Análise da disposição da blindagem do t-14 Armata

Subscribe
Voiced by Amazon Polly

Recentemente comparando os dados  do novíssimo T-14 ARMATA com o principal tanque  de combate russo o T-90, e verificando as dimensões comparativas entre ambos que aparecem  na foto  que abrem  esta matéria, cheguei a algumas  duvidas e deduções interessantes.

Vejamos: Considerando que o T-90MS e o T-14 pesam aproximadamente o mesmo (48 toneladas), o T-14 com sua maior área superficial quase certamente terá uma proteção muito mais fraca da armadura – é muito improvável que os avanços materiais compensem esse aumento. área de superfície.

 Eu nunca considerei isso, mas o raciocínio está certo! Eu sempre achei que o T-14 era muito mais pesado que o T-90 (na verdade eu achei que estava na mesma categoria de peso que o M1A2C … cerca de 70 toneladas). 

Levando isso em consideração, temos que repensar nossas deduções da blindagem e emprego quando se trata deste veículo. 

A capacidade de sobrevivência da tripulação pode ser melhorada (o que quase certo continua a se desenvolvida, sem dúvida), mas estou disposto a apostar que quando ele enfrentar missões de combate, será muito mais fácil neutralizar ele  do que  vinha se pensando e divulgando, a sua fama de carro revolucionário acabou criando  uma aura  que  creio que  o veiculo não mereça e seja  fruto da propaganda russa. 

Considerando o volume, podemos apostar que a maior parte da blindagem é dedicada a proteger a tripulação. Isso significa que a arma principal, o motor e provavelmente a metade traseira do veículo são vulneráveis. Talvez não ao fogo de metralhadora, mas provavelmente será penetrado por certas munições de 25mm e definitivamente 30 mm ou mais.

Além disso, mísseis antitanque podem precisar ser coordenados em ataque, por causa do sistema APS que ele possui, mas o fogo de artilharia deve ser capaz, pelo menos, de causar destruições por falta de mobilidade, devido à quase certa falta de blindagem no deck que cobre o motor.

Analisando as foto laterais que  mostram a suspensão, dá para  ver que  os  dois primeiro braços de suspensão são reforçados, normalmente somente o primeiro braço é reforçado, neste caso a possibilidade é  que  a maior parte do peso  está na parte da frente,  aonde  se localiza o compartimento de combate e  a maior blindagem para protege-los, nada anormal, por exemplo o Merkava adota esta filosofia, colocando  todo peso e blindagem para a parte frontal, que é a principal área de probabilidade de dano em combate.

Ainda que o primeiro braço de suspensão seja o que  primeiro impacta em obstáculos em marcha, dois braços demonstram da frete do T14 Armata, demonstram que a distribuição de peso é  quase toda na  parte frontal do carro.

Claro que isto tudo levanta uma possibilidade perturbadora. Por que os russos teriam feito um veiculo tão grande, quando tem uma uma vasta experiência com  redução de volume de seus carro usando canhões de tanque com mecanismo de auto carregamento? Certamente eles poderiam ter feito um pacote mais compacto, não poderiam? E isto mesmo com uma  torre sem  tripulação como no T14.

Meu palpite? Estou pensando em uma teoria de que o projeto do T-14 é o inicio de uma família, algo como o T-44 que foi o embrião da família t-55. Eles devem estar trabalhando em uma arma maior para montar nesta besta. Ou mesmo um novo tanque com maior blindagem e mais integração de sistemas e possivelmente menos tripulantes do que estamos vendo hoje, ou seja o T-14 é simplesmente um suporte para o desenvolvimento futuro. Esta não é a forma final, o futuro dirá se o que eu acho pode estar correto.

Lembro que em uma outra matéria, aqui no DEFESA TV revelei  que  a quantidade deste  carro não será mais a que inicialmente foi divulgada, portanto ou o carro  não tem  um emprego que seja  realmente eficaz e em quantidade a que estamos  acostumados  a ver serem produzidos  de blindados russos, com grade certeza estamos vendo a porta de entrada para  uma nova família  de carros de combate.

JG

4 COMENTÁRIOS

  1. Agradecido pelos comentários: acho que a minha conjectura vai desenrolar em uma família nova de carros – lembrem que o mesmo chassis tb gerou um APC vamos ver o que vem mais pra frente, se eu estiver corrento teremos mais de 50 anos de veículos derivados dai como foi a família t55

  2. Bem observado esse ponto. Os russos estão desenvolvendo um novo canhão de 155mm. Somente o T14 tem massa estrutural para ele. Outra ponto ė que eles estão um passo a frente na total automatização de veículos. Com protótipos de veículos antigos já robotizados. A questão do tamanho ė como Vc disse, na versão APC tem inúmeras vantagens como: maior espaço, conforto e quantidade de tropa, além de mais autonomia. Esse último item merece destaque sendo a Rússia o maior país do mundo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here