Ataques aéreos da Rússia na Síria destóem QG do grupo terrorista HTS

blank
Aeronave Su-24 efetuando evasão tàtica após ataque ao solo. Imagem ilustrativa com foto via Russian MoD.

Dia 19 de agosto, aviões de ataque Su-24 e outros das Forças Aeroespaciais Russas realizaram vários ataques aéreos na região noroeste da Síria de Grande Idlib, que é mantida pelo grupo terrorista islâmico Hay’at Tahrir al-Sham (HTS), afiliado à Al-Qaeda, e outros grupos terroristas.

Os ataques das Forças Aeroespaciais Russas estão a cada dia mais precisos, utilizando poucas aeronaves e efetuando destruições de maneira extremamente eficiênte nas estruturas dos grupos terroristas islâmicos, causando o mínimo de danos para as estruturas civis que geralmente estão próximas às intalações dos terroristas, pois estes sempre tentam se esconder em meio às comunidades de civis para se disfarçar e dissuadir ataques das forças sírias e russas.

De acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos e outros observadores internacionais presente nos locais, os ataques aéreos russos tiveram como alvo um quartel-general do HTS localizado perto da cidade de Ein Shib, na zona rural ocidental de Idlib. Nenhuma vítima foi relatada como resultado dos ataques aéreos, porém imagens evidenciam uma grande destruição de toda a estrutura do que ante era o quartel general do grupo, ou pelo menos um posto de comando de grande importância.

Anteriormente, o Exército Árabe Sírio (SAA) atacou as posições dos militantes na zona rural do sul de Idlib. Alegadamente, bombas guiadas a laser Krasnopol, de fabricação russa, foram usadas.

Os recentes ataques da Rússia e da Síria parecem ser uma resposta às repetidas violações do acordo de cessar-fogo na Grande Idlib. O HTS e seus aliados, incluindo facções apoiadas pela Turquia, violam o acordo diariamente.

O cessar-fogo, mediado pela Rússia e pela Turquia em 5 de março de 2020, mal está se sustentando. No entanto, as chances de um confronto militar em grande escala na região permanecem pequenas.

Os militares turcos mantêm mais de 60 postos, acampamentos e bases em toda a Grande Idlib. Qualquer operação da SAA e seus aliados provavelmente desencadeará um novo conflito com a Turquia, que é a grande sustentadora dos grupos terroristas que atuam na região alegando luta na guerra civil contra o presidente sírio Bashar el Assad.

  • Com informações RIA Novosti, Russian Federation MoD, @Fared al Mahlool, @Almohrar, via redação Orbis Defense Europe/Genebra.