África Ocidental à beira da guerra

Mali, pequeno país africano, apesar de ter pouca relevância geopolítica, é um território de grande importância estratégica

blank

As tensões políticas aumentaram no Mali. O pequeno país africano, apesar de ter pouca relevância geopolítica, é um território de grande importância estratégica para algumas potências, principalmente devido à sua localização geográfica.

Mali é o principal ponto de acesso ao Saara e Sahel, regiões ricas em diversos recursos naturais, como petróleo, gás e ouro. Um dos países mais interessados ​​no Mali é a França, que no passado manteve relações coloniais com o país africano.

Tiroteios foram registrados em várias partes da capital do país. Houve grande mobilização por parte das Forças Armadas, que ocuparam bases militares e prenderam políticos e membros do governo.

blankO presidente do país, Ibrahim Boubacar Keita, e o primeiro-ministro Soumeylou Boubeye Maiga estão presos. Depois de ser preso, Keita renunciou e dissolveu o parlamento. Além disso, oficiais das forças armadas que não aderiram ao motim também foram presos.

Em todo o mundo, várias declarações foram feitas por funcionários do Estado sobre o motim militar no Mali. O motim está sendo fortemente condenado, principalmente pelos Estados Unidos e pela França.

Na África, a União Africana expressou notas contra o motim e a defesa do governo do Mali. Ainda assim, Stephane Dujarric, porta-voz de Antonio Guterres, Secretário-Geral das Nações Unidas, condenou a violência e pediu a preservação das instituições democráticas no Mali.

O motim desta terça-feira (18) vem na esteira de uma grave crise política em curso no Mali, com grupos tomando as ruas para exigir a renúncia do presidente Keita. Recentemente, ocorreram muitos confrontos no país.

Durante os dias 11 e 12 de julho, os confrontos entre os manifestantes e as forças de segurança do Mali resultaram na morte de 11 pessoas e mais de 120 feridos. A oposição afirma que Keita falhou em lidar com a corrupção no Mali e que também falhou em restaurar a segurança em meio à escalada da violência jihadista e intercomunitária.

A oposição também criticou as polêmicas eleições legislativas no final de março deste ano, que teriam sido acompanhadas por sequestros e ameaças de morte contra observadores e autoridades locais.

As reivindicações dos rebeldes não são infundadas. Várias mortes de militares do Mali foram registradas recentemente. Em março, 29 soldados malineses foram mortos em um ataque terrorista no nordeste do país.

Em janeiro, outras 20 mortes ocorreram na base militar de Sokolo, na região centro do país. Na verdade, a situação política do país está instável pelo menos desde 2012, depois que militantes tuaregues tomaram áreas no norte do país, o que foi ainda mais agravado pela intervenção francesa.

Em fevereiro deste ano, a França anunciou planos de enviar 600 soldados adicionais à região da África Ocidental para se juntar a outros 4.500 soldados que já estavam lá para combater terroristas nas zonas do Saara e Sahel.

De fato, com o discurso de “luta” contra terroristas e “ajuda ao Mali”, a França aumentou consideravelmente sua presença militar na África Ocidental. Durante anos, a ação francesa no país deixou vítimas que não se limitam a terroristas, mas incluem Malines inocentes, militares e civis.

Mali não foi apenas usado como uma ponte para acessar os recursos naturais do continente africano; também foi um importante laboratório militar francês.

No final de 2019, a França usou drones armados em uma situação de combate real pela primeira vez, matando sete supostos terroristas do Mali – nunca houve qualquer confirmação de que os Malines mortos pelos ataques de drones eram de fato terroristas.

Paris está fazendo do pequeno país africano um local de experimentos e testes para grandes conflitos em outras partes do planeta.’

Diante desse cenário, com um país dividido entre terroristas, militares estrangeiros e um governo incompetente para lidar com a crise nacional, a revolta de parte das Forças Armadas era uma possibilidade esperada.

blankNo entanto, muitas incertezas ainda cercam a tentativa de golpe no país. Apesar da condenação expressa pelos governos ocidentais, a intenção dos militares e seus laços com governos estrangeiros ainda não são claros.

É possível que a sentença proferida em nota do governo francês seja mera formalidade e que o motim favoreça os interesses de Paris; da mesma forma, também é possível que os militares queiram simplesmente encerrar as atividades de um governo incompetente para resolver a questão do terrorismo e da interferência estrangeira.

Os dados ainda não são suficientes para concluir a real natureza do golpe, mas uma coisa é certa: a França continuará tentando retomar sua influência dominante no Mali. Se os rebeldes tentarem expulsar as tropas francesas, Paris reagirá com força total e teremos uma guerra na África Ocidental.