Brasileiros nos 75 anos do desembarque na Normandia

As comemorações dos 75 anos do “Dia D” realizadas em diversos locais do desembarque na Normandia e em outros locais, conseguiram  o objetivo de ser um conjunto de homenagens de grande vulto. E oficialmente essas comemorações se juntam à muitas outras realizadas em paralelo , que  terminarão oficialmente no dia 24 de julho, data da liberação de Paris e que também é usada como referência para o fim da Batalha da Normandia.

A história da 2a Guerra Mundial ainda é uma das mais (senão a mais) estudada por grande parte dos aficcionados de história militar pelo mundo, e no caso do Brasil, não há exceção à regra. Desde a época em que eu era um “rato de sebo”, sofria como o fato de que os livros e revistas da 2a Guerra eram sempre os mais caros e mais disputados.

Às 06:45am eu estava là em Sword Beach (Queen Red), local exato do desembarque do Commando N°4 Kieffer, para começar a minha “Marcha do Dia D”…

E mais especificamente no estudo da 2a Guerra, e na atualidade, mesmo com a omnipresença da internet, a invasão da Normandia pelos aliados em 6 de junho de 1944 é uma das que mais atrai a curiosidade dos aficcionados e pesquisadores brasileiros, depois das batalhas da Campanha da Itália aonde a FEB e FAB atuaram.

Em uma das praias onde ocorreu a maior invasão anfìbia da història das guerras, foi onde fiz uma pequena homenagem aos nossos Combatentes Anfìbios, Fuzileiros Navais da Marinha do Brasil.

Em minha pequena “marcha” da Normandia entre a região de LionsurMer (Sword beach/Queen Red), Ouistreham (Grand Bunker), Bénouville (Pégasus Bridge), Caen e Carpiquet (Aéroporto) percebi a presença de pessoas do mundo todo, com o fácil reconhecimento de americanos, britânicos, canadenses e muitos asiáticos (japoneses em maioria); mas eis que me deparei com a grata surpresa de encontrar alguns raros brasileiros por lá…

O Sr. Gilberto Broks (à esquerda, trajado de escocês), paulista, neto de franceses e escoceses, discreto sobre sua presença na praia de Sword Beach (Queen Red) veio sozinho para prestar homenagem pela primeira vez ao seu avô que participou do desembarque com as tropas escocesas que integraram o contingente britânico.

 

Uma situação que tornou quase todos iguais nesse evento foi a falta de transportes públicos e estradas fechadas para a circulação de veículos particulares e táxis na região, restrição esta imposta pelas medidas de segurança para a  visita de última hora do presidente Emmanuel Macron à região. Devido à essa situação minha marcha acabou por se estender 10km a mais para que eu pudesse chegar até a cidade de Caen.

Um dos muitos C-47 Dakotas que participaram do lançamento de paraquedistas reenactors na Drop Zone de Sannerville no dia 5 de junho.

No meu caso, meu interesse de imediato esteva no registro das comemorações, na revoada das aeronaves C-47 e DC-3 sobre as praias de Sword beach, bem como o levantamento superficial de informações para uma estadia mais prolongada na região, o que permitirá efetuar pesquisas e produzir material audiovisual mais detalhado para trabalhos futuros. Nessa missão tive que me contentar em fazer o registro do lançamento de paraquedistas reenactors na Drop Zone de Sannerville e fazer a minha marcha do Commando Kieffer de Sword beach até Pégasus Bridge.

Uma das características desses brasileiros que aqui encontrei é que todos não se importam com o “turismo glamour” que preenche as fantasias do imaginário coletivo sobre a França, e todos vieram apenas para se dedicar ao “turismo de guerra”. Outra consideração importante e unânime é que; apesar da data ser muito importante, essa não foi e não é a melhor época do ano para ver tudo com calma e aproveitar preços de hotéis mais em conta, ou faça bivaque na praia como eu…

Saiba mais sobre o Daks over Normandy:

https://www.defesa.tv.br/daks-over-normandy-2019/

Cassiano Fuga, de Porto Alegre

Cassiano veio de Porto Alegre junto com a noiva, e conseguiu fazer o tour  completo da região; desde Pointe du Hoc, passando por Omaha e Utah Beach, conseguindo visitar muitos dos bunkers de artilharia das praias, para depois terminar a semana no show aéreo do “Daks over Normandy” no aeroporto de CaenCarpiquet, e junto comigo foi mais um dos decepcionados pela paralisação do show aéreo devido à chuva e ventos fortíssimos que castigaram o aeroporto na sexta-feira dia 07 de junho.
Cassiano é advogado, aficcionado de armas e tecnologia bélica, mas também um grande estudioso auto-didata da história da 2a Guerra Mundial. Sua viagem que foi programada para durar um mês, e conseguiu ser bem balanceada entre as atrações turísticas tradicionais da região como os muitos castelos e o Mont Saint Michel, Paris e arredores; mas a prioridade na França foi o “turismo de guerra”, com a visitação de quase tudo que foi possível na Normandia, das praias do desembarque aos muitos bunkers e museus da região.

