Boeing e Lockheed Martin projetam novo sistema de guerra eletrônica para Exército dos EUA

O site C4ISRNET publicou matéria confirmando que após conceder contratos ao longo dos últimos dois meses as empresas Boeing e Lockheed Martin, o Exército dos EUA iniciou a primeira fase de um programa para um novo sistema de guerra eletrônica.

O objetivo do Exército é desenvolver o Sistema de Camada Terrestre (TLS), que consiste em sinais inteligentes baseados em terra, sistemas de guerra eletrônica e capacidades cibernéticas.

“Esta primeira fase durará 16 meses”,  revelou o diretor de publicidade, vendas de cargas úteis e missões da Boeing, Paul Turczynski, ao site. A primeira fase vai envolver a revisão de um design preliminar no começo de julho, bem como testes operacionais das unidades.

Subsidiária da Boeing, a Digital Receiver Technology recebeu um dos contratos para construir o TLS durante a primeira fase por US$ 7,6 milhões (R$ 40,8 milhões). A Lockheed Martin foi designada para o segundo contrato em maio por seis milhões de dólares (R$ 32,2 milhões).

O sistema é sobre “compreensão de situação, sinais de inteligência e guerra eletrônica, assim como ataque eletrônico, produzindo informações decisivas que, em última instância, levam à força de proteção”, afirmou Turczynski.

Segundo o representante da Boeing, a companhia irá fornecer três veículos com a conclusão da primeira fase, que passarão por testes operacionais e avaliações de soldados. Este passo permite aos solados observar a interface dos sistemas, além de seu uso prático e capacidades.

O Exército dos EUA buscam selecionar um dos fornecedores após este período de 16 meses. Ainda no ano fiscal de 2022, os EUA devem receber as primeiras unidades do programa.

  • Com agências internacionais




Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do DefesaTV em seu e-mail