Dia da Bandeira

Hoje 19 de novembro celebra-se o Dia da Bandeira, símbolo maior de nossa pátria, conhecida também como “Pavilhão Nacional”, a qual é fruto da história que nossos antepassados construíram. Foram seus acertos e os obstáculos que tiveram que transpor que asseguraram a construção de nossa identidade.

Como surgiu a Bandeira Nacional

Com a proclamação da República em 15 de novembro de 1889 o Brasil começava uma mudança, sendo a primeira a forma de governo, que passou a ser republicano federativo. As províncias passaram a ser Estados e foi convocada uma assembleia para elaborar a nova Constituição, isto é, a lei sobre a qual se baseia toda a vida de um país.

Essa constituição foi votada em 1891 e substituiu a do Império, que datava de 1824. Outra coisa que mudou bem depressa foi a bandeira e no dia 19 de novembro foi desenhada uma nova – que conservou, porém, as cores escolhidas em 1822 pelo imperador Dom Pedro I, o verde e o amarelo (que eram as cores de sua família e de sua esposa).

A bandeira do Império era parecida com a atual: o retângulo verde tinha em seu centro o losango amarelo, mas em vez da esfera azul, dentro dele ficava o escudo do imperador com ramos de café e fumo.

A bandeira imperial, usada de 1822 a 1889, foi inspiração para a atual bandeira nacional
Foto: Portal Planalto / BBC News Brasil

Mas entre o dia 15 e o dia 19 houve uma bandeira provisória da República: 13 listras amarelas e verdes alternadas, tendo no alto à direta um retângulo azul com 21 estrelas brancas. A atual bandeira é a 13ª da história do Brasil. Algumas duraram muitos anos, como a Bandeira do Principado do Brasil, vigente de 1645 a 1816.

A bandeira brasileira foi instituída em 19 de novembro de 1889, quatro dias depois de proclamada a República. Voltaram o retângulo e o losango verde-amarelo e as estrelas foram colocadas numa esfera azul, no centro do losango, divididas pela faixa branca em que se lê o dístico: “Ordem e Progresso”.

Suas cores foram iluminadas com a essência da história de um povo independente e orgulhoso de sua identidade coletiva multiétnica. Símbolo nacional, a Bandeira nos une às heranças históricas e culturais que devemos conservar e aperfeiçoar como obrigação aos que nos sucederão.

Quem lembra do significado de cada elemento da Bandeira Nacional? O verde simboliza a pujança das florestas brasileiras, enquanto o amarelo representa as riquezas minerais e o azul faz referência ao céu do país, e cada estrela representa um Estado brasileiro.

A posição das estrelas corresponde ao céu do Rio de Janeiro no dia 15 de novembro de 1889, data da Proclamação da República. No entanto, alguns astrônomos dizem que os idealizadores do símbolo nacional tomaram algumas “liberdades poéticas” em sua execução. A constelação do Cruzeiro do Sul, por exemplo, é bem menor do que aparenta no desenho.

E por falar em estrelas, a atual versão da bandeira, com 27 delas, só passou a valer a partir do dia 11 de maio de 1992. Antes, a bandeira tinha 21 estrelas. Ela ganhou uma nova estrela em 1960, representando o Estado da Guanabara. Depois, em 1968, mais uma para marcar a criação do Estado do Acre.

O sentimento de Pátria é revigorado nas cores da bandeira. Alimenta os sonhos de uma República que se fez grande, convergindo soluções, sem guerras, sem conflitos críticos e iluminada de ideais e esperanças. É, na verdade, o sentimento de um povo ordeiro, inovador, amistoso e obstinado na conquista de seus ideais.