Comandante da Marinha visita o Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro

Reconquistar o protagonismo da Engenharia Naval da Marinha é atualmente uma das principais metas da Alta Administração Naval

blank
Comandante da Marinha em vista ao Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro

Quero falar que acredito no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro. Mais que isso, acredito e confio na Engenharia da Marinha”.

Foi com essas palavras de incentivo que o Comandante da Marinha (CM), Almirante de Esquadra Almir Garnier Santos, dirigiu-se aos Oficiais Engenheiros do Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro (AMRJ) e da Escola Técnica do Arsenal de Marinha (ETAM), após visita às instalações das duas Organizações Militares.

A admiração e confiança na Engenharia da Marinha possui raízes profundas. Ainda criança, aos dez anos de idade, o Comandante da Marinha ingressou na Escola Industrial da então Fábrica de Artilharia de Marinha, Comandante Zenetilde Magno de Carvalho, posteriormente incorporada pela ETAM, onde veio a concluir o antigo 2° Grau Técnico em Estruturas Navais, em 1977.

blank
Almirante Garnier com antigos colegas de turma da ETAM

Nesse período, o CM vivenciou de perto o apogeu do AMRJ, uma máquina industrial com mais de 15.000 funcionários e que dominava a tecnologia de construção naval, expertise posta à prova e executada com louvor durante os processos de construção de navios de grande porte para a Marinha, a exemplo das duas últimas fragatas da classe Niterói, a “Independência” e a “União”.

Reconquistar esse protagonismo da Engenharia Naval da Marinha é atualmente uma das principais metas da Alta Administração Naval. Nas palavras do CM, se os líderes da MB indicarem corretamente o rumo a seguir, os Engenheiros da Marinha certamente cumprirão a missão recebida. “Quero dar as oportunidades que os Engenheiros da Marinha precisam. Farei cobranças, mas sei que estarão no nível de atendê-las”, finalizou.

blank
Navio-Patrulha “Maracanã”, em construção no AMRJ

Ao longo do evento, também foram visitados o Submarino “Tikuna”, uma lancha “Excalibur” e o Navio-Patrulha “Maracanã”, o primeiro em reparo, e os dois últimos em construção no AMRJ.

  • Com informações do CCSM