Como foi o 53° Salon International de l’Aéronautique et de l’Espace 2019

Salon International de l’Aéronautique et de l’Espace (SIAE) é sem duvida, o evento que reúne características únicas no mundo em vários fatores; o  “glamour” da realização do evento em um aeroporto que é um dos mais antigos do mundo, e também, pelo grande número de expositores e aeronaves participantes.

Esta é a  edição de número 53, o que coloca o SIAE em uma posição muito privilegiada, sendo o 2° maior evento do mundo e o 1° mais antigo dentro do segmento do mercado aeronáutico.

O objetivo principal do evento como salão de negócios, é demonstrar a capacidade da indústria de aeronaves e equipamentos civis e militares para seus potenciais consumidores institucionais.

O SIAE é uma gigantesca feira de negócios, com produtos e serviços dos mais variados possíveis, e é organizada pelo Groupement des Industries Françaises Aéronautiques et Spatiales (GIFAS), que reúne as indústrias e demais empresas aeroespaciais francesas, assim como suas parceiras estrangeiras.

O evento exclusivo ao público profissional do setor, jornalistas e convidados terminou na sexta-feira (21), com o sábado e domingo reservados ao grande público em geral.

 O evento recebeu delegações diversas assim como autoridades civis e militares de nações que são clientes da industria aeroespacial européia. Dentro desse cenàrio, a segurança para todos foi um fator trabalhado constantemente em todos os nìveis do evento.

Segurança e eficiência para o público

O SIAE demonstrou mais uma vez ser de grande competência na organização e  na segurança, que começou desde os arredores das estações de metrô e trem que são próximas ao parque de exposições, e também chegando ao interior do evento, onde equipes atenciosas bem orientavam à quem precisava e procediam às checagens de segurança em pelo menos “três camadas” antes da entrada ao interior do evento.

A estrutura dedicada para a imprensa foi muito boa, com uma sala dedicada enorme e confortável, com um sistema de WiFi e computadores de livre uso, o que atendeu as necessidades de todos e principalmente pelo café variado e gratuito!

Os números impressionam muito

A área do evento esse ano é de 324 mil metros quadrados e estão presentes 150 aeronaves para exposição e participação em demonstrações diversas. São 7 dias de evento, com 2.453 expositores de 50 países, expectativa de recebimento de 350 mil visitantes, 300 delegações oficiais e 3.450 jornalistas de 67 países estiveram presentes ao evento.

Foram montados também 26 pavilhões nacionais de países participantes que possuem empresas e instituições consideradas de grande importância para o mercado aeroespacial e de defesa, assim como 150 “start ups” desses países.

As cifras em valores são impressionantes ao extremo, com a declaração oficial de negociações que envolvem 65 bilhões de euros, sendo essas cifras divididas em 77% para o mercado civil e 23% para o setor de defesa.

Na parte politico/Institucional o Salão recebeu no dia de sua abertura o impressionante número de 9 ministros (incluindo o primeiro ministro da França) e secretários de estado da França, 160 delegações internacionais oficiais de assuntos de defesa de 86 países.

Quatro organizações (NATO/OTAN, ONU, OCCAR e UE), 16 ministros estrangeiros, 40 chefes de estado maior, 20 vice-ministros, 110 delegações civis e institucionais estrangeiras e 21 delegações oficiais europeias diversas, bem como o Presidente da França acompanhado de seu estado maior das Forças Armadas.

Os destaques do evento

Muitas aeronaves e expositores poderiam ser citadas de acordo com a afinidade pessoal ou profissional de cada um, afinal são mais de 2.000 expositores.

Mas dois estandes chamaram muito a atenção: A dos japoneses com o Mitsubishi MRJ90 e o Kawasaki C2 que são os concorrentes mais “próximos” do Embraer KC-390 e do E195-E2 “Profit Hunter“.

 

 

 

Outras aeronaves da mesma categoria estão presentes na exposição, mas a boa colocação dos estandes dos concorrentes brasileiros e japoneses proporcionou um bom destaque para ambos, porém a vantagem ficou com o Embraer KC-390 que efetuou voos de performance e assim conseguiu atrair mais ainda a atenção do público em geral.

Uma das aeronaves de grande interesse, o Diamond Aircraft – DA62, que promete ser uma alternativa moderna e de baixo custo para a aviação de patrulhamento nas mais diversas modalidades.

Ainda dentro da categoria de aeronaves de transporte militar, estavam presentes na exposição um Airbus A-400M da Armée de l’Air, dois Lockheed Martin C-130 (Lockheed Martin – C-130H e um Lockheed Martin – C-130J (ambos USAF).

Também próximos estavam as estrelas da aviação de caça, o Boeing F-15 Strike Eagle, e o Lockheed Martin F-35 Lightning II, além de um helicóptero de ataque Boeing AH-64 Apache.

As aeronaves presentes

Realmente são muitas as aeronaves presentes, no total mais de 150! E algumas não foram finalmente citadas na lista oficial disponibilizada no site do evento. Citar todas aqui seria um “exercício de excesso” e por isso deixo aqui abaixo o link oficial do evento com a lista para consulta: https://www.siae.fr/le_salon/liste_des_aeronefs.htm 

Este slideshow necessita de JavaScript.

As demonstrações aéreas

As demonstrações aéreas durante os dias de “meeting & bussines” (segunda à quinta) não foram o ponto forte do evento, já que o mesmo é voltado em sua prioridade para os negócios.

Os voos são reservados para os principais expositores, mas nem todos efetuaram demonstrações, já que a retirada de qualquer aeronave de sua posição estática para o pátio de manobra e pista acabava por desenrolar uma operação complicada para afastar o público e rebocar a aeronave.

A área aonde as aeronaves efetuam suas performaces é um tanto distante do local de onde o grande público pode visualizar as mesmas, e, somente os convidados  Vip’s das empresas que possuiam “chalés” com vista para a pista é que puderam apreciar as performaces de posição privilegiada.

 Beriev – BE 200, a unica aeronave de combate à incêndios florestais presente ao evento, efetuou seu vôo de performace somente na terça.

Como poucas aeronaves efetuaram performances durante o período de segunda à quinta, o destaque continua até o momento para o caça Dassault Rafale, os helicópteros Eurocopter Tigre e NH-90 Caymam e o avião de combate  à incêndio Beriev BE-200.

Na quarta-feira, logo ao final do evento, a surpresa foi um voo do clássico Douglas C-47 “That’s All Brother“, que veio dos Estados Unidos especialmente para participar das muitas comemorações dos 75 anos do “Dia D” no Reino Unido, França(Normandia) e na semana passada na Alemanha, em comemoração ao aniversário de 70 anos da Ponte Aérea de Berlim.

Para o final de semana, quando o evento será aberto ao grande público, existe a expectativa de voos de demonstrações de aeronaves antigas e clássicas, assim como de alguns caças e helicópteros militares, entre outros, que prometem uma exibição mais emocionante para os presentes.

 Uma grande variedade de aeronaves antigas e clàssicas compareceu ao evento para o Show aéreo na sexta dia 21.

Já na sexta-feira (21) o show começou com força e qualidade, ocorrendo exibições de diversas aeronaves civis e militares, incluindo a prestigiada Patrouille de France! E como show, foi bem interessante, ocorrendo após o meio dia, quando se apresentaram aeronaves diversas como;

  • ZAKLAD REMONTOW I PRODUCJI SPRZETUSWIFT S1
  • PipistrelPipistrel MOD 167 Alpha Electro
  • AIRBUS HELICOPTERS – EC665 TIGRE
  • NHIndustries – NH90 CAÏMAN
  • AVIAT aircraftPITTS S2B
  • – APEX CEAPRCAP 222
  • – EXTRA – Extra 330SC
  • Dassault AviationFalcon 8X
  • DassaultRAFALE
  • Dassault AviationFLAMANT MD-311
  • AirbusA330neo
  • AirbusA380
  • DassaultPatrouille de France (10 AlphaJet)
  • AirbusA400M
  • Pakistan Aeronautical Complex KamraJF-17 Thunder
  • HawkerHURRICANE
  • North American AviationMustang P-51D
  • – DOUGLAS – C-47 SKYTRAIN THAT’S ALL BROTHER
  • YAKOVLEVYAK 3
  • VoughtCORSAIRE F-4U
  • POTEZ AVIATIONFouga Magister CM170
  • Lockheed MartinFighting Falcon F-16
  • Breguet AviationATL2
  • – Extra Aircraft – Extra330 Equipe de Voltige de l’Armée de l’Air
  • STOLPSTOLP STARDUSTER SA300
  • TURKISH AEROSPACE INDUSTRIES, INC. – ATAK T129 HEL
  • Beechcraft – Bonanza F33
  • Supermarine Spitfire MK3

O Show à parte da EMBRAER

A feira é a primeira participação da EMBRAER em um evento internacional depois da transação com a Boeing. Além disso, o salão também é um marco importante  dos 50 anos da fabricante.

