Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas de Portugal defende modernização em suas Fragatas classe Vasco da Gama

Subscribe
Voiced by Amazon Polly

O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA), almirante de esquadra Antônio Silva Ribeiro, defende que devem ser feitos alguns ajustes à proposta de lei de programação militar, onde deva se incluir a modernização das três fragatas classe Vasco da Gama, que foram comissionadas no início dos anos 90, e que com esta modernização a vida útil destas embarcações seria prolongada por mais alguns anos. O antigo chefe do CEMGFA chegou a defender que seria mais vantajoso preparar a compra de novas fragatas dentro de alguns anos do que investir na modernização das atuais. Mas, o almirante Silva Ribeiro considera que, dentro do quadro financeiro proposto na ordem de € 4,7 bilhões para ser investido em equipamentos para as Forças Armadas até 2030, é possível fazer alguns “ajustamentos”.

Sobre a construção do Navio Polivalente Logístico, Silva Ribeiro não se põe em causa a utilidade e a necessidade do navio mas frisa ser “preciso considerar qual é a prioridade”. O chefe do CEMGFA realça ainda que, “como comandante operacional das Forças Armadas, tenho de garantir que o país tenha a disposição os meios adequados para cumprir as missões” para não cair em situações como a atual, em que as Forças Armadas de Portugal não possuam helicópteros de ataque ou que possam ser armados para empregar nas missões em que estão empenhados junto a ONU na República Centro Africana, em que o apoio aéreo à força de reação rápida portuguesa disponibilizado pela MINUSCA tem sido limitado.

  • Com informações de agências de notícias internacionais

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here