Comandante iraniano revela que sistema de defesa identificou Boeing 737 como míssil de cruzeiro

O sistema de defesa antiaérea iraniano identificou o Boeing 737 da companhia aérea ucraniana como sendo um míssil de cruzeiro, assim falou o comandante da Força Aeroespacial do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica, Amir Ali Hajizadeh.

Ele explicou que o operador do sistema de defesa antiaérea tinha a linha de comunicação interrompida, não conseguindo entrar em contato com um oficial superior para tomada de decisão. Segundo ele, o operador tinha 10 segundos para decidir, abater o alvo ou não, e ele “fez a escolha errada”.

Hajizadeh afirmou ainda que o Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica (IRGC) assume toda a responsabilidade pelo incidente aéreo e está pronto para enfrentar qualquer tipo de decisão tomada pelas autoridades iranianas.

O comandante teria informado as autoridades sobre o ataque não intencional no mesmo dia, adicionando que “ele desejou poder morrer” quando soube do incidente. Hajizadeh salientou também que os EUA são parcialmente responsáveis pelo trágico incidente, sendo que Washington agravou as tensões com Teerã antes do desastre aéreo.

O voo PS752, que saiu de Teerã com destino a Kiev, foi abatido nas proximidades do Aeroporto Internacional Imã Khomeini, pouco após a decolagem. O abate ocorreu horas após o Irã lançar um ataque com mísseis contra duas bases no Iraque usadas por militares norte-americanos.

A ação de Teerã foi uma resposta à operação com drone, ordenada pelo presidente dos EUA, Donald Trump, que matou o general Qassem Soleimani.

  • Com agências internacionais