Dez Almirantes da reserva são presos na Turquia por criticarem planos do Presidente Erdogan

blank
Imagem ilustrativa via Voice Of Europe.

Dez almirantes da reserva da Marinha Turca foram presos nessa segunda-feira, 5 de abril, um dia após a publicação de uma carta aberta assinada por cem ex-oficiais criticando um plano do chefe de Estado para construir um canal em Istambul que eles acreditam poder ameaçar a liberdade de navegação.

De acordo com o Gabinete do Procurador-Geral de Ancara, os dez almirantes da reserva foram detidos. Quatro outros ex-oficiais não foram presos por causa de sua idade, mas foram obrigados a se apresentar à polícia de Ancara nos próximos três dias. Foi aberta uma investigação contra os militares reformados que assinaram a carta para ” reunião destinada a cometer crime contra a segurança do Estado e a ordem constitucional “, segundo a Procuradoria.

Altos funcionários turcos condenaram no domingo, 4 de abril, a carta aberta assinada por mais de 100 militares da Marinha Turca aposentados, alertando contra a ameaça de que acreditam no projeto do “Canal de Istambul” , liderado pelo presidente Recep Tayyip Erdogan, por um tratado que garante a passagem livre pelo Bósforo Estreito.

O ” Canal Istanbul ” é o mais ambicioso do que o presidente Erdogan chama de seus ” projetos malucos “, que o viram transformar a infraestrutura da Turquia com novos aeroportos, pontes, estradas e túneis durante seus 18 anos como governo. O governo argumenta que esse canal daria a Istambul um novo centro de atração, além de aliviar o Bósforo, um dos estreitos mais congestionados do mundo.

Mas os opositores afirmam que além do impacto no meio ambiente, o projeto pode comprometer a Convenção de Montreux, de 1936, que garante a livre passagem de navios civis no estreito do Bósforo e dos Dardanelos, ambos em tempos de paz e de guerra. Em sua carta aberta, 104 almirantes aposentados disseram ser ” preocupante ” abrir um debate sobre o Tratado de Montreux, afirmando que se trata de um acordo que ” protege os interesses turcos da melhor maneira possível “.

A carta dos almirantes provocou uma resposta contundente de funcionários do governo. ” Não apenas aqueles que assinaram, mas também aqueles que os encorajam, serão responsabilizados no tribunal ” , disse Fahrettin Altun, chefe de comunicações do presidente Erdogan, no Twitter no domingo.

blank
Fonte: https://twitter.com/fahrettinaltun/status/1378459482913710085?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1378459482913710085%7Ctwgr%5E%7Ctwcon%5Es1_&ref_url=https%3A%2F%2Fpublish.twitter.com%2F%3Fquery%3Dhttps3A2F2Ftwitter.com2Ffahrettinaltun2Fstatus2F1378459482913710085widget%3DTweet

  • Com informações Le Figaro, AFP, Euronews, Voice of Europe, via redação Orbis Defense Europe.