Construção de corvetas para Marinha do Brasil em Itajaí sinaliza 2 mil empregos diretos

A Itajaí Participações, empresa pública para captação de investimentos em Itajaí, assina com a Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc) e a Empresa Gerencial de Projetos Navais da Marinha do Brasil (Emgepron), nesta sexta-feira (27), um memorando de entendimentos para implantação de um cluster da indústria naval da defesa no Estado.

O documento funciona como um protocolo de intenções para fortalecer a indústria catarinense diante das novas demandas que surgirão a partir do início das atividades do Consórcio Águas Azuis, que construirá em Itajaí quatro corvetas para a Marinha – um projeto de US$ 2 bilhões.

A assinatura ocorre durante a SC Expo Defense, feira de oportunidades no setor de defesa que abre nesta sexta em Florianópolis, organizada pelo Comitê da Indústria de Defesa de Santa Catarina (Comdefesa).

A construção das corvetas em Itajaí é um dos grandes projetos atuais das forças armadas. A previsão é que o contrato resulte em 2 mil empregos diretos, no auge da produção – um alívio para o setor da indústria naval offshore, que foi sugado pela crise do petróleo.

O polo da indústria de construção naval offshore catarinense, que se concentra em Itajaí e Navegantes, chegou a empregar 10 mil pessoas há menos de uma década. Hoje, não há mais do que 1,5 mil trabalhadores ativos.

A entrada da indústria de construção naval de defesa pode abrir espaço para novos projetos do setor, e reativar o polo catarinense. O contrato com o Consórcio Águas Azuis prevê transferência de tecnologia – as corvetas são inspiradas no modelo alemão Meko A100.

  • Com informações dos site O Petróleo


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here
Enter the text from the image below