China negocia venda de caças supersônicos JF-17 para Força Aérea da Argentina

O caça JF-17, é produzido em parceria com Paquistão

blank

Google News

Uma delegação da Corporação Nacional Chinesa de Aerotecnologia, Importação e Exportação (CATIC) está na Argentina, a fim de debater parcerias na área de defesa e com a proposta de oferecer à Força Aérea, a aquisição de caças JF-17.

Após a retirada de serviço dos caças franceses Dassault Mirage III em 2015, a Força Aérea da Argentina está sem caças supersônicos em sua frota e tem utilizado aviões de ataque subsônicos A-4 enquanto negocia a compra de avião de interceptação.

A Argentina perdeu a maior parte de suas aeronaves durante a Guerra das Malvinas há quase 40 anos, além das causas naturais de desgaste das aeronaves.

Quando as negociações com a empresa sul-coreana Indústrias Aeroespaciais da Coreia falharam na oferta de caça FA-50, Argentina recebeu propostas da Rússia para compra de MiG-35, e da China.

Especula-se que a empresa exportadora chinesa CATIC pretenda fechar um acordo de venda de até 12 caças, e é com essa intenção que uma delegação foi enviada à Argentina.

A opção de aquisição de aeronaves MiG-35 russas e JF-17 chinesas surgiu após o veto do governo britânico de venda de caças sul coreanos que são equipados com aniônicos produzidos no Reino Unido. O JF-17 consegue atingir velocidades de até Mach 1,6 (cerca de 1.960 km/h) e tem um raio de combate de até 1.352 km.

Assim como o MiG russo, JF-17 possui um motor de origem russa, e o RD-39 – uma variante desenvolvida a partir do RD-33 usado pelo MiG-35. No entanto, a aeronave chinesa é mais leve e tem menos capacidade de transportar armas, revela o site MercoPress.

  • Com agências internacionais


Receba nossas notícias em tempo real nos seguindo pelos aplicativos de mensagem abaixo:

blank
blank

Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do DefesaTV em seu e-mail, é de graça!

Assista nosso último episódio: