Breves sobre a operação conjunta dos FS Charles de Gaulle (R-91) e HMS Queen Elizabeth (R-08)

blank
Á esquerda o FS Charles de Gaulle, ao centro aeronaves Rafales M e F-35 do USMC e RN com o HMS Queen Elizabeth à direita. FOto de autor não declarado via Marine Nationale.

Google News

O HMS Queen Elizabeth e o FS Charles de Gaulle fizeram uma demonstração impressionante do poderio aeronaval anglo-francês enquanto as naus capitâeas das duas nações operaram lado a lado pela primeira vez.

O porta-aviões de 65.000 toneladas do Reino Unido e seus jatos de caça stealth F-35 (Royal Navy e do USMC) embarcados passaram alguns dias treinando com o porta-aviões francês e a aeronave francesa Rafale no Exercício Gallic Strike no Mediterrâneo.

No Mediterrâneo Ocidental, os dois navios e seus respectivos grupos de tarefas mostraram como as marinhas poderiam trabalhar juntas em operações futuras e levar adiante a Força Expedicionária Conjunta Combinada Anglo-Francesa (CJEF) que alcançou capacidade operacional total no ano passado.

O encontro também deu ao primeiro Lorde do Mar da Marinha Real, o Almirante Tony Radakin, ao Almirante Michael Gilday do Chefe de Operações Navais da Marinha dos Estados Unidos e ao Almirante Pierre Vandier, chefe de estado da Marinha da França, de visitar os dois navios e discutir futuras parcerias.

blank
Em 3 de junho de 2021, o HMS QUEEN ELIZABETH conduziu o GALLIC STRIKE PHOTEX com o porta-aviões francês CHARLES DE GAULLE e um Fly-By com os Jatos F-35B da RN, do USMC e o Rafale da Marinha Francesa.
O HMS Queen Elizabeth se encontrou com o porta-aviões francês Charles De Gaulle para o Exercício Gallic Strike: três dias de treinamento conjunto e combates no Mediterrâneo Ocidental ocorrendo de 1 a 3 de junho de 2021.
O Grupo de ataque inclui navios da Marinha dos Estados Unidos, Marinha holandesa e fuzileiros navais do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos. Bem como fragatas do Reino Unido, Destroyers dois navios de abastecimento RFA e recursos aéreos de 617 Sqn, 820 NAS, 815 NAS e 845 NAS. Esta será a maior implantação de jatos de combate de quinta geração da história. Foto de autor não declarado via Marine Nationale.

 

O Almirante Radakin declarou:

“A reunião trilateral de hoje entre o Marine Nationale, a Marinha dos Estados Unidos e a Marinha Real; as três nações nucleares da OTAN e três navios de guerra na aliança destacam nosso compromisso comum com a OTAN e nossos passos ousados ​​em direção a uma interoperabilidade e intercambialidade cada vez maiores.

“A operação conjunta do Carrier Strike Group 21 da Royal Navy é uma demonstração clara disso: um porta-aviões da Marinha Real, que se tornará o porta-aviões da OTAN, apoiado por caças aliados, fragatas e destróieres, trabalhando como um só.”

A primeira fase do Exercício Gallic Strike viu a Rainha Elizabeth e Charles de Gaulle participarem de um jogo de guerra no estilo “gato e rato”, com ambos os grupos testando as habilidades dos outros para proteger e se defender contra ameaças.

Em seguida, foi a vez dos jatos com F-35s do Reino Unido do 617 Squadron RAF, ‘os Dambusters’ e o US Marine Corps VMFA-211, conduzindo missões de ataque simulado com o avião de combate duplo jet francês Rafale.

