Comando Sul dos EUA recebe chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas do Brasil

O Tenente Brigadeiro do Ar da Força Aérea Brasileira Raul Botelho, chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas do Brasil, e o Almirante de Esquadra da Marinha dos EUA Craig S. Faller, comandante do Comando Sul dos EUA, reúnem-se no quartel-general do SOUTHCOM. (Foto: Juan Chiari, Guarnição-Miami do Exército dos EUA).

O chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA) brasileira se reuniu com o Almirante de Esquadra da Marinha dos EUA Craig S. Faller, comandante do Comando Sul dos EUA (SOUTHCOM), a fim de discutir como aprofundar e expandir os laços de cooperação em defesa entre as duas maiores democracias do hemisfério ocidental. “Tenho o prazer de receber o Ten Brig Ar Botelho no SOUTHCOM”, disse o almirante Faller.

As forças armadas dos EUA e do Brasil mantêm laços duradouros e a cooperação em defesa entre os dois países inclui um leque de atividades de parceria, tais como exercícios, treinamentos, cooperação no combate às drogas e sua proliferação, assistência humanitária, visitas recíprocas, intercâmbios de pessoal e o compartilhamento de informações e conhecimentos.

Em março, o Brasil assinou uma declaração de parceria com a Guarda Nacional de Nova York, unindo-se a mais de 80 nações que participam do Programa de Parceria Estatal com os Estados Unidos.

“O Brasil é um parceiro confiável em matéria de segurança. Com essa visita, nossas nações dão mais um passo importante para avançar nossas relações militares e expandir nossa parceria de defesa, apoiando os objetivos que compartilhamos como vizinhos comprometidos com o trabalho conjunto para tornar a região segura, estável e pacífica”, falou o comandante do SOUTHCOM.

As contribuições do Brasil para a segurança global remontam a mais de um século, quando as forças armadas do país realizaram operações de escolta e patrulhas de segurança com as nações aliadas durante a Primeira Guerra Mundial.

O Brasil também apoiou as operações navais aliadas no Atlântico e enviou uma força expedicionária à Itália durante a Segunda Guerra Mundial.

Atualmente, o legado das Forças Armadas do Brasil como parceiras comprometidas com a segurança continua a crescer, na medida em que elas assumem novos papéis de liderança, promovendo a cooperação de segurança, desenvolvendo capacidades regionais e apoiando a segurança e a estabilidade no hemisfério ocidental e em outras regiões, como o continente africano.

Em fevereiro, a Marinha do Brasil (MB) recebeu médicos da Marinha dos EUA durante uma missão médica fluvial de um mês a bordo de um navio-hospital da Marinha do Brasil.

A missão ajudou os médicos a adquirir experiência e conhecimentos inestimáveis sobre medicina tropical, bem como nos tratamentos de pacientes em condições severas específicas da Amazônia.

As equipes médicas dos EUA também puderam utilizar e compartilhar a sua expertise sobre o uso de novas tecnologias médicas, enquanto ajudavam a cuidar e tratar de mais de 800 pacientes.

O Brasil ajudou a prestar assistência médica aos pacientes quando o navio-hospital USNS Comfort da Marinha dos EUA foi destacado na região em 2018 e está apoiando a missão atual do navio, que já fez escalas no Equador e no Peru.

O tenente-brigadeiro do ar Botelho, que é o primeiro oficial-general da Força Aérea Brasileira (FAB) a assumir as funções de chefe do EMCFA, voltou ao SOUTHCOM depois de ter visitado o comando em 2016, para discutir sobre a cooperação bilateral entre as forças aéreas dos EUA e do Brasil.

Em 2019, o Brasil sediará as fases Atlântico e Anfíbia do UNITAS, o exercício de segurança marítima multinacional de mais longa duração. O Brasil estava entre as nove nações que participaram da primeira edição do exercício, em 1960.

  • Com informações e fotos do Comando Sul, Via Revista Diálogo Américas


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here
Enter the text from the image below