Brasil desenvolve míssil de longo alcance capaz de atingir países da América do Sul

Míssil de longo alcance em desenvolvimento pelas Forças Armadas do Brasil: entrega está prevista para 2020.| Foto: Divulgação

Segundo o site Jane’s Defence Weekly, o Brasil está desenvolvendo um míssil de longo alcance capaz de ser lançado do ar e atingir alvos a 300 Km de distância, ou seja, a maioria dos países da América do Sul com exceção do Chile.

Fabricado pela empresa Avibras Aeroespacial, a arma tem alto poder de destruição (carrega uma ogiva de 200 kg). Trata-se de uma versão do míssil de cruzeiro terra-ar AV-MTC, que integra o programa estratégico do Exército Brasileiro, o Sistema de Foguetes de Artilharia ASTROS 2020.

O desenvolvimento do míssil AV-MTC de superfície deve ser concluído até dezembro de 2020, após oito anos de estudos e testes. Um lote de produção do míssil está programado para ser adquirido em 2021, informou o general José Júlio Dias Barreto, gerente de projetos do Astros 2020.

Segundo estimativas do site, o míssil deva pesar aproximadamente 1.100 kg, tem 45 cm de diâmetro, 5.430 metros de comprimento, velocidade de cruzeiro de 1.044 km /h, alcance superior a 300 km e erro circular de probabilidade de 30 metros.

Já o míssil lançável do ar, cujo projeto foi batizado como MICLA-BR, deverá ter as mesmas características, com motor de foguete sólido de dois estágios, um motor subsônico e orientação por GPS. O novo armamento deverá equipar os novos caças Gripen da Força Aérea Brasileira.”

  • Com informações do jornal Gazeta do Povo


Receba nossas notícias em tempo real pelos aplicativos de mensagem abaixo:

Ninguém do DefesaTV está autorizado a entrar em contato com os leitores. Caso deseje de alguma informação envie um e-mail [email protected]

Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do DefesaTV em seu e-mail, é de graça!

12 COMENTÁRIOS

    • 300 km é o alcance declarado para a versão de exportação, limitado por tratados internacionais, de acordo com a capacidade do motor e capacidade estimada de combustível, deve ter alcance além dos 1200 km, teoricamente esse motor poderia alcançar mais de 2000 km.

    • Não é bem assim é muito difícil interceptar um míssil de cruzeiro com as características do tomahawck. Ele voa a 30 m do chão e se esconde de radares. Quando se dá conta. Só v o bum. Seria preciso uma vigilância permanente ar terra. Com aviões, drones, satélites e radares posicionados em regiões topográficamente altas.

    • – O amigo já ouviu falar de bombardeio de saturação? – Nenhum sistema de defesa aéreo suporta isso….
      – Além do mais, 300 km é o máximo permitido para exportação, a Avibras já tem projetos de mísseis com mais de 2.000 km de alcance…

    • Não funciona uma ova, os míssieis de cruzeiro voa baixo exatamente pra escapar dos radares, muito parecidos com o exocet, quando é finalmente detectado não há tempo pra reação, foi lançados vários mísseis tomahawk numa base Síria defendida pelo sistema de defesa antiaérea Russa s400 dado como o melhor sistema de defesa no mundo, não poderám nada fazer

  1. Seguramente há especificações de projeto neste equipamento não declaradas abertamente, pois na multi-tecnológica indústria bélica espionagem e “aquisição” de sistemas operacionais críticos que constituem o segredo da performance são alcançaveis pelos espiões e suas engenharias reversas farejando até uma “simples” ficha técnica. – O Brasil entrou em tratados internacionais que travou o desenvolvimento de armas de precisão e de longo alcance à época do Zé Ruela presidente FHC que em seu mandato destruiu as Forças Armadas do Brasil secando recursos e de brinde quebrou a indústria bélica brasileira que já não vinha tão bem já àquela época tudo por ter se apaixonado por Bill Clinton tendo submetido com isso o Brasil aos interesses da pátria estadunidense. – Por conta de sua paixão por Clinton, FHC assinou acordos que impedem o Brasil – entre outras exigências feitas pelos espertos – de fabricar e vender mísseis de alcance superior a 300km, enquanto eles, Estados Unidos, poderiam fazer os mísseis com o alcance que quisessem, desde balísticos intercontinentais até foguetes para ir a Marte treinando e aprimorando sua engenharia e Universidade mas FHC da vida “não viu isso..”. – A engenharia brasileira perdeu duas décadas com isso mas está se re-erguendo e este missel tem alcance de 300km só quando para exportação mas para uso interno seu alcance ultrapassa os 1200km e a Avibras colocará o Brasil ainda mais longe com mísseis de alcance e velocidade muito maiores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here