Caso Pegasus: Emmanuel Macron convoca um conselho de defesa “excepcional”

blank
Imagem ilustrativa.

Google News

O porta-voz do governo francês Gabriel Attal anunciou que Emmanuel Macron se preparava para convocar em 22 de julho um “conselho de defesa excepcional dedicado ao caso Pegasus e à questão da segurança cibernética”. De acordo com especialistas do governo, o presidente Macron certamente está entre os potenciais alvos do spyware .

“O Presidente da República está a acompanhar este dossiê o mais de perto possível e leva este assunto muito a sério ”, frisou ao France Inter, lembrando que a França continua as suas investigações após as revelações sobre a presença dos telefones de Emmanuel.

Em uma de suas piores fases, diversos elementos do governo Macron se adiantam também em alegar que qualquer eventual revelação de fatos “bombásticos ou denúncias anti-governo”, ligada à eventuais vazamentos via “Pégasus”, deve ser considerada como uma campanha de fake news que visa desde já as eleições presidenciais de 2022, e que certamente isso faz parte de manobras da extrema direita com o auxílio de potências estrangerias, notadamente a Rússia.

No dia anterior, o Marrocos – apontado como o patrocinador de dezenas de milhares de escutas telefônicas em potencial de jornalistas, ativistas ou figuras políticas usando o spyware israelense Pegasus anuciou que queria iniciar um processo judicial contra qualquer um que os acusassem, denunciando uma “campanha de mídia falsa, massiva e maliciosa” .

Diante das múltiplas revelações ligadas ao caso Pegasus, o Palácio do Eliseu se defendeu de qualquer negligência, afirmando que “os telefones do presidente eram regularmente trocados, atualizados e seguros”. “Os parâmetros de segurança são os mais restritivos possíveis e as instalações de aplicações e downloads são bloqueadas”, explicou em particular uma fonte próxima ao executivo citado pela AFP.

O ministro Jean Castex assegurou-lhe em 21 de julho que uma série de investigações foram lançadas a pedido de Emmanuel Macron . Ele se recusou a comentar mais sobre o assunto. De acordo com as investigações de um consórcio de 17 veículos de comunicação, incluindo o francês Le Monde e o France Info, o spyware Pegasus, criado pelo grupo israelense NSO, teria permitido a uma dezena de estados monitorar jornalistas, advogados, industriais, ativistas ou mesmo políticos líderes de muitos países, incluindo a França.

Governo do Reino do Marrocos nega envolvimento

O Marrocos nega qualquer vínculo com a Pegasus e quer abrir processo contra aqueles que acusam um de seus serviços de segurança de ter espionado jornalistas, ativistas e políticos, incluindo Emmanuel Macron.

O governo marroquino indicou a 21 de julho que pretendia instaurar um processo judicial contra quem acusa o reino do Marrocos de ter utilizado o software Pegasus, utilizado em larga escala para espionar jornalistas, militantes ou figuras políticas, denunciando um “falso, massivo e malicioso meio de comunicação campanha “.

Rejeitando “categoricamente estas falsas e infundadas alegações”, o governo marroquino indica em um comunicado de imprensa “para optar por um processo judicial, em Marrocos e internacionalmente, contra qualquer parte que levante essas alegações falaciosas”.

Ao mesmo tempo, o Ministério Público marroquino anunciou “a abertura de uma investigação judicial sobre estas falsas alegações e acusações, a fim de identificar as partes por trás da sua publicação”.

No dia 19 de julho, o governo marroquino já havia denunciado como “falsa” a informação segundo a qual os serviços do reino “infiltraram-se nos telefones de várias personalidades públicas nacionais e estrangeiras e funcionários de organismos internacionais através de programas informáticos”. Como um lembrete, de acordo com informações recentes do Le Monde , um dos números regulares do chefe de estado francês aparece em uma lista de alvos potenciais a serem hackeados que teriam elaborado um serviço de segurança do Estado marroquino, usuário do spyware israelense Pegasus .

Uma investigação internacional

A investigação publicada em 18 de julho por um consórcio de 17 meios de comunicação internacionais é baseada em uma lista obtida pela rede francesa Forbidden Stories and Amnisty International, que afirmam ter 50.000 números de telefone selecionados desde 2016 para vigilância potencial por clientes da empresa israelense NSO, que comercializa Pegasus.

A lista inclui o número de pelo menos 180 jornalistas, 600 políticos, 85 ativistas de direitos humanos ou 65 líderes empresariais, de acordo com a análise do consórcio – incluindo os jornais franceses Le Monde , o britânico The Guardian e o americano The Washington Post – que localizou muitos no Marrocos, Arábia Saudita ou México.

Segundo a unidade de investigação da Radio France , sócia do consórcio que revelou o escândalo, o rei de Marrocos Mohammed VI e a sua comitiva “estão na lista de potenciais alvos” do software Pegasus. “De facto, conseguimos apurar que um dos números de telefone que constam da lista dos serviços de inteligência marroquinos é, de facto, o de Mohammed VI. E todos aqueles ao seu redor sofreram o mesmo destino ”, disse ela em sua investigação.

  • Com informações Le Monde, Radio France Inter, France 24, France Inter, BFMTV, LCI, CNews via redação Orbis Defense Europe.


Receba nossas notícias em tempo real nos seguindo pelos aplicativos de mensagem abaixo:

blank
blank

Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do DefesaTV em seu e-mail, é de graça!

Assista nosso último episódio: