Confrontos entre grupos terroristas na Síria atingem posições de fronteira da Turquia

blank
Imagem divulgada por observadores do SOHR, de um provável ataque contra as posições de fronteira da Turquia com a Síria efetuado pelos terroristas islâmicos que disputam entre si o controle local.

Desde o final de 10 de julho, pesados ​​confrontos acontecem entre grupos de terroristas islâmicos e outros militantes apoiados pela Turquia na cidade de Ras al-Ain, no nordeste da Síria, na fronteira com a Turquia.

Um desentendimento pessoal entre as lideranças e disputas por pagamentos é a causa do conflito, que colocou militantes de duas unidades diferentes da Divisão Hamzah em confronto. A Divisão Hamza é uma facção chave do Exército Nacional Sírio (Não confundir com o SAAF, as foças armadas regulares sírias de Assad), apoiado pela Turquia.

Durante os confrontos, várias granadas propelidas por foguete atingiram o portão da fronteira com a Turquia, ao norte de Ras al-Ain e aparentemente nenhum dano foi relatado.

De acordo com relatos de observadores internacionais e informações de moradores locais, a tática de ambos os lados é atacar uns aos outros, atacar os civis e atribuir a autoria dos ataques à facção rival.

De acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, com sede em Londres, um militante foi morto e outros quatro ficaram feridos como resultado dos confrontos.

Os militares turcos e seus representantes ocuparam Ras al-Ain em 20 de outubro de 2019, após uma batalha contra as Forças Democráticas da Síria (rebeldes sírios anti Assad, em partes apoiados pelos EUA e Europa), que mostraram resistência feroz. Dezenas de militantes apoiados pela Turquia foram mortos na batalha.

Desde que caiu nas mãos de militantes apoiados pela Turquia, a situação em Ras al-Ain está instável. Os moradores locais estão relatando violações de direitos humanos regularmente. Além disso, bombardeios e confrontos se tornaram muito comuns. A situação em outras áreas ocupadas pela Turquia no nordeste da Síria não é melhor.

  • Com informações SANA Syria, OSHR – Observatório Sírio de Direitos Humanos, France Inter, STF Analysis & Intelligence via redação Orbis Defense Europe.