Coalizão dos EUA nega autoria de ataques com drones na Síria, Rússia não nega nem confirma

blank
(Photo by Mark Wilson/Getty Images)

A coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos negou responsabilidade por um ataque de drones que supostamente tinha como alvo comandantes Horas al-Din, afiliados à Al-Qaeda.

Fontes na Grande Idlib disseram que o alvo do ataque do drone foi o xeque Abu al-Bar’a al-Tunisi, um líder de Horas al-Din, ligado à Al-Qaeda, ou o comandante militar do grupo terrorista Abu Hamzah al-Yamani.

Por sua vez, o secretário de Imprensa do Pentágono, John Kirby, afirmou que o ataque dos EUA foi um sucesso, referindo-se aos dados do Comando Central das Forças Armadas dos EUA, que reconheceu a responsabilidade pelo ataque, mas não especificou nada sobre o emprego de drones no ataque.

Este é o primeiro ataque de drone dos EUA para atingir a Grande Idlib da Síria desde que o presidente Joe Biden assumiu o cargo em 20 de janeiro.

Horas al-Din era uma das principais facções no nordeste da Síria e é um dos principais oponentes de Hay’at Tahrir al-Sham (HTS), o governante de facto da Grande Idlib. No ano passado, o HTS realizou uma série de operações de segurança contra Horas al-Din.

O ataque dos EUA aos líderes de Horas al-Din é um importante apoio ao HTS – afinal, Washington está tentando rebatizar o HTS como um grupo “terrorista reformado” que poderia ser um aliado.

Em 2020, uma série de ataques com drones na Grande Idlib ceifou a vida de vários líderes de Horas al-Din e de outras facções da Al-Qaeda. Tentativas de assassinato fracassadas também tiveram como alvo o xeque Abu al-Bar’a al-Tunisi e Abu Hamzah al-Yamani. Eles teriam sido executados pelo Comando de Operações Especiais dos Estados Unidos.

Drone MQ-9 Reaper da USAF novamente operando na Síria

Ataque de drone misterioso neutraliza líder do terrorismo islâmico na Síria

Enquanto isso, as Forças Aeroespaciais Russas (VKS) continuam sua atividade de ataque aéreo sobre a Grande Idlib e não negam seu envolvimento em quaquer ataque contra terroristas islâmicos comprovados e/ou assumidos.

Os ataques visavam posições de HTS afiliado à Al-Qaeda nos arredores da cidade de Kansafra, no interior do sul de Idlib.

De acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, com sede em Londres, um militante do HTS foi morto e vários outros ficaram feridos como resultado dos ataques aéreos.

Aviões de guerra russos têm bombardeado Grande Idlib há mais de um mês em resposta às repetidas violações do cessar-fogo por HTS e seus aliados. A Turquia tem sido um facilitador para essas violações contínuas dando apoio de fogo de artilharia e drones.

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, visitará a Rússia e se encontrará com o presidente Vladimir Putin em 29 de setembro. A situação na Grande Idlib será, segundo consta, o tema principal da visita de um dia.

Recentemente, vários relatórios falavam de uma operação quase terrestre na Grande Idlib liderada pelo Exército Árabe Sírio e apoiada pela Rússia. Essas ações podem desencadear as forças de Ancara e as facções que esta apoia para se mover em recuo, mas atualmente nada aconteceu.

Na tentativa de defender os seus interesses, em 22 de Setembro, as forças turcas e seus proxies realizado um ataque contra as Forças Democráticas sírias apoiadas pelos EUA (SDF). Eles tinham como alvo a aldeia de al-Dibs, na zona rural do norte de Raqqa.

O ataque falhou completamente, de acordo com a SDF. Amarguradas com a derrota rápida, as forças de Ancara bombardearam a aldeia al-Dibs e a rodovia M4. É interessante que a rodovia M4 seja freqüentemente patrulhada especificamente pelos militares turcos, e eles ainda a bombardearam.

Ataque recente da Turquia foi uma represália fútil contra ataque russo que eliminou terroristas islâmicos no mesmo dia

Em 24 de setembro, uma munição ociosa (também conhecida por “bomba ninja) não identificada teve como alvo um veículo militar de Hay’at Tahrir al-Sham (HTS), afiliado à Al-Qaeda, ou seus aliados perto da cidade de Benin, na região de Grande Idlib, no noroeste da Síria.

Ativistas da oposição síria compartilharam um vídeo mostrando a munição voando sobre o sul de Idlib segundos antes de atingir seu alvo. A munição, que tinha um design de asa em forma de X, é idêntica a um tipo que foi usado contra o HTS e foi aliada várias vezes no passado.

Enquanto alguns ativistas disseram que a munição ociosa foi lançada por forças russas, outros acreditam que é síria ou iraniana. Porém uma coisa é certa; somente os russos estão neutralizando terroristas islâmicos com sucesso nos últimos tempos…

Poucas horas antes do ataque, aviões de guerra das Forças Aeroespaciais Russas realizaram pelo menos quatro ataques aéreos nos arredores das cidades de Ghassaniyeh e Alyeh no oeste de Idlib.

De acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, aviões de guerra russos realizaram pelo menos 185 ataques aéreos na Grande Idlib desde o início de setembro.

A situação em Idlib permanece instável. O acordo de cessar-fogo está sendo violado diariamente pela HTS e seus aliados. Um confronto militar pode estourar na região em breve. Relatórios recentes indicam que o Exército Árabe Sírio e seus aliados estão planejando lançar uma operação terrestre na região.

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, deve discutir a situação instável na Grande Idlib com o presidente russo, Vladimir Putin, em Moscou, em 29 de setembro.

  • Com informações @WithinSyriaBlog, STFH Analysis & Intelligence, SANA Syria, Observatório Sírio para os Direitos Humanos e redes sociais via redação Orbis Defense Europe/Genebra.