O HMS Queen Elizabeth encontrou-se com o porta-aviões francês FS Charles de Gaulle para treinamento no Mediterrâneo Ocidental. Foto: LPhot Unaisi Luke
Gallic Strike veio no final da implantação do Clemenceau 21 do porta-aviões francês, que levou seu grupo de trabalho ao Oceano Índico e ao Golfo.

blank
Em 03 de junho de 2021, o Almirante Tony Radakin, 1º Lorde do Mar, o Almirante Pierre Vandier, Chefe do Estado-Maior da Marinha Francesa e o Almirante Michael Gilday, Chefe de Operações da Marinha dos Estados Unidos, visitaram o CSG21 e o HMS Queen Elizabeth.
Os três chefes da Marinha Real, Marinha Francesa e Marinha dos Estados Unidos visitaram o navio para ver os jatos F35B decolando do HMS Queen Elizabeth e como o HMS Queen Elizabeth opera durante o EX Gallic Strike. EX Gallic Strike é um exercício conjunto do grupo Carrier Strike do Reino Unido e da França. Os 3 chefes de serviço reúnem-se a intervalos de alguns anos. Esta será a maior implantação de jatos de combate de quinta geração da história. Foto de autor desconhecido via Marine Nationale.

O Comodoro Steve Moorhouse, Comandante do UK Carrier Strike Group, declarou:

“Felicito calorosamente os homens e mulheres de Charles De Gaulle pela conclusão bem-sucedida de seu recente desdobramento operacional.

“Enquanto o UK Carrier Strike Group se prepara para iniciar sua própria jornada para o Mediterrâneo Oriental e o Oceano Índico, nosso encontro de hoje oferece um vislumbre das possibilidades de uma futura cooperação de porta-aviões entre nossas marinhas.

“O fato de estarmos acompanhados nesta ocasião pelos chefes das marinhas da Grã-Bretanha, França e Estados Unidos também é significativo. A Marinha Real não poderia ter alcançado esse ponto de renascimento de nosso porta-aviões tão rapidamente sem o apoio de nossos dois parceiros estratégicos mais importantes.

“Centenas de marinheiros, aviadores e operadores de convôos passaram um tempo em intercâmbio com o Marine Nationale e a Marinha dos EUA para manter nossas habilidades de porta-aviões.”

O comandante Edward Phillips, Comandante Aéreo do HMS Queen Elizabeth (‘Wings’), é um dos que serviu em intercâmbio com a Marinha francesa para desenvolver suas habilidades de ataque de porta-aviões. Quase 10 anos atrás, ele serviu na Charles de Gaulle e disse que era um privilégio ver os dois navios aeródromos operando lado a lado pela primeira vez.

“O orgulho, a habilidade e a camaradagem que experimentei ao servir com os franceses se refletem aqui no UK Carrier Strike Group”, acrescentou.

“Trabalhando juntos, aumentamos a potência de nossas respectivas forças de porta-aviões e, para o Reino Unido, isso marca mais um passo importante no renascimento de nossa capacidade de ataque de porta-aviões.”

O Tenente Comandante da Marinha Real, Duncan Abbott, está atualmente em intercâmbio com o equivalente francês dos Battlestaffs Marítimos – e esteve a bordo do Charles De Gaulle no mês passado.

Ele disse:Servi no HMS Duncan quando ela operava com Charles De Gaulle em 2019, então é fascinante ver agora como as operações são conduzidas de outra perspectiva.

“A importância da implantação inaugural do HMS Queen Elizabeth é certamente apreciada pelos franceses e eles estão extremamente entusiasmados em operar juntos e em refinar as táticas das operações de duas transportadoras.”

blank

O Contra-almirante Marc Aussedat, Comandante do French Carrier Strike Group, acrescentou: “As ambiciosas operações de dois porta-aviões da Gallic Strike confirmam a cooperação forte e eficaz entre as marinhas francesa e britânica.

“Isso demonstra nossa disposição compartilhada de treinar nossas habilidades de combate de ponta. Estamos muito felizes por fazer parte dessa estreia histórica, contribuindo para fortalecer nossas marinhas para futuras operações. ”

O Comandante Edward Phillips, Comandante Aéreo do HMS Queen Elizabeth declarou:

Trabalhando juntos, aumentamos a potência de nossas respectivas forças de porta-aviões e, para o Reino Unido, marca mais um passo importante no renascimento de nossa capacidade de ataque de porta-aviões

https://www.facebook.com/royalnavy/videos/512427116843723

  • Fonte: Royal Navy, via redação Orbis Defense Europe.



Receba nossas notícias em tempo real nos seguindo pelos aplicativos de mensagem abaixo:

blank
blank

Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do DefesaTV em seu e-mail, é de graça!

Assista nosso último episódio: