Donald Trump emite ordem para acabar com investimentos em empresas militares chinesas

Ordem veio em resposta às crescentes preocupações sobre os fluxos de fundos de pensão e aposentadoria para empresas estrangeiras que apoiam o regime totalitário da China

Google News

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, emitiu uma ordem executiva nesta quinta-feira (12) para interromper os investimentos em empresas chinesas ligadas ao exército chinês, onde o presidente cita: ameaças à segurança nacional, política externa e economia dos Estados Unidos.

A ordem veio em resposta às crescentes preocupações sobre os fluxos de fundos de pensