Departamento de Defesa dos EUA recomenda limitar velocidade do F-35 por risco de perder cauda

O Departamento de Defesa dos EUA (DoD) alterou uma norma de regulamentação para voo dos caças F-35 devido ao risco de se perder a cauda da aeronave, ao atingir velocidades supersônicas, revelou o site Defense News.

Não há como se fazer melhorias estruturais em sua fuselagem ou outras ações para amenizar o problema técnico descoberto, assim o invés disso, o DoD recomenda aos pilotos que apenas superem a barreira Mach por períodos muito curtos.

O assunto foi arquivado em dezembro passado com a classificação “sem planos para corrigir”, devido aos elevados gastos em um reparo completo, pois seria necessária uma revisão do comprimento da aeronave, bem como de alguns materiais e testes de voo posteriores.

Anteriormente, já haviam sido denunciados problemas de fuselagem e do revestimento furtivo, percebendo que a solução dos militares era estabelecer um limite de menos de um minuto para velocidade de Mach 1,3.

Os militares asseguram que o voo supersônico não é tão importante para um caça de quinta geração. Entretanto, um especialista naval afirmou ao Defense News que essas limitações poderiam ser mortais durante os combates diretos.

“Se toda munição for usada em um ataque, o valor do avião como unidade de combate tende a zero […] Neste caso, a tarefa principal do piloto é se livrar da perseguição e chegar em segurança a seu aeródromo. Se tem um regime supersônico, terá maior facilidade para realizar essa tarefa”, afirmou o especialista.





Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do DefesaTV em seu e-mail