Para comemorar, a indústria brasileira levou ao SIAE o cargueiro KC-390, a maior aeronave já fabricada no Brasil. O primeiro de uma série de 28 aviões encomendados pela Força Aérea Brasileira (FAB) deve ser oficialmente entregue ao retornar ao país, nas próximas semanas, em uma compra estimada em R$ 7,2 bilhões. Trata-se da aeronave mais tecnológica já elaborada pelo fabricante.

“A produção está em dia. Na linha de montagem, já temos até o FAB número 7, em diferentes estágios”, explica Valter Pinto Junior, vice-presidente dos programas de Defesa e Segurança da EMBRAER.

“Nesse ano, teremos mais uma para ser entregue além dessa, e o contrato são 28 aeronaves até 2026. A forma e a cadência que iremos entregar por ano é uma informação confidencial do governo brasileiro, que envolve questões estratégicas de como ele está se emparelhando.

Os KC-390 poderão transportar cargas e veículos militares, como um blindado médio, transportar até 80 soldados ou 66 paraquedistas completamente equipados, realizar operações humanitárias ou de salvamento, além de capacidade de  abastecer aeronaves da aviação de caça/ataque (REVO).

O setor representa uma grande oportunidade para o fabricante: aos poucos, os  antigos C-130 Hércules da FAB serão substituídos por estes novos cargueiros. Com a vitrine do salão de Paris, a EMBRAER espera emplacar novos contratos mundo afora, embora tenha preferido manter sigilo sobre potencias compradores devido à grande concorrência internacional.

“O produto levantou a barra e trouxe um novo patamar para a indústria, não só para a Força Aérea Brasileira (FAB), mas também para todo o mercado. É um produto que trouxe tecnologias que, para essa categoria, você não encontra”, argumenta Pinto Junior. “As últimas aeronaves que foram desenvolvidas para a categoria de transporte médio militar são plataformas antigas.

O novo jato executivo Praetor 600 e jato comercial E195-E2 são as outras duas grandes estrelas entre os produtos da EMBRAER no evento, marcado por fortes pressões sobre a Boeing, que não perdeu oportunidades de se desculpar pelas problemáticas envolvendo seus 737 MAX.

A companhia americana enfrenta turbulências pela suspensão do modelo em vários países, inclusive nos Estados Unidos. A guerra comercial entre os americanos e os chineses não colabora para melhorar a situação – a China é o maior mercado de jatos comerciais da EMBRAER e também já se aplica no desenvolvimento de aeronaves similares para a concorrência no mercado.

A área de defesa não foi incluída na joint venture com a Boeing, à exceção justamente do KC-390. A fabricante brasileira espera que, a influência e a tradição da Boeing poderão ajudá-la a conquistar novos clientes em países onde a construtora brasileira é menos conhecida.

Um pouco de história

Na parte histórica, o evento nasce em 1909, utilizando o Grand Palais (centro de Paris) como local de exposição, com a concepção dos pioneiros André Granet e Robert EsnaultPelterie. Mas somente em 1951 o Salão teria seu lugar no Aeroporto Internacional de Le Bourget (arredores de Paris) .

Em 1969 (50 anos atrás) o Salão adquire sua primeira dimensão internacional com a participação de 14 países e apresenta as duas maiores inovações da aviação da época; o Concorde e o Boeing 747.

Em 1997 o Salão bateria o seu primeiro recorde, com 1860 expositores de 46 países e aproximadamente  230 aviões presentes. Em 1999 outro recorde de expositores, com 1895 expositores de 41 nações em uma área de exposição de 192.000 metros quadrados.

Porém em 2011 foi a edição de todos os recordes, com a participação  de 2110 expositores  e a presença do primeiro avião a energia solar do mundo, o “Solar Impulse” que efetuaria somente em 2016 a sua circunavegação do globo.

Em 2017 o Salão continua na vanguarda mundial, sendo o primeiro a inovar com a apresentação de um espaço de empresas “start ups” e laboratórios de inovação tecnológica voltada para a aviação em geral.

  • Com informações complementares via Service de presse SIAE 2019, Agência EBC e EMBRAER.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here
Enter the text from the image below