Ataque com mísseis balísticos destrói instalações petrolíferas clandestinas no norte da Síria (Vídeos)

blank
Imagem da destruição pós incêndios resultantes do ataque de mísseis, revelada nessa manhã dia 06/03 pela Defesa Civil Síria. Imagem via White Helmets/Syrian Civil Defense.

No final do dia 5 de março, um ataque com mísseis em grande escala teve como alvo instalações e equipamentos de traficantes de petróleo em áreas ocupadas pela Turquia no interior de Aleppo, na Síria.

Pelo menos dois mísseis balísticos atingiram o cruzamento de al-Himran e um mercado de petróleo próximo à cidade de Jarabulus, perto da fronteira com a Turquia. Traficantes contrabandeiam óleo produzido ilegalmente pelas Forças Democráticas da Síria (SDF) no nordeste da Síria para áreas ocupadas pelos turcos por meio da passagem.

Os mísseis e foguetes foram lançados da costa síria, onde está localizada a Base Aérea Russa de Hemimim, e dos arredores da cidade de Aleppo.

De acordo com um relatório inicial do Syrian Observatory for Human Right (Observatório Sírio para os Direitos Humanos) com sede em Londres, um homem foi morto e pelo menos dez outros ficaram feridos como resultado dos ataques.

Na semana passada, um ataque de míssil semelhante teve como alvo refinarias improvisadas e tanques de armazenamento na vila de Mazaalah, a sudoeste da cidade de Jarabulus.

Este foi o maior ataque de míssil contra traficantes de petróleo em áreas sírias ocupadas pela Turquia. As forças russas e o exército árabe sírio estavam claramente por trás do ataque. Moscou e Damasco estão aparentemente determinados a prejudicar a produção ilegal e o tráfico de petróleo sírio pela SDF e representantes turcos

Poucos minutos depois, dois outros mísseis balísticos e vários foguetes de artilharia atingiram refinarias de petróleo improvisadas e tanques de armazenamento na vila de Tarhin, ao norte da cidade de al-Bab.

Os mísseis e foguetes foram lançados da costa síria, onde está localizada a Base Aérea Russa de Hemimim, e dos arredores da cidade de Aleppo.

De acordo com um relatório inicial do Observatório Sírio para os Direitos Humanos, com sede em Londres, um homem foi morto e pelo menos dez outros ficaram feridos como resultado dos ataques.

Na semana passada, um ataque de míssil semelhante teve como alvo refinarias improvisadas e tanques de armazenamento na vila de Mazaalah, a sudoeste da cidade de Jarabulus.

Este foi o maior ataque de míssil contra traficantes de petróleo em áreas sírias ocupadas pela Turquia. As forças russas e o exército árabe sírio estavam claramente por trás do ataque. Moscou e Damasco estão aparentemente determinados a prejudicar a produção ilegal e o tráfico de petróleo sírio pela SDF e representantes turcos

Traficantes de petróleo em áreas ocupadas pela Turquia no norte da Síria sofreram perdas catastróficas no recente ataque com mísseis a Tarhin e al-Himran em Aleppo.

Fonte da oposição síria disse que o ataque, que ocorreu no final de 5 de março, destruiu mais de 200 caminhões petroleiros, bem como refinarias improvisadas e tanques de armazenamento.

De acordo com a organização Capacetes Brancos, quatro pessoas morreram no ataque. Pelo menos outros 42 ficaram feridos, alguns deles estão supostamente em estado crítico.

Imagens das áreas visadas, uma rota de contrabando e um mercado de combustível em al-Himran e um centro de refino de petróleo contrabandeado em Tarhin, mostraram destruição completa.

Traficantes de petróleo no norte de Aleppo negociam petróleo produzido ilegalmente pelas Forças Democráticas da Síria (SDF) em vários campos da região nordeste. Esse comércio ilegal ajuda a financiar militantes apoiados pela Turquia e também o SDF.

O ataque a Tarhin e al-Himran foi claramente executado pelo Exército Árabe Sírio e pelas forças russas. Mísseis balísticos táticos OTR-21 Tochka foram usados ​​no ataque. De acordo com várias fontes, os mísseis balísticos táticos Iskander e os foguetes pesados ​​BM-30 Smerch também foram empregados.

As operações de tráfico de petróleo no norte e nordeste da Síria provavelmente vão desacelerar por semanas, senão meses, como resultado do ataque bem-sucedido.

Fontes pró-oposição compartilharam um vídeo que mostra uma parte do míssil balístico tático Tochka que foi supostamente usado nos ataques de 5 de março contra a infraestrutura de contrabando de petróleo na parte ocupada pelos turcos no norte da Síria.

  • Com informações STF Analysis & Intelligence, Syrian Observatory for Human Right, SANA Syria, The White Helmets/Syrian CIvil Defense via redação Orbis Defense Europe.