Base do Brasil na Antártica: A EACF é considerada uma das melhores do mundo

Imagem via Agência Brasil EBC.

Falando diretamente da Antártida, Rosalinda Montone, do Instituto de Oceanografia, comenta que pesquisar no continente é um privilégio, mas também um desafio, devido à dificuldade de acesso ao Continente Antártico.

Há duas semanas o Jornal da USP no Ar vinha tentando uma entrevista com a professora Rosalinda Montone, do Instituto Oceanográfico (IO) da USP, que está na Estação Antártica Comandante Ferraz, recém-inaugurada em 15 de janeiro. Fatores meteorológicos impossibilitavam a realização da entrevista exclusiva. Mas finalmente o contato foi feito: “A primeira dificuldade é conseguir chegar aqui, pois dependemos das condições climáticas. Ficamos uma semana na cidade de Punta Arenas, no sul do Chile, aguardando condições adequadas. Viemos com o avião da FAB (Força Aérea Brasileira) e nosso voo ocorreu em um dia bem atípico, ensolarado e sem vento”, relata.

Para a professora, trabalhar na Estação Antártica é um desafio, devido à dificuldade de acesso, e, ao mesmo tempo, um privilégio. Ela fala também da mudança de rotina, pois não há um horário fixo de trabalho, que depende das condições climáticas para realização de atividades externas. “Hoje em dia temos uma internet boa que permite o trabalho de várias maneiras. Seja no laboratório, seja fazendo anotações. Mas claro, nossa prioridade é a coleta em campo, que depende das condições”, revela a professora do Departamento de Oceanografia Física, Química e Geológica do IO-USP.

A base está localizada na Ilha Rei George, na Península Antártica, e foi reconstruída após um incêndio que destruiu mais de 70% das instalações antigas, em 25 de fevereiro de 2012. Em sua 26ª viagem ao continente, Rosalinda elogiou a estação. Segundo ela, as novas instalações da Comandante Ferraz trouxeram um salto qualitativo. “Ela é extremamente bem projetada. Há um sistema de tratamento que utiliza água do degelo, da dessalinização e da própria neve. É realmente impressionante e a estação já é considerada uma das três ou quatro melhores em termos de pesquisa na Antártida por causa da estrutura”, avalia Rosalinda. Tudo isso deixa o trabalho de pesquisa mais seguro.

Aliás, segurança é o item primordial para qualquer atividade no local. A ida a campo só pode ser feita quando analisadas as condições do tempo, como vento e visibilidade, com o uso de equipamentos e saídas acompanhadas, sempre autorizadas pelo chefe da estação. O foco dos estudos da pesquisadora são os poluentes orgânicos persistentes presentes em diversas áreas do planeta, muitos dos quais chegam à Antártida pela atmosfera. As pesquisas de Rosalinda pretendem analisar os fluxos desses poluentes no ambiente, que ficam retidos nos sedimentos do continente. O material coletado é cuidadosamente preservado e trazido ao Brasil para estudos mais detalhados, no IO. Ela diz que a previsão de volta é em março.

Rosalinda fala do privilégio de estar em contato com uma beleza natural que precisa ser vista e sentida: “A paisagem daqui é fascinante e eu me impressiono muito com o formato do gelo, com tudo em harmonia, mesmo sendo um grande deserto. A sensação de estar aqui é totalmente diferente”. A professora prometeu, e cumpriu, enviar fotos do local, que agora compartilhamos com você.

  • Com informações do Jornal da USP via redação Orbis Defense Europe.

Link da matéria original:

https://jornal.usp.br/ciencias/base-do-brasil-na-antartica-ja-e-considerada-uma-das-melhores-do-mundo/