Com a perspectiva de vitória de Bolsonaro, militares discutem sobre novos comandantes das forças

Com a perspectiva de vitória do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), os militares começam a fazer as apostas para as trocas de comando nas Forças Armadas. O que está em jogo são as substituições dos Comandantes: da Marinha, almirante de Esquadra Eduardo Bacellar Leal Ferreira; do Exército, general de Exército Eduardo Dias da Costa Villas Bôas; e da Força Aérea, tenente Brigadeiro do Ar Nivaldo Luiz Rossato. Os três tomaram posse em abril de 2015, logo depois que a presidente Dilma Rousseff assumiu o segundo mandato.

Leia Mais: General de Exército Edson Leal Pujol cotado para ser o futuro Comandante do Exército

No Exército, a expectativa é de que Bolsonaro, caso eleito, siga a tradição, interrompida por Dilma, de chamar o general mais antigo para assumir o comando. A partir dessa regra não escrita, quem assumirá o cargo será Edson Leal Pujol, atual chefe do Departamento de Ciência e Tecnologia da força. Nascido em Dom Pedrito (RS), Pujol tem 63 anos e foi o primeiro da turma na Academia Militar das Agulhas Negras, a Aman, em 1977. Em 2013, foi nomeado comandante da Força de Paz na Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (Minustah).

O oficial recebeu elogios do então secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. Na sequência dos favoritos, por antiguidade, estão os generais Paulo Humberto, chefe do Estado Maior do Exército; Mauro Cid, chefe do Departamento de Educação e Cultura; e Carlos Barcellos, do Comandante Logístico. Todos os quatro oficiais são da turma de Bolsonaro na Academia das Agulhas Negras, no fim da década de 1970, e têm mantido conversas com o deputado sobre as diretrizes para um eventual governo, segundo fontes militares.

O atual comandante do Exército, general Villas Bôas, sofre com uma doença degenerativa, mas decidiu permanecer no cargo até a troca de comando. Até o momento, Bolsonaro definiu como ministro da Defesa do eventual futuro governo o general Augusto Heleno. O vice do presidenciável é outro oficial da mais alta patente, o general Hamilton Mourão, mas ele tem mantido conversas com os generais Oswaldo Ferreira, para a área de transportes, e Ribeiro Souto, para Educação e Ciência. Das três forças, a que tem mantido mais distância dos movimentos políticos do deputado é a Marinha.

Fonte: em.com.br



Receba nossas notícias em tempo real pelos aplicativos de mensagem abaixo:

 

Caso deseje conversar com outros usuários escolha um dos aplicativos abaixo:



Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do DefesaTV em seu e-mail

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here