Dez anos desde a guerra do Ocidente contra a Líbia: como isso serviu de alerta sobre as intenções dos EUA e da Europa

blank
A guerra da Líbia mostoru imagens terríveis e impressionantes, um dos primeiros conflitos a aproveitar de uma internet já bem instalada e rápida na região, o que divulgou fatos e batalhas quase em tempo real. Foto via Reporters sans frontiers com arte redação OD.

Com introdução de Yam Wanders

As guerras conduzidas pelas aliança militar liderada pelos EUA desde os ataques do 11 de setembro podem ser analisadas de inúmeros pontos de vista, mas em até certo ponto a grande maioria dos analistas de defesa são convergentes que, foi um mal necessário, mas até certo ponto, e contra certos alvos.

O problema é que no decorrer dos acontecimentos posteriores do 11 de setembro e de outros atentados gravíssimos na Europa e em outros lugares do mundo que foram de autoria dos diversos movimentos do terror islâmico, alguns campos de batalha de “conveniência política/econômica” acabaram por entrar na lista de alvos da guerra contra o terror islâmico, como foi o caso da Líbia. E isso além de não ajudar na guerra contra o terror islâmico, ao contrário, somente ajudou a criar mair problemas e ainda colaborou para o fortalecimento de alguns movimentos extremistas e a criação de outros como foi o caso do ISIS e Boko Haran, que quase ninguém escutara falar até alguns anos depois dos ataques do 11 de setembro.

Além dos conhecidos ISIS e Boko Haran, pelo menos uma centena ou mais de grupos menores que lutam pelo simples prazer de espalhar o terrorismo islâmico até aos que ambicionam o estabelecimento de um “califado com terrotório independente” na Africa, Asia e/ou no Oriente Médio, todos sem exceção são frutos de guerras e conflitos mal administrados pelas liderança políticas que se alternam nas principais potências mundiais. Líders esses que se aproveitam da manipulação dos processos democráticos, com uso das forças financeiras e midiáticas para obter o poder, e quando obtém esse poder esquecem os reais riscos que ameaçam o ocidente em detrimento de riscos artificiais criado pelas conveniências econômicas e políticas do momento.

Enquanto à dez anos atrás o Ocidente se preocupou e se emprenhou em formar uma coalizão super-eficiênte contra a Líbia, que já estava alinhada com o ocidente, diversos outros movimentos foram esquecidos e deixados à vontade para se expandirem na Africa Central, e ainda de brinde esses movimentos terroristas lucraram com a fomentação quase justificável da imigração ilegal em massa para a Europa que causa hoje todo o tipo de problema social para todos os países membros da União Européia.

Para atender a conveniênte vaidade política do momento, uma nação que hoje poderia ser mais uma aliada do Ocidente e da Europa na Africa do Norte, assim como o Marrocos e o Egito o são, hoje se tornou uma terra de ninguém que se tornou mais um campo de ação de disputa e expansão do terrorismo no mundo, se já não bastasse os muitos já existentes… Não estou aqui para tomar partido ou defender nenhuma ditadura seja qual for, mas espero que não cometam o mesmo erro na Síria (calma que a Rússia ainda está por lá), Iraque e países centro-africanos do Sahel (em contagem regressiva interrompida por enquanto…)…

blank
Imagem via Reporters sans frontier via onestopmap.com

Dez anos desde a guerra do Ocidente contra a Líbia: como isso serviu de alerta sobre as intenções dos EUA e da Europa

“ Você desiste de suas armas de destruição em massa, você para de desenvolver mísseis de longo alcance, você se torna muito amigo do Ocidente e este é o resultado. Então, o que isso significa, significa que é uma mensagem para todos de que você precisa ser forte. Você nunca confia neles e precisa estar sempre alerta. Do contrário, essas pessoas não têm amigos. Da noite para o dia, eles mudam de ideia e começam a nos bombardear, e a mesma coisa pode acontecer com qualquer outro país “- Saif Al Islam Al Gaddafi, uma lição para o mundo da Guerra da Líbia.(Saif al-Islam Muammar Al-Gaddafi é um arquiteto e político liberal líbio é o segundo filho do antigo líder Muammar al-Gaddafi com sua segunda esposa, Safia Farkash. Seu nome significa “Espada do Islã”, em árabe. Domina o inglês e o alemão, e fala um pouco de francês)

O mês de fevereiro de 2021 marca dez anos desde o início das operações militares da OTAN contra a Jamahiriya Árabe Líbia, uma república africana fundada em 1969 após a derrubada da monarquia de alinhamento ocidental do país.

