Cúpula militar venezuelana possui alto índice de insatisfação dentro das Forças Armadas

Durante visita do navio-hospital USNS Comfort da Marinha dos EUA à província de Santa Marta (CO), no serviço de assistência médica aos residentes e aos migrantes venezuelanos, a equipe da Revista Diálogo conversou com um primeiro-sargento das Forças Armadas da Venezuela, que desertou e hoje reside na Colômbia, cujo nome será mantido em sigilo por razões de segurança.

  • Diálogo: A que unidade militar o senhor pertencia na Venezuela?

Primeiro-Sargento: Eu pertencia às Forças Especiais das Forças Armadas da Venezuela. Era instrutor de armas orgânicas e armas coletivas. Era uma escola onde realizávamos cursos internacionais para forças especiais. Recebíamos estudantes da Bolívia, China, Cuba e Equador até poucos anos atrás. Nós os treinávamos em técnicas de terra, mar e ar.

  • Diálogo: Quando o senhor ingressou nas forças armadas, Hugo Chávez era presidente da Venezuela. Qual foi a diferença entre prestar serviço sob o mandato de Chávez e sob o atual governo de Nicolás Maduro?

Primeiro-Sargento: Houve uma mudança muito drástica da época em que estávamos com Chávez a agora, que estamos com Maduro. Durante o mandato de Chávez havia uma ideologia clara e reconhecida. Mas quando Maduro assumiu o poder, as forças militares venezuelanas começaram a ruir por dentro.

Eu digo isso com conhecimento de causa, porque ocupei uma posição estratégica dentro das Forças Armadas e via diariamente como eles começaram a acabar com tudo. Eu via como manipulavam tudo: os recursos, os alimentos… E eram sempre os oficiais de alto comando, porque eu trabalhei com os altos comandos.

  • Diálogo: Estamos falando de corrupção em alto nível das forças militares?

Primeiro-Sargento: Sim, muitíssima corrupção, no mais alto nível das forças militares. Hoje em dia, muitos dos que estão lá vivem com medo, porque têm seus familiares na Venezuela e eles têm medo de agir porque não sabem quem poderia resguardar a segurança de suas famílias.

  • Diálogo: Então, muitos dos militares que estão nas Forças Armadas da Venezuela vivem com medo de que alguma coisa aconteça a eles ou a suas famílias?

Primeiro-Sargento: Sim, claro. Eu estive lá, eu vivi isso de perto. Era instrutor de armamento na Escola de Forças Especiais e via como eles ameaçavam muitos rapazes que pertenciam à unidade.

Inclusive, houve uma operação onde um dos nossos homens foi morto e outro ficou ferido ao encontrar um acampamento do ELN [Exército de Libertação Nacional] na Venezuela.

Eu perguntei por que não fazíamos alguma coisa a respeito, já que sabíamos onde eles estavam, e o general encarregado me mandou calar e me retiraram da operação. Eu não quis ficar calado. Já estava há 14 anos [em serviço] e queria proteger minha tropa.

  • Diálogo: Qual foi o ponto decisivo que o levou a tomar a decisão de sair e fugir para a Colômbia?

Primeiro-Sargento: Eu já vinha pensando nisso há alguns anos, mas teria que fazê-lo direito, porque antes de tudo estava a segurança da minha família. Eu não queria colocar meus filhos em risco. Um dia eu disse à minha esposa que arrumasse as coisas porque nós iríamos para a Colômbia.

  • Diálogo: Isso teve alguma coisa a ver com o fato de o presidente interino Juan Guaidó ter incentivado os militares a desertar?

Primeiro-Sargento: Sim. Eu percebi que ele queria agir em favor do país e isso me motivou um pouco a tomar a decisão que já rondava minha cabeça.

  • Diálogo: O senhor tem conhecimento de companheiros seus que pensam em sair e fazer o mesmo?

Primeiro-Sargento: Sim, e muitos! Quase 90 por cento de todas as Forças Armadas querem retirar-se. E disso eu tenho certeza. Permaneci lá por 14 anos, comandei tropa, comandei subalternos e a maioria quer fazer as coisas da melhor maneira, mas não podem.

Sentem que a sua segurança e a de seus familiares estão ameaçadas. Inclusive, ainda tenho contato com muitos, que me dizem: “Você está bem, está na Colômbia… mas nós, o que podemos fazer?”

  • Diálogo: O senhor está na Colômbia desde dezembro de 2018. Como foi sua viagem até aqui?

Primeiro-Sargento: Foi um processo muito difícil, sobretudo em relação à minha família, aos meus filhos. Eu saí da Venezuela pelo lado de Paraguachón [e passamos] três dias caminhando pelas trilhas.

Eu até usei meu uniforme, porque tinha companheiros nos diferentes postos de controle e por isso eu pude passar. Sempre que os via eu lhes dizia que estava em missão oficial e assim eu fui me deslocando até que conseguimos chegar à Colômbia.

  • Diálogo: O que falta à Venezuela para que as coisas mudem?

Primeiro-Sargento: Os meus companheiros das Forças Armadas são os que têm a oportunidade de mudar. Eles devem ser suficientemente corajosos e tomar as medidas que devem tomar, porque eles sabem perfeitamente o que devem fazer.

Nós somos especialistas, não precisamos que ninguém venha nos ajudar nessa luta. Somos treinados e capacitados para adotar as ações que temos que adotar. Existe medo? Claro que existe, mas já estamos todos cansados do medo.

Já está na hora de tomarmos decisões. O governo atual não está obedecendo, nem à constituição nem à função principal das forças militares.

  • Diálogo: Que mensagem o senhor deixaria para seus companheiros das forças militares venezuelanas?

Primeiro-Sargento: Minha mensagem principal é que eles tenham força, que sejam valentes. Eu jurei diante da bandeira a defesa da pátria até a morte, se fosse necessário.

Fui formado pelas forças especiais, sei que estou disposto a tudo pelo meu país. Disse a alguns companheiros: se for necessário, é preciso pegar um fuzil e agir. Eu faço isso. E digo aos meus filhos: eu já estou indo embora, mas são vocês que herdarão esse país. O que eu mais quero é que eles voltem à Venezuela e que o país seja livre.

  • Por: Carolina González / Diálogo Américas


1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here
Enter the text from the image below