Base subterrânea de submarinos da Noruega vendida a iniciativa privada volta ao controle da Sjøforsvaret

blank
Imagens via Wilhelmsen/Sjøforsvaret.

Conhecida como “Olavsvern”, uma base naval com grande parte de suas instalações principais subterrâneas, que já foi secreta no extremo norte da Noruega. Uma cidade subterrrânea escavada na montanha de onde os submarinos da OTAN saíam em patrulha durante a Guerra Fria. Na década de 2010, porém, a base foi vendida para uma empresa privada.

A Base de Olavsvern até hospedou navios de pesquisa russos suspeitos de espionagem por um tempo enquanto era de propriedade de um grupo privado até ser recomprada por uma empresa estatal norueguesa no início deste mês. Uma história saída de um roteiro de James Bond.

Embora, já se previsse que, sob o efeito das alterações climáticas, o Ártico se tornaria estratégico devido à potencial exploração dos seus recursos naturais (gás, petróleo, etc…) e à abertura de novas rotas marítimas, o governo norueguês, então liderado por Jens Stoltenberg em 2015 (o atual secretário-geral da OTAN) não encontrou nada melhor a fazer do que fechar a única base de submarinos de Olavsvern, a única operada pela marinha norueguesa no Grande Norte .

Construída na encosta de uma montanha por pelo menos 500 milhões de euros, esta base naval foi, no entanto, de importância estratégica não só para as forças norueguesas, mas também para as da OTAN, especialmente durante a Guerra Fria.

Visto de fora, a base naval de Olavsvern se parece com qualquer porto de águas profundas com seu cais, seus hangares, mas seu verdadeiro segredo está nas montanhas, no final de um túnel de 900 metros. Chegamos então a uma verdadeira cidade subterrânea com seus depósitos de munições, oficinas, sua própria usina e, acima de tudo, um dique seco capaz de acomodar seis submarinos ao mesmo tempo.

A decisão de fechá-la poderia ter sido entendida se a Noruega tivesse decidido se separar de seus submarinos. No entanto, nunca houve qualquer dúvida sobre isso. Além disso, a Marinha Real da Noruega espera que quatro novos submarinos U212 NG sejam fornecidos pela ThyssenKrupp Marine Systems [TKMS] em breve.

Mas o governo norueguês fez melhor do que isso: depois de fechá-lo, cedeu a base de Olavsvern por uma ninharia [40 milhões de coroas norueguesas apenas] para investidores privados, os quais pouco se sabe até hoje sobre suas atividades. No entanto, a NATO/OTAN, que financiou grande parte das obras aí realizadas, não foi consultada na época!

No entanto, os novos proprietários deram acesso a esta base a navios de pesquisa russos capazes de coletar dados para fins militares … Isso não deixou de gerar polêmica em 2015.

“Vendemos a única base digna do nome que tínhamos lá. É pura loucura ”, o ex-vice-almirante da Real Marinha Norueguesa Einar Skorgen se rebelou na época. “Somos os únicos com a Rússia a operar permanentemente no Mar de Barents, onde temos uma fronteira comum. É óbvio que nossa Marinha deve estar estacionada lá, incluindo nossos submarinos. […] Se nossas embarcações não estão onde precisamos, vale a pena descartar ”, ele perdeu a paciência.

Demorou para o governo norueguês retificar a situação. Em setembro de 2019, foi anunciado que a WilNor Governmental Services [WGS], uma subsidiária do Wilhelmsen Group, que se descreve como um “parceiro logístico chave das Forças Armadas norueguesas e das Forças Aliadas da OTAN”, iria adquirir a base. E essa operação se concretizou recentemente, segundo nota divulgada no início deste mês.

“Olavsvern é um recurso fantástico para a WGS na região ártica que, localizada não muito longe da cidade de Tromsø, completará nossa cadeia de bases de abastecimento ao longo da costa norueguesa, que é usada diariamente para preparação e operações militares. Nossa intenção é renovar gradativamente a infraestrutura […] para fins militares. No entanto, em um futuro próximo, a atividade civil lá coexistirá com o uso militar ”, explicou Vidar Hole, CEO da empresa.

O grupo Wilhelmsen “considera que a capacidade de sustentar e fortalecer a capacidade militar das forças armadas é uma parte natural do conceito de ‘defesa total’ da Noruega e de sua responsabilidade social”, argumentou Hole.

Os planos da equipe norueguesa para a base de Olavsvern ainda não foram especificados. Nesse ínterim, a WGS assinou um contrato com a defesa holandesa para acomodar manobras de comandos navais.

Desde o início de janeiro, os comandos holandeses realizam ali suas manobras de inverno. E há rumores de que os submarinos de ataque nuclear americanos [SNA] estão já estacionados na base.

De qualquer forma, e como um oficial militar norueguês disse à RFI , “ Navios russos em Olavsvern, acabou! “

Saiba mais sobra a Base de Olavsvern:

  • Com informações de Frédéric Faux, Opex 360, RFI France, via redação Orbis Defense Europe.