A república há muito se alinhava contra os interesses ocidentais, formando laços estreitos com o ANC da África do Sul, a União Nacional Africana do Zimbábue, Alemanha Oriental, Coréia do Norte, Cuba, Sudão e a União Soviética, entre outros, durante seus 42 anos de existência. Isso incluiu contribuições para o esforço de guerra liderado pelo Egito contra o Estado de Israel apoiado pelos Estados Unidos em 1973, uma guerra com o Chade apoiado pelos EUA e pela França que começou no final daquela década, e vários confrontos menores entre suas próprias forças e as dos Estados Unidos no 1980s.

blank
Líderes sudaneses, líbios e egípcios Nimeiry, Nasser e Gaddafi. Imagem via militarywatchmagazine.com.

A Líbia foi amplamente considerada o principal adversário do Ocidente no mundo árabe nos últimos anos da Guerra Fria, com o governo Ronald Reagan tentando assassinar o líder do país Muammar Gaddafi em 1986 com um grande ataque aéreo em sua residência. Após o fim da Guerra Fria e a subsequente invasão do Iraque liderada pelos EUA em 2003, Trípoli notavelmente mudou sua posição e buscou uma reaproximação com o Ocidente a fim de evitar potencialmente ser alvo como o Iraque.

Os EUA impuseram termos duros durante as negociações, incluindo o desmantelamento completo dos mísseis estratégicos do país e de dissuasores químicos e inspeções ocidentais intrusivas de instalações militares na Líbia, que o governo líbio concordou na esperança de melhorar os laços com o mundo ocidental.

Após o acordo de Trípoli de se desarmar, que incluiu ainda a aceitação de restrições consideráveis ​​às suas atividades nucleares que eram suspeitas de serem um programa de armas nucleares, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, saudou o Estado africano como um “modelo para outros países”. Ele prometeu: “Os líderes que abandonarem a busca por armas químicas, biológicas e nucleares, e os meios para entregá-las, encontrarão um caminho aberto para melhores relações com os Estados Unidos e outras nações livres.” A Líbia serviria de modelo para o mundo quanto às consequências do desarmamento e da confiança nas garantias ocidentais de melhoria das relações, embora de uma forma muito diferente da pretendida provavelmente pelo presidente W. Bush (Bush filho).

Pouco mais de cinco anos depois de seu desarmamento estar completo, a Líbia sofreu um ataque em grande escala liderado pelos Estados Unidos com milícias armadas e forças mercenárias atacando em solo armadas e fornecidas por potências ocidentais enquanto os jatos militares e mísseis de cruzeiro dos EUA e da Europa devastavam a infraestrutura e as instalações militares do país pelo ar.

A Líbia estava mal posicionada para se defender, com seus adversários ocidentais agora tendo conhecimento detalhado das defesas do país e garantia de que não tinha mais meios de retaliar contra alvos ocidentais quando suas próprias cidades eram alvejadas. A Líbia não apenas forneceu extensas informações sobre suas defesas e permitiu que seus adversários a despojassem de seu impedimento estratégico, mas sua fé nas garantias de segurança fornecidas quando foi desarmada também a levou a negligenciar a modernização de suas defesas aéreas.

Embora a Força Aérea da Líbia tivesse, de longe, o inventário mais impressionante de jatos de combate do continente africano na década de 1980, e fosse o maior cliente estrangeiro do interceptor soviético MiG-25 Foxbat, que era seu jato de combate mais formidável já exportado durante a Guerra Fria em termos de desempenho ar-ar, negligenciou a modernização, manutenção ou mantenimento da maior parte de suas aeronaves ou de treinar um número suficiente de pilotos.

Os pilotos da OTAN tinham pouca necessidade de mirar na grande frota aérea da Líbia em terra e estavam bem cientes de que a maioria das aeronaves do país estava totalmente inativa, com poucos pilotos treinados para operá-las.

As defesas aéreas da Líbia eram igualmente escassas, com fortificações insignificantes, modernização ou treinamento para tripulações de mísseis terra-ar, deixando baterias de mísseis extremamente vulneráveis ​​a ataques ocidentais.

O governo líbio foi derrubado logo depois e seu líder, coronel Muammar Gaddafi, torturado e morto por milícias apoiadas pelo Ocidente que operavam sob o apoio aéreo francês. O resultado na Líbia, anteriormente o país mais próspero da África, foi mais de uma década de guerra civil, o envio de forças estrangeiras de vários países em busca de interesses conflitantes em seu solo, a ascensão do grupo terrorista do Estado Islâmico e o retorno dos mercados de escravos e tráfico humano.

O rescaldo da campanha ocidental viu milícias antigovernamentais realizando um expurgo da minoria étnica negra do país com dezenas e, segundo alguns relatos, centenas de milhares massacrados, estuprados ou vendidos como escravos.