Encontrei com o Cassiano por acaso no aeroporto de CaenCarpiquet, no evento “DAKs over Normandy, que reuniu pela primeira vez um grande numero de aeronaves Dakotas C-47 e DC-3, todos originais de época e muitos deles veteranos da invasão da Normandia.
Cassiano foi testemunha da intensa frente de instabilidade que encobriu toda a região no dia 07 de junho, causando um mau tempo severo que obrigou o cancelamento das operações aéreas no aeroporto e impossibilitou os vôos dos Dakotas e DC-3. Cassiano também nos forneceu gentilmente uma boa quantidade de fotos muito bem feitas dos locais interessantes por onde passou e que compartilharemos com todos nessa matéria e em nossas redes sociais em breve.

João Paulo Parodi, do Rio de Janeiro

João Paulo Parodi é carioca, tem 38 anos, formado em desenho industrial e há 20 anos trabalha com projetos na internet. Ele é neto de um ex-combatente italiano da Primeira Guerra Mundial. O pai dele, que serviu na Artilharia do CPOR-RJ, tinha uma grande biblioteca em casa, incluindo uma coletânea de livros sobre guerras, além de artigos de jornais, revistas estrangeiras e condecorações do avô. O mesmo possuía uma coleção de livros ilustrados, em especial os da Editora Renes, muito acessível e que ele começou a ler ainda na adolescência.

Morando atualmente na França, foi possível  para ele organizar  o sonho de conhecer as praias do desembarque na Normandia. O gancho da comemoração dos 75 anos foi perfeito. Apesar de ter feito apenas seis cidades, João Paulo teve a melhor impressão possível, que o impressionou com a organização e o zelo com que os franceses conduziram as festividades de forma excepcional.
Outra grata surpresa para João Paulo foi a qualidade do mais alto nível dos museus da região. Dentre os quais destacam-se: o Utah Beach Museum em Sainte Marie du Mont, o Airborne Museum em Sainte-MèreÉglise e o Memórial de Caen, na cidade de Caen. Como brasileiro, ele se surpreendeu ao encontrar museus dessa categoria em cidades pequenas. As manifestações de civilidade e respeito entre as pessoas, o profissionalismo dos empregados dos museus, cafés e restaurantes e a manutenção dos pontos históricos/turísticos também merecem destaque positivo na visão dele. Todos esses componentes tornam a visita impactante mesmo para quem não é ligado ao assunto. João Paulo também pretende voltar à região para um tour mais amplo e com mais tempo.
João Paulo levou a paixão pela pesquisa sobre a 2a Guerra mais além e criou a página “WarPedia“, um dos mais acessados no Brasil sobre o tema. WarPedia é um acrônimo das palavras War, Guerra em inglês, e Pedia, como Wikipedia, palavra de origem grega que exprime a ideia de educação.

Pàginas e canal “War Pedia”:

https://www.youtube.com/channel/UCy5PdUBgCBMb45RtuYVrSwQ/videos

https://www.facebook.com/WarPediaYT/

Argentinos também estavam presentes

Outra curiosa surpresa foi encontrar muitos argentinos participando ativamente de quase todas as cerimônias destinadas à homenagear tropas escocêsas pois muitos desses argentinos são descendentes de escoceses que migraram para a Argentina no pós-guerra, mas também existem muitos que apenas admiram e pesquisam tradições escocesas.

No caso desses argentinos, eles pertecem à “Buenos Aires Scottish Guard“, um Corpo Cerimonial Oficial que recria e representa um regimento escocês de 1900.

A Buenos Aires Scottish Guard foi fundada em 1996, pela associação “San Andrés del Rio de la Plata” com a intenção de preservar e promover a cultura popular e tradicional escocêsa junto aos descendentes e outros apreciadores de cultura européia, participando de eventos correlatos sempre que possível.

O admirável é que todos os integrantes do grupo vieram para a Normandia à convite das autoridades que organizaram as cerimônias em homenagem aos regimentos escoceses que participaram do desembarque na Normandia do “Dia-D” nas praias de Sword e Juno, e que foram responsáveis pela liberação das cidades litorâneas de Ouistreham e Caen, junto com o Commando No4 Kieffer de Forças Francesas Livres. Porém mesmo presentes à convite dessas autoridades organizadoras das comemorações, todos pagaram suas despesas pessoais, desde as passagens de avião, estadia e alimentação, durante toda a permanência na França!

Páginas da “Guardia Escocesa de Buenos Aires”:

https://scotlandmysweetlove.wordpress.com/2007/12/26/guardia-escocesa-de-buenos-aires/

https://www.facebook.com/groups/199821348713/

Galeria de imagens



Receba nossas notícias em tempo real pelos aplicativos de mensagem abaixo:

 

Caso deseje conversar com outros usuários escolha um dos aplicativos abaixo:



Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do DefesaTV em seu e-mail

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here