Caça F-35 da USAF efetua ensaio lançando bomba nuclear B61-12 inerte em vôo supersônico (Vídeo)

blank
Imagem de captura de tela de vídeo do teste de lançamento da bomba B61-12 por um caça F-35 da USAF. SANDIA Labs via redação OD Europe.

Um ataque simulado de um caça F-35 empregando uma bomba B61-12 no empoeirado deserto de Nevada, completou com sucesso o primeiro de uma série de testes de voo com o mais novo caça da USAF, demonstrando o primeiro lançamento da bomba de um compartimento de bombas interno de uma aeronave a uma velocidade supersônica.

Este foi o primeiro teste para exercitar todos os sistemas, incluindo mecânico, elétrico, comunicação e liberação entre a bomba nuclear B61-12 e o F-35A.  O teste e os resultados foram divulgados somente ontem, no dia 23,  pelo SANDIA Labs atendendo às rígidas regras de sigilo do DoD do EUA  para tais testes.

O teste de vôo da bomba B61-12 (recondicionada) com o F-35A Lightning II neste verão foi o primeiro no campo de testes Tonopah do Sandia National Laboratories, apresentando o caça a jato nessa função de ataque estratégico. Foi também o primeiro de uma série de testes que terminará com demonstrações de sistemas de armas completas projetadas para aumentar a confiança de que a bomba sempre funcionará quando necessário e em quaisquer outras circunstâncias.

Durante o teste de vôo realizado em 25 de agosto, um F-35A voando a velocidade supersônica lançou uma B61-12, contendo componentes ativos mas com carga inerte a de cerca de 10.500 pés acima do espaço aéreo de teste Tonopah. A bomba inerte B61-12 atingiu o solo do deserto na área-alvo designada cerca de 42 segundos depois.

Os testes efetuados são uma parceria com a Administração de Segurança Nuclear Nacional, o Laboratório Nacional de Los Alamos e a Força Aérea dos EUA. Anteriormente o Sandia concluiu uma demonstração do sistema de armas completas B61-12 com o jato de combate F-15E Strike Eagle em março e outra em julho com o bombardeiro B-2 Spirit.

A coordenação entre Sandia, Los Alamos, a NNSA e a Força Aérea tornou o teste de vôo possível, e os dados iniciais mostram que todos os sistemas e interfaces entre a bomba recondicionada e o F-35A funcionaram conforme o esperado.

Ao contrário dos caças anteriores, o F-35A carrega a bomba internamente. O recente teste de vôo foi a primeira demonstração de um lançamento de uma bomba B61-12 totalmente equipado de um compartimento de bomba interno em um caça e o primeiro lançamento em velocidades de Mach 1 e/ou superior.

O teste também ocorreu em meio às restrições de local de trabalho do COVID-19, agora comuns, que podem tornar o planejamento mais difícil, mas não estão retardando o importante trabalho da missão do Sandia.

O teste mais recente é uma peça crítica no programa F-35A e B61-12”, pois à bordo do mais novo caça, a bomba B61-12 fornece uma peça forte da estratégia geral de dissuasão nuclear para os EUA e aliados.”

Testes jáocorrem desde 2019

Imagens recém-divulgadas pelo F-35 Joint Program Office (agência do Departamento de Defesa responsável por desenvolver e adquirir o F-35A / B / C) mostram vários testes de queda de bombas nucleares inertes entre 2019 e 2020.

As fotos distribuídas ao serviço de distribuição DVIDS fornecem detalhes adicionais sobre as datas em que os testes foram realizados: o primeiro teste de lançamento com AF-1 pilotado por Jason Shulze foi realizado em 27 de junho de 2019; o sexto teste de lançamento com AF-1 (piloto não especificado) foi realizado em 7 de novembro de 2019; O primeiro teste de lançamento de AF-6 pilotado pelo Major Chris ‘Beast’ Taylor foi conduzido em 25 de novembro de 2019.

O teste delnçamento 6 com AF-1 foi realizado com F-35 AF-01 pilotado pelo Major Rachael “Banshee” Winiecki em 6 de fevereiro de 2020. Um teste mais recente com AF-6 foi realizado em 2 de abril de 2020 (nenhum detalhe adicional pode ser obtido sobre este teste).

O projeto e a engenharia de Sandia são parte integrante do “Programa de Extensão de Vida B61-12”

O teste de compatibilidade é uma parte essencial do Programa de Extensão de Vida B61-12 para recondicionar, reutilizar ou substituir componentes, estender a vida útil da bomba e melhorar sua segurança e eficácia.

Um programa de extensão de vida permite que cientistas e engenheiros lidem com o envelhecimento dos componentes das armas nucleares. Alguns componentes são requalificados e voltam a ser uma arma sem mudanças; outros que envelheceram são remanufaturados usando as especificações originais; e às vezes a tecnologia original não está mais disponível, então Sandia redesenha essas peças usando tecnologia moderna.

O primeiro artefato nuclear B61 entrou em serviço há 50 anos e, ao longo das décadas, inúmeras modificações foram feitas para aumentar a segurança e a confiabilidade. O artefato (bomba) B61-12 consolida e substitui a maioria das variantes anteriores. A Administração Nacional de Segurança Nuclear anunciou recentemente planos para fabricar o primeiro B61-12 reformado no ano fiscal de 2022.

blank
Imagem de uma bomba termonuclear B-61. Na parte traseira é montado, no meio é dividido em seus subcomponentes principais, na frente está quase totalmente desmontado. A ogiva está contida na caixa de prata em forma de bala. Foto do U.S.DoD por Chuck Hansen.

O sucesso deste teste, assim como de todas as outras avaliações de armas, só é possível através do planejamento detalhado, combinado com a colaboração total entre o TTR e os engenheiros do programa, e a execução da evolução do teste pelos operadores de campo e especialistas em recuperação da equipe do Sandia e da subcontratada de operações e manutenção da “TTR, Navarro Research and Engineering ”.

Com as várias fases e atividades operacionais que um teste envolve, a equipe do TTR é diligente para integrar a proteção e segurança em todos os segmentos para garantir que as precauções adequadas sejam implementadas para o sucesso da missão.

O Sandia National Laboratories é um laboratório de multimissão operado pela National Technology and Engineering Solutions da Sandia LLC, uma subsidiária integral da Honeywell International Inc., para a Administração de Segurança Nuclear Nacional do Departamento de Energia dos EUA.

O Sandia Labs tem grandes responsabilidades de pesquisa e desenvolvimento em dissuasão nuclear, segurança global, defesa, tecnologias de energia e competitividade econômica, com instalações principais em Albuquerque, Novo México, e Livermore na Califórnia.

  • Com textos adaptados do SANDIA Labs via redação Orbis Defense Europe.