Atentados contra bares turcos na Alemanha; a extrema direita que contra-ataca?

Um carro com cadáveres está em frente a um bar em Hanau, Alemanha, quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020. A polícia alemã diz que várias pessoas foram mortas a tiros na cidade de Hanau na quarta-feira à noite. Foto da Associated Press por Michael Probst.

Um alemão de 43 anos matou nove pessoas em vários locais do subúrbio de Frankfurt durante a noite, em ataques que parecem ter sido motivados por influência da extrema direita, disseram autoridades nesta quinta-feira. Promotores federais assumiram a investigação do crime e o estão tratando como um ato de terrorismo doméstico.

Um cidadão alemão de nome ainda não confirmado, atacou um bar de narguilé frequentado por imigrantes turcos no centro de Hanau, por volta das 22 horas da quarta-feira, matando várias pessoas antes de seguir cerca de 2,5 quilômetros a oeste e abrir fogo novamente, fazendo mais vítimas. O bar era frequentado por elementos da criminalidade juvenil local.

Porém agora a investigação descobre que na realidade se trata de um crime de vingança pessoal, coordenado com outro cidadão alemão ainda desconhecido.

A princìpio, a mãe do autor do ataque declarou que membros da famìlia foram vìtimas de estupro e agressões por mais de uma vez, crime esse cometido por islâmicos da comunidade turca de Frankfurt, e essa seria a motivação principal do ataque que foi efetuado. O outro cùmplice do ataque, que ainda não foi identificado também tinha em sua famìlia uma vitima de violência grave reincidente, com autores oriundos da comunidade turca.

Testemunhas e vídeos de vigilância do carro de fuga do suspeito levaram as autoridades rapidamente para sua casa, perto do local do segundo ataque, onde ele foi encontrado morto perto de sua mãe de 72 anos, disse Peter Beuth, ministro do Interior do estado de Hesse. .

Acredita-se que algumas das vítimas sejam turcas, e o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, disse que o consulado em Frankfurt e a embaixada em Berlim estão tentando obter informações sobre o ataque.

“De acordo com a informação inicial, foi um ataque com motivo racista, mas precisaríamos esperar a declaração (oficial)”, disse ele à televisão estatal TRT.

A agência de notícias alemã dpa informou que a polícia está examinando um vídeo que o suspeito pode ter postado online vários dias antes, no qual ele detalha uma teoria da conspiração sobre atos de pedofilia efeutados por islâmicos na Europa. A autenticidade do vídeo não pôde ser verificada imediatamente.

A chanceler Angela Merkel cancelou uma visita planejada na quinta-feira a uma universidade em Halle. Seu porta-voz, Steffen Seibert, disse que “estava sendo constantemente mantida a par do estado das investigações em Hanau”.

Halle foi o local de um ataque anti-semita mortal no ano passado. Um homem que expressava visões antijudaicas tentou entrar em uma sinagoga, falhou e matou dois transeuntes antes de ser preso.

Os policiais invadiram o centro de Hanau, isolando a área de um dos tiroteios enquanto um helicóptero pairava no alto. Um carro coberto de papel térmico também podia ser visto, com vidro quebrado ao lado. Peritos forenses de macacão branco coletaram evidências no quepode ser o veìculo de algum cùmplice ou de alguém da comunidade àrabe/turca local que tentou revidar o ataque.

Os salões de narguilé são lugares onde as pessoas se reúnem para fumar tabaco com sabor de cachimbos de água do Oriente Médio e frequentados por grande parte da população de origem turca na Alemanha.

Hanau fica a cerca de 20 quilômetros a leste de Frankfurt. Possui cerca de 100.000 habitantes e está no estado de Hesse.

Ataque ocorre dias depois da prisão de um grupo que pretendia organizar ataques em massa contra a comunidade islâmica na Alemanha

A polícia da Alemanha realizou buscas em todo o país na sexta-feira passada, que resultaram na prisão de 12 homens. Enquanto quatro dos suspeitos planejavam ativamente desencadear uma ‘situação considerada pelas autoridades como “de guerra civil” por meio de ataques ainda indefinidos a políticos, comunidades de imigrantes ilegais e islâmicos, os promotores federais disseram em comunicado, informou o jornal alemão Die Welt .

Os raids foram realizados por unidades especiais fortemente armadas em um total de treze locais em seis estados alemães: Baden-Württemberg, Baviera, Saxônia-Anhalt, Renânia-Palatinado, Renânia do Norte-Vestfália e Baixa Saxônia.

Originalmente fundado em setembro de 2019, o objetivo final do grupo era “abalar a ordem social e estatal na Alemanha e, no final, criar condições para derrubá-la”, acreditam os investigadores policiais. Enquanto planejava executar sua grande estratégia, o grupo teria realizado reuniões regulares, organizadas por dois dos principais suspeitos, Werner S. e Tony E.

Acredita-se que uma das principais motivações do grupo seja a vingança pessoal, jà que muitos deles aparentemente perderam parentes e amigos em atentados do terrorismo islâmico que foram cometidos na Alemanha nos anos recentes.

Apesar do discurso considerado de “direita” do grupo e de forte divulgação dos meios de comunicação sobre ativismo de extrema-direita, incialmente não existem provas que possam ligà-los aos grupos de extrema direita mais conhecidos, como simpatizantes do neonazismo ou skinheads.

  • Com informações de Geir Moulson e David Rising da Associated Press em Berlim e Voice of Europe via redação Orbis Defense Europe.