Coréia do Norte testa míssil balístico SLBM e coloca Japão e EUA em alerta

blank
Imagem ilustrativa do lançamento de um SLBM Pukguksong-3, lançado de uma plataforma submarina. Via redação OD Europe.

A Coreia do Norte testou nesse dia 19 um SLBM ( submarine launch balistic missile) lançado pelo menos 1 míssil lançado por submarinos de mísseis balísticos (SLBM), causando revolta nos meios diplomáticos e militares na Coreia do Sul e os EUA. O Japão se manifestou oficialmente com declarações condenatórias do primeiro ministro e de outros altos funcionários, mas fontes informais confirmam um estado de alerta que foi acionado quando da detecção do lançamento do míssil.

Ainda não existem informações se a Coréia do Norte avisou os países da região com alguma antecedência, como ocorre quando dos testes efetuados pela Rússia, EUA, China e Reino Unido. Também ainda não foram divulgadas imagens dos testes pelas forças armadas da Coréia do Norte.

O INDOPACOM, dos Estados Unidos, divulgou um comunicado sobre o ataque, condenando-o:

blank
https://www.pacom.mil/Media/News/News-Article-View/Article/2814375/usindopacom-statement-on-dprk-missile-launch/fbclid/IwAR0iIgE7cVMAsMiFgm71PXGP6rcrBrV446iO-NgPeXc8ZtSsbF3lv0KUg8A/

Os Estados Unidos condenam essas ações e exortam a Coréia do Norte a se abster de quaisquer outros atos desestabilizadores. Embora tenhamos avaliado que este evento não representa uma ameaça imediata ao pessoal, território dos EUA ou de nossos aliados, continuaremos monitorando a situação. O compromisso dos Estados Unidos com a defesa da ROK [Coréia do Sul] e do Japão permanece inflexível. ”

O secretário-geral adjunto do Japão, Yoshihiko Isozaki, disse que estima-se que dois mísseis balísticos tenham sido disparados durante o lançamento, enquanto os militares da Coreia do Sul anunciaram apenas a detecção de um projétil.

“As últimas ações da Coreia do Norte ameaçam a paz e a segurança do Japão e da região”, disse Isozaki. “Além disso, os contínuos lançamentos de mísseis balísticos representam um sério desafio não apenas para o Japão, mas para toda a comunidade internacional.”

O teste foi “extremamente lamentável” e violou as resoluções do Conselho de Segurança da ONU, acrescentou Isozaki.

O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, disse que o Japão “responderia resolutamente” à ação da Coreia do Norte em um tweet.

O Conselho de Segurança Nacional da Coréia do Sul (NSC) expressou “profundo pesar” sobre o lançamento, de acordo com um texto enviado a repórteres pelo Gabinete Presidencial Casa Azul, acrescentando que ocorreu enquanto Coréia do Sul, Estados Unidos, China, Japão e Rússia estavam “ativamente ”Nas discussões para alcançar a paz na Península Coreana.

Em uma reunião realizada após o lançamento, os membros do comitê permanente do NSC conclamaram a Coreia do Norte a dialogar, enfatizando a importância da estabilidade na região, disse a Casa Azul.

Em outubro de 2019, a Coreia do Norte testou um míssil balístico lançado por submarino, disparando um Pukguksong-3 de uma plataforma subaquática.

Na época, a agência de notícias estatal KCNA disse que havia sido disparada em um ângulo alto para minimizar a “ameaça externa”.

No entanto, se o míssil tivesse sido lançado em uma trajetória padrão, em vez de vertical, ele poderia ter percorrido cerca de 1.900 km. Isso colocaria toda a Coreia do Sul e o Japão dentro do alcance.

Ser lançado de um submarino também pode tornar os mísseis mais difíceis de detectar e permitir que eles se aproximem de outros alvos.

Abaixo, vídeo da ABC Autrália sobre os fatos:

  • Com informações USINDOPACOM (U.S. Indo-Pacific Command), ABC Autrália, France Inter e NHK Japan, via redação Orbis Defense Europe/Genebra.