O destino da Líbia acabou servindo como um alerta para países em todo o mundo sobre as consequências potenciais da complacência diante de uma ameaça militar ocidental e a incapacidade de confiar a segurança à boa vontade ocidental ou às garantias de segurança dos Estados Unidos ou da Europa.
Em relação à Coreia do Norte em particular, o Diretor de Inteligência Nacional da Administração Donald Trump, Daniel R. Coats, destacou que o destino da Líbia demonstrou por que o desarmamento era fortemente contra os interesses de segurança nacional de Pyongyang. Ele afirmou que a liderança norte-coreana “observou, eu acho, o que aconteceu em todo o mundo em relação às nações que possuem capacidades nucleares e a influência que têm e viu que ter o cartão nuclear no bolso resulta em muita capacidade de dissuasão. .. As lições que aprendemos com a Líbia desistindo de suas armas nucleares … são, infelizmente: Se você tinha armas nucleares, nunca desista. Se você não os tem, consiga-os. ”

O próprio Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte afirmou quase o mesmo em relação às lições aprendidas com a decisão de Trípoli de encerrar sua força de dissuasão e suas consequências: “O desmantelamento nuclear da Líbia, muito elogiado pelos EUA no passado, acabou sendo um modo de agressão pelo qual o o último persuadiu o primeiro com palavras tão doces como ‘garantia de segurança’ e ‘melhoria das relações’ a desarmá-lo e depois engoli-lo pela força ”. Pyongyang acreditava que, em troca do levantamento das sanções e melhores relações, a Líbia “mordeu a isca econômica, desarmou-se tolamente e, uma vez indefesa, foi impiedosamente punida pelo Ocidente”

Quando entrevistado durante a guerra em 2011, o filho do coronel Muammar Gaddafi, Saif Al Islam, falou sobre o que ele viu retrospectivamente como a causa da queda da Líbia, que ele chamou de “uma boa lição para todos”. Ele indicou que, apesar dos fortes conselhos do Irã e da Coréia do Norte para não desistir de seus programas de dissuasão, a Líbia foi adiante para entregar seus mísseis balísticos e armas de destruição em massa – que ele chamou de erro crítico do país.

Ele afirmou a este respeito: “você desiste de suas armas de destruição em massa, você para de desenvolver mísseis de longo alcance, você se torna muito amigo do Ocidente e este é o resultado. Então, o que isso significa, significa que é uma mensagem para todos de que você precisa ser forte. Você nunca confia neles e precisa estar sempre alerta. Do contrário, essas pessoas não têm amigos. Da noite para o dia eles mudam de ideia e começam a nos bombardear, e o mesmo pode acontecer com qualquer outro país … Um dos nossos grandes erros foi atrasarmos a compra de novas armas, principalmente da Rússia, foi um grande erro. E atrasamos a construção de um exército forte porque pensamos que não lutaremos de novo, os americanos, os europeus são nossos amigos, desde que formaram relações positivas depois de 2003.

No rescaldo da guerra na Líbia, os vizinhos imediatos do país, Argélia e Egito, rapidamente tomaram medidas para fortalecer suas defesas aéreas com novos caças russos e sistemas de mísseis terrestres.

O lançamento de um ataque à Líbia foi quase totalmente imprevisível, dado o estado anterior das relações relativamente positivas de Trípoli com o Ocidente após o seu desarmamento, o que levou a crescentes preocupações de que outros Estados do Norte da África poderiam ser os próximos.

O Irã também, apesar de estar sob intensa pressão ocidental para permitir as inspeções ocidentais de suas bases militares e aceitar as restrições impostas pelo Ocidente em seu dissuasor de mísseis balísticos, traçou uma linha vermelha contra tais medidas provavelmente pelo menos em partido devido ao exemplo dado pela Líbia.

O destino da Líbia acabou servindo como um terrível aviso sobre a propensão das potências ocidentais de lançar campanhas militares inesperadamente contra países fora de sua esfera de influência, uma que forneceu um forte incentivo para alvos em potencial se armarem independentemente de quão eficaz qualquer détente com os Oeste pode parecer.

Mais tarde, e-mails vazados da secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, indicaram que a França, que liderou a campanha em seus estágios iniciais e foi o primeiro país a violar o espaço aéreo da Líbia, foi motivada a atacar pela necessidade de impedir a Líbia de estabelecer uma panela lastreada em ouro – Moeda africana- o Dinar de Ouro Africano.

Caso contrário, isso teria minado seriamente a influência francesa sobre suas ex-colônias da África Ocidental e Central ricas em recursos. O atual estado de guerra na Líbia pode continuar indefinidamente em sua segunda década, e as consequências das decisões políticas do governo de Gaddafi que deixaram abertas a ataques ocidentais acabaram atrasando o desenvolvimento do país várias décadas com muitos dos danos causados ​​pelo tempo de guerra dos ataques ocidentais. década atrás, ainda não tendo sido reparado.

Comments are closed.