Aviões russos lançam bombas contra coluna de blindados do Exército Turco na Síria

Imagem de uma das muitas colunas de blindados turcos na região que foram atacados pelos russos e sirios. via STF Analysis & Intelligence.

A Turquia tentou enviar tropas para impedir uma nova ofensiva síria contra a ponta sul do bolso de Idlib, mas acabou por ser intimidada pela aviação de combate russa que continua a apoiar todas as ações do Exército Arabe Sirio.

A maior parte da força turca de 7.000 soldados do noroeste da Síria, controlada pela Al Qaeda, está concentrada no leste da cidade de Idlib para bloquear o avanço do Exército Sírio em direção à maior cidade (e única capital da província) ainda em mãos de rebeldes.

Ontem, a Turquia tentou mudar isso e despachou uma força para o sul, para tentar estabelecer uma presença maior na parte sul do bolsão de Idlib, onde os sírios iniciaram a segunda fase de sua ofensiva, já haviam tomado algumas aldeias.

No entanto, quando a coluna turca estava em andamento, ela foi atacada, e de acordo com a SOHR pelo “fogo de artilharia do regime sirio”. Exceto que no vídeo do incidente você pode ouvir claramente os jatos:

Sim, algumas dessas explosões são grandes demais para uma munição de artilharia. Isso porque não foi apenas um ataque de artilharia, foi também um ataque aéreo, provavelmente efetuado pelos russos.

Parece que o que aconteceu foi que aviões de guerra russos lançaram bombas, não na intenção de acertar a coluna turca, mas em estreita proximidade com ela, como uma série de tiros de aviso e os turcos receberam a mensagem.

Dependendo de quais relatórios são analisados; a coluna turca voltou para o norte ou começou a montar outro “posto de observação” na vila onde foi atingida.

No entanto, al-Bara está longe dos combates no extremo sul do enclave de Idlib, e a uma curta distância da rodovia M4. Se os turcos ficarem lá, serão irrelevantes para a luta. É improvável que este fosse o destino original deles quando eles partiram na estrada.

A agência de notícias estatal russa TASS emitiu uma negação muito pouco convincente e completamente não oficial de que a Rússia tinha algo a ver com a interrupção da marcha turca:

MOSCOU, 23 de fevereiro. / TASS /. Uma fonte militar russa rejeitou os relatórios que aparecem em alguns canais do Telegram de que os aviões da Força Aeroespacial Russa impediram um comboio militar turco de entrar em Al-Bara na região síria de Idlib. “São notícias falsas”, disse a fonte.

 

Ambos, que as bombas simplesmente explodiram perto deles, e que os turcos interromperam sua marcha em vez de retirar seus MANPADs para contra-atacar, são circunstâncias que tornam mais provável que os aviões de guerra sejam russos e não sírios.

Mas houve de fato também disparos de artilharia (de acordo com relatos de rebeldes com alguns WIA turcos) provavelmente pelos sírios em conjunto com os ataques aéreos:

Deve-se dizer que a Rússia avisou a Turquia antes que apenas seus 12 pontos de observação originais sejam cobertos pelo Acordo de Sochi, mas não seu contingente de 7.000 soldados despachado este mês.

Enquanto isso, o número de mortos na Turquia pela aventura de Erdogan em Idlib para proteger o jihadistão da Al-Qaeda do governo sírio subiu para 16 quando outro tripulante de tanque turco foi morto , de acordo com uma alegação turca de que era por um tiro disparado de tanque sírio .

  • Com informações Smart News Agency, Syrian Observers od Human Rights, TASS e STF Analysis & Intelligence via redação Orbis Defense Europe.

You may also like