Cinco zonas de conflito na África para observar em 2021

blank
Imagem ilustrativa via redação Orbis Defense Europe.

Zonas de conflito na África, se alguém tivesse que determinar o evento com as implicações mais importantes em 2020 para a paz e a segurança na África, ficaria sem escolha, assim como qual região é a mais perigosa, ou, que pode se tornar mais problemática para seus vizinhos que ainda não estão em guerra ou enfrentando problemas com terrorismo islâmico.

Dos abusos cometidos por grupos terroristas no Sahel ao conflito mortal na região de Tigray, na Etiópia, à guerra civil nos Camarões de língua inglesa, o ano tem sido cheio de acontecimentos. Em 2021, o mundo terá que enfrentar as consequências desses conflitos na África e o Brasil poderá aprender muito observando as táticas e estratégias empregadas pelos grupos terroristas de todas as vertentes, que, esperamos jamais acontecam em nosso território.

# 1 Etiópia

Guerra Tigray é um contínuo conflito armado que começou em novembro de 2020 no Região Tigray da Etiópia , entre dois lados: o Governo Regional Tigray, liderada pela Frente de Libertação popular de Tigray  (TPLF); e forças de apoio etíope primeiro-ministro Abiy Ahmed.

Em 4 de novembro de 2020, as forças federais da Etiópia iniciaram um pesado ataque armado na região de Tigray. As forças de defesa e segurança já haviam atacado e assumido o controle de unidades militares federais na região.

No final de novembro, o exército havia entrado na capital de Tigray, Mekelle. Os líderes da Frente Popular pela Libertação de Tigray (FPLT) abandonaram a cidade, dizendo que queriam poupar os civis. Muito permanece obscuro, dado o apagão da mídia.

Mas milhares de pessoas, muitas delas civis, provavelmente perderam a vida. Até o momento, há mais de um milhão de pessoas deslocadas internamente. Cerca de 50.000 pessoas fugiram para o vizinho Sudão.

Os rebeldes de Tigray são relativamente bem equipados e treinados por ex-militares regulamentares e “consultores” de grupos terroristas islâmicos interessados em ampliar a influência na região.

# 2 A zona do Sahel

A crise que envolve a região do Sahel no Norte da África continua a piorar, com a escalada da violência interétnica e os jihadistas expandindo sua área de influência, em partes devido ao crescente apoio de outros grupos jihadistas e em parte da incompetência de algumas partes das forças armadas locais.

2020 foi o ano mais mortal desde o início da crise em 2012, quando militantes islâmicos invadiram o norte do Mali, mergulhando a região em uma instabilidade prolongada.

Os jihadistas controlam ou são uma presença fantasma nas áreas rurais de Mali e Burkina Faso e estão fazendo incursões no sudoeste do Níger. Sua atuação chega a se ampliar ao interior da Argélia, aonde a presença dos grupos jihadistas é tolerada ao ponto de não existir nenhuma colaboração por parte do governo argelino para ao menos repassar informações relevantes.

# 3 Somália

As eleições estão se aproximando na Somália, em meio a disputas acirradas entre o presidente Mohamed Abdullahi Mohamed (também conhecido como “Farmajo”) e seus rivais. A guerra contra o Al-Shabab está entrando em seu 15º ano. E nenhum fim está à vista.

O clima antes das eleições – as eleições legislativas marcadas para meados de dezembro foram adiadas e os preparativos para uma eleição presidencial marcada para fevereiro de 2021 também foram adiados – é tempestuoso.

As relações entre Mogadíscio e partes da Somália – notadamente Puntland e Jubaland, cujos líderes há muito rivalizam com Mohamed e temem sua reeleição – são tensas. Em grande parte, devem-se a disputas sobre a distribuição de poder e recursos entre o centro e a periferia.

# 4 Líbia

A Segunda Guerra Civil da Líbia é uma guerra civil multifacetada em curso desde 2014 no país do norte da África da Líbia, travada entre diferentes grupos armados, principalmente a Câmara dos Representantes e o Governo de Acordo Nacional .

Coalizões militares rivais na Líbia aparentemente não estão mais lutando, e a ONU retomou as negociações para reunir o país. Mas alcançar uma paz duradoura ainda será uma luta difícil.

Em 23 de outubro, o Exército Nacional da Líbia (LNA), liderado pelo General Khalifa Haftar e apoiado pelo Egito, Emirados Árabes Unidos e Rússia, e o Governo de Acordo Nacional (GNA) apoiado pela Turquia e liderado por Fayez al-Sarraj assinaram um cessar-fogo encerrando oficialmente uma batalha que havia ocorrido nos arredores de Trípoli e em outros lugares desde abril de 2019.

Cerca de 3.000 pessoas perderam suas vidas. Existem centenas de milhares de pessoas deslocadas vivendo com orefugiados em países vizinhos.

# 5 Camarões

Crise separatista nos Camarões ou crise anglófona nos Camarões é um conflito na região anglófona dos Camarões, com os separatistas lutando contra o governo dos Camarões. A crise teve início em outubro de 2016 com manifestações, greves e “cidades fantasmas”, mas acabariam se agravando para confrontos armados após dura repressão do governo.

As dificuldades nas regiões Noroeste e Sudoeste de língua inglesa baseiam-se inicialmente em demandas essencialmente corporativas.

Em essência, a questão da marginalização dos nacionais dessas duas regiões inicialmente serviu de base para as reivindicações. Mas o que ainda poderia ser facilmente controlado por meio de medidas simples de apaziguamento logo se transformará em conflito armado.

A autoridade do Estado central agora quase inexistente nessas regiões, as forças do governo estão travando uma guerra impiedosa contra vários pequenos grupos armados que também não se esquivam de qualquer crueldade.

Em breve a redação Orbis Defense efetuará mais atualizações de informações sobre esses conflitos.

  • Com informações STF Analysis & Intelligence, Muntunews.com e Observatoire Internationale via redação Orbis Defense Europe.

Comments are closed.