Ameaça de guerra no Mediterrâneo cresce à medida que a Turquia reforça o compromisso militar com a Líbia

Turkish Navy em exercicios. Imagem ilustrativa. Foto de Ahmet Özay.

A ameaça de um confronto militar no Mediterrâneo se aproximou após negociações em que a Turquia reinterou sua disposição de enviar tropas para a Líbia para defender o governo do país, reconhecido pela ONU. O governo de acordo nacional em Trípoli, ou GNA, está enfrentando o que é anunciado como um ataque decisivo pelo general Khalifa Haftar, o chefe militar da Líbia no leste.

A Turquia, que já está em desacordo com o Congresso dos EUA e a UE em várias frentes, assinou na semana passada um acordo de cooperação militar com o GNA que permite solicitar tropas da Turquia. O acordo, enviado ao parlamento turco no sábado, prevê uma força de reação rápida para policiais e militares na Líbia, além de maior cooperação em inteligência e defesa.

O apoio turco ao governo da GNA liderado por Fayez al Serraj até agora estava limitado a drones e armamentos, e seria uma grande escalada enviar tropas terrestres para defender Trípoli.

O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlüt Çavuşoğlu, e seu ministro da Defesa, Hulusi Akar, se reuniram com Serraj à margem de uma grande conferência diplomática em Doha, no Catar, no fim de semana. Çavuşoğlu, falando em Doha, disse que ainda não foi feito um pedido formal de tropas pelo GNA, mas acrescentou que “enviar tropas é a maneira mais fácil”.

A força aérea de Haftar, apoiada pelos Emirados Árabes Unidos e pelo Egito, já bombardeou o aeroporto da cidade costeira de Misrata em um aviso à Turquia para não enviar tropas ou outros suprimentos.

A Turquia, juntamente com os Emirados Árabes Unidos, foi formalmente considerada pela ONU como violadora do embargo de armas da ONU, mas o governo turco parece determinado a não deixar Tripoli cair nas mãos do Haftar, apoiado pelos Emirados Árabes Unidos.

Como parte de uma ligação entre a Turquia e o governo de Trípoli, os dois lados também elaboraram um memorando de entendimento para obter direitos de perfuração no Mediterrâneo que enfureceu a União Européia e, em particular, a Grécia.

Atenas diz que o acordo exclusivo da zona econômica impede a Grécia de explorar a ilha de Creta e é ilegal. O governo grego já expulsou o embaixador da Líbia na Grécia, mas ainda não rompeu as relações diplomáticas.

O presidente turco Erdogan afirma apoio militar ao governo internacionalmente reconhecido da Líbia

O presidente turco, Tayyip Erdogan, informou no domingo que a Turquia está pronta para dar a Trípoli o apoio militar necessário, depois que Ankara e o governo internacionalmente reconhecido da Líbia assinaram um acordo de segurança.

“Estaremos protegendo os direitos da Líbia e da Turquia no Mediterrâneo Oriental”, disse ele na TV A Haber. “Estamos mais do que prontos para dar o apoio necessário à Líbia.”

Erdogan continuou dizendo que o General “rebelde” Khalifa Haftar, que lidera forças no leste da Líbia, “não é um líder legítimo … e é representativo de uma estrutura ilegal”.

  • Com informações AFP, Reuters e Monde Diplomatique via redação Orbis Defense Europe




Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do DefesaTV em seu e-mail