Defesa russa expõe morte maciça por armas biológicas em experimentos do Pentágono

Os EUA difundiram um grande programa biológico-militar nos territórios dos países contíguos à Rússia, comunicou nesta quinta-feira (4), em briefing no Ministério da Defesa russo, o comandante das Forças de Proteção Nuclear, Biológica e Química, major-general Igor Kirillov.

De acordo com ele, especialistas do ministério analisaram materiais publicados pelo ex-ministro de Segurança Pública da Geórgia, Igor Giorgadze, sobre a atividade dos EUA no Centro de Saúde Pública Richard Lugar, situado no povoado georgiano Alekseevka.

“O Centro de [Saúde Pública Richard] Lugar é apenas um pequeno elemento do grande programa biológico-militar dos EUA. A operação ativa está difundida no território dos países contíguos à Rússia, onde também funcionam laboratórios controlados pelo Pentágono. A reconstrução dos prédios laboratoriais continua em curso no território da Ucrânia, Azerbaijão e Uzbequistão”, assinalou.

Kirilov apontou que os EUA vêm afirmando que não estão elaborando armas biológicas no Centro de Saúde Pública Richard Lugar. 

“No entanto, os documentos apresentados por Igor Giorgadze desmentem as declarações norte-americanas e confirmam as preocupações em relação à atividade ilegal dos EUA no território da Geórgia, inclusive tentando contornar vários termos da Convenção sobre as Armas Biológicas”, reforçou.

Igor Kirillov trouxe à tona também relatórios sobre uso de cidadãos georgianos para testar remédio Sovaldi, da empresa norte-americana Gilead Sciences.

Vírus
 “Conforme os documentos apresentados, os testes resultaram na morte maciça de pacientes. E mesmo com a morte de 24 pessoas somente em dezembro de 2015, os testes clínicos continuaram sendo realizados, o que contradiz os padrões internacionais e a vontade dos pacientes, levando à morte de mais 49 pessoas”, indicou.

De acordo com o comandante, nem mesmo em épocas de forte epidemia não morreu tanta gente assim nos hospitais. 

Kirillov concluiu que muito provavelmente “os EUA efetuam tais atividades contornando acordos internacionais”, e continuam elaborando às escondidas seu potencial biológico-militar. 

“Isso se encaixa na concepção de guerra sem contato realizada pelos EUA. É demonstrada a possibilidade de equipamento de cápsulas com substâncias venenosas, radioativas, narcóticas, bem como com agentes infecciosos. Estas munições não fazem parte das armas convencionais de guerra humanitária”, ressaltou.

Anteriormente, o ex-ministro de Segurança Pública da Geórgia, Igor Giorgadze, no decorrer de uma coletiva de imprensa em Moscou, afirmou que apelou para que o presidente dos EUA, Donald Trump, investigasse a atividade do centro Richard Lugar onde, de acordo com ele, estariam sendo realizados testes letais em pessoas. Giorgadze citou a morte de 30 pessoas, que teriam falecido em dezembro de 2015 ao serem tratadas com hepatite C no referido laboratório.

Além disso, segundo ele, em abril e agosto de 2016, morreram, respectivamente, 30 e 13 pessoas, que tiveram como motivo de morte escrito “desconhecido” em suas declarações de óbito. Nem mesmo os nomes dos mortos foram indicados, somente data de nascimento e sexo.

Surtos de peste suína africana no Leste Europeu encaixam no quadro dos testes de armas biológicas pelos EUA destinadas a uma terceira guerra mundial, escreveu o observador da Sputnik, Aleksandr Khrolenko.

De acordo com a investigação dele, publicada na Sputnik Letônia, um papel especial neste quadro é atribuído pelos EUA aos países do Báltico, que desempenham o papel de polígono principal dos testes.

Para comprovar tal afirmação, o jornalista enumerou vários fatos. Em particular, em junho, a peste suína africana foi descoberta em 165 porcos na Letônia. Posteriormente, foram mortos vinte mil animais, o que levou a grandes perdas financeiras entre os granjeiros. Além disso, as autoridades letãs propuseram aos granjeiros que abandonassem completamente a criação de porcos, já que no território do país tinham sido registrados 41 surtos da doença viral.

Khrolenko assinalou que os surtos dessa doença são muito paradoxais, já que o vírus da peste suína africana não é resistente às condições das regiões do norte, tendo destacado que tal particularidade não poderia surgir do nada em um prazo tão curto, mas somente poderia ter sido criada em condições laboratoriais.

Tropas de Defesa Radiológica, Química e Biológica (foto de arquivo)

De acordo com ele, os EUA estão elaborando e estudando a influência direta, bem como indireta, de novos tipos de vírus sobre as pessoas em diferentes regiões, através da peste suína africana e da ruptura da segurança alimentar.

Enquanto isso, as autoridades dos referidos países até podem mesmo não estar a par dos resultados finais dos projetos biológicos do Pentágono. As pesquisas na área de projetos perigosos são distribuídas por diversos laboratórios e países, enquanto o relatório completo é elaborado no Centro de Pesquisas Biológicas do Pentágono, em Fort Detrick, localizado no território dos EUA, relatou Khrolenko.

Além disso, de acordo com o colunista, nas áreas dos países pós-soviéticos e nos países do Báltico os sistemas nacionais de controle epidemiológico são ajustados conforme os padrões norte-americanos.

Os sistemas eletrônicos de recolha, processamento, armazenamento e transmissão das informações, implementados nos laboratórios, enviam relatórios aos EUA sobre cada caso suspeito de contaminação.

Khrolenko acredita também que, com o passar do tempo, a frequência e o perigo de incidentes biológicos vai aumentar, já que essas biotecnologias fazem com que o processo de limpeza do espaço vital seja mais barato, bem como simplificam a luta pelos recursos naturais do planeta, além de darem um grande retorno financeiro ao criador dos vírus.

JG





Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do DefesaTV em seu e-mail

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here