Airbus traz satélite SMILE para a Estação Espacial Europeia

blank
Conceito do Smile - Copyright Estação Espacial Europeia

A Airbus foi selecionada pela Agência Espacial Europeia para construir o componente europeu do satélite SMILE (Solar Wind Magnetosphere Ionosphere Link Explorer, ou Explorador da Relação entre Vento Solar, Magnetosfera e Ionosfera).

O SMILE será a primeira missão de satélite conjunta entre a Estação Espacial Europeia (ESA) e a Academia Chinesa de Ciências (CAS) após o sucesso da missão Double Star / Tan Ce, que voou entre 2003 e 2008.

O objetivo do SMILE é estudar e entender o clima espacial. Especificamente, o satélite irá examinar a física por trás de interações contínuas entre as partículas do vento solar e a magnetosfera da Terra, o escudo magnético que protege a existência da vida em nosso planeta.

A missão está entrando em uma fase de fabricação, teste e integração do módulo de carga útil e da plataforma, o que deve durar quatro anos. Na configuração de lançamento, o módulo de carga e a plataforma irão formar uma pilha de 3,15 metros de altura.

A espaçonave terá uma massa de 2.200 kg e irá viajar em uma órbita altamente elíptica em torno da Terra. Seu perigeu estará a uma distância de 5.000 km (de onde o satélite irá descarregar dados para a estação terrestre Troll na Antártida e a estação terrestre CAS em Sanya, na China), enquanto o apogeu estará a 121.000 km (o que equivale a cerca de um terço da distância até a Lua).

Neste ponto de observação, o satélite terá uma vista prolongada das regiões polares do norte da Terra, o que irá permitir que o limite entre o campo magnético da terra e as auroras boreais seja observado.

O módulo de carga será construído na fábrica da Airbus em Madri, onde os instrumentos serão integrados. A plataforma será construída em Shanghai. Tanto o módulo de carga quanto a plataforma serão integrados e testados no Centro Europeu de Pesquisa e Tecnologia Espacial da ESA por uma equipe multinacional.

A carga científica consiste de quatro instrumentos. O Soft X-ray Imager (gerador de imagem raio-x) irá obter medições únicas das regiões em que o vento solar impacta a magnetosfera.

O UltraViolet Imager (gerador de imagem ultravioleta) irá estudar a distribuição global das auroras. O Light Ion Analyser (Analisador de íons leves) irá medir as partículas energéticas do vento solar. E, finalmente, o Magnetômetro irá avaliar as mudanças no campo magnético local.

“Hoje, podemos prever o clima na Terra. Agora é a vez do SMILE nos ajudar a entender o clima espacial ao redor da Terra e, quem sabe… provavelmente um dia, teremos dados o suficiente para poder prever tempestades solares perigosas que podem interferir em nossos sistemas no espaço e na Terra,” afirma Fernando Varela, Head da Airbus Space Systems na Espanha. “Agradecemos ao governo espanhol pelo importante e contínuo apoio a missões científicas.”

Outras missões da ESA construídas pela Airbus, como a Cluster – que estudou a magnetosfera da Terra – e a SOHO – que estudou o Sol – já aprimoraram a compreensão do clima espacial. Sob os planos atuais, a aeronave será lançada por um foguete europeu Vega-C ou Ariane 62 em 2023.

  • Com informações da Airbus

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here