada a literalmente colidir com satélites americanos para destruí-los, o programa russo contemporâneo, também chamado Burevestnik, embora não relacionado ao novo míssil de cruzeiro movido a energia nuclear, provavelmente carregará uma carga útil de micro satélites “interceptores” que podem efetivamente emboscar satélites inimigos.

Rastro atmosférico de um missil ISS-37 RT-2PM Topol, imagem que impressiona muitos observadores em terra que não conhecem esse tipo de atividade. Imagem via Russian MoD.

Adaptado da matéria de Nolan Peterson, para o Coffe or Die Magazine via redação Orbis Defense Europe.

Nolan é escritor sênior e ex-piloto de operações especiais da Força Aérea dos EUA e veterano das guerras no Afeganistão e no Iraque, Nolan agora é jornalista e autor de conflitos cujas aventuras o levaram aos sete continentes. Além de suas memórias, Nolan publicou duas coleções de ficção. Ele mora em Kiev, na Ucrânia, com sua esposa, Lilya.



Receba nossas notícias em tempo real pelos aplicativos de mensagem abaixo:

Ninguém do DefesaTV está autorizado a entrar em contato com os leitores. Caso deseje de alguma informação envie um e-mail [email protected]

Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do DefesaTV em seu e-mail, é de graça!

Comments are closed.