Comboio da Eletronuclear que transportava urânio passa por tiroteio a caminho das usinas nucleares de Angra

Comboio que transportava urânio é interceptado por bandidos na Rio-Santos, em Angra — Foto: Redes Sociais
Subscribe
Voiced by Amazon Polly

Um comboio que levava um carregamento de urânio, para abastecer a usina nuclear de Angra 2, em Angra dos Reis, na Costa Verde do Rio de Janeiro, passou por um tiroteio entre bandidos e policiais no fim da manhã desta terça-feira (19). O caso aconteceu na BR-101 (Rodovia Rio-Santos), na altura do bairro Frade. Segundo funcionários da Eletronuclear, a carga de urânio não foi desviada e já está nas dependências da usina. O prefeito da cidade, Fernando Jordão, comunicou o risco que o transporte da carga correu, ao governador do Estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel.

O veículo saiu das Indústrias Nucleares do Brasil, a INB, localizada em Resende, no Sul do Rio de Janeiro, e fez todo o trajeto escoltado por policiais. A segurança do transporte é feita pela Polícia Rodoviária Federal, Polícia Militar, Equipe de Emergência da Eletronuclear e Bombeiros da INB. A carga de urânio é transportada em recipientes blindados, ou seja, não há risco de ser atingida por tiros. Não se pode divulgar quantos agentes fazem a escola por protocolo de segurança. Procurada, a Polícia Civil informou que ainda não sabe o motivo que iniciou o tiroteio no bairro Frade, mas suspeita que seja brigas entre facções por pontos de vendas de drogas na região.

Urânio é o combustível das usinas

O urânio é a fonte de energia das usinas nucleares de Angra dos Reis. O processo acontece na separação dos átomos de urânio dentro do reator. O calor gerado neste processo aquece a água do sistema, que se torna vapor e movimenta a turbina. O gerador elétrico acoplado ao eixo da turbina produz eletricidade. Cada recarga de urânio representa um terço da capacidade total de cada usina. O elemento combustível que foi transportado no comboio não é radioativo. Ele se torna um material de risco apenas durante o processo na usina, dentro do reator, onde o local é protegido e o acesso é restrito.

  • Com informações do site G1 (Costa Verde e Sul do Rio)
  • Nota de Errata do site: A primeira informação, passada oficialmente pela prefeitura de Angra dos Reis, era de que a escolta do carregamento teria sido atacada. Na verdade, ela passou por um tiroteio que já estava acontecendo. A informação foi corrigida às 14h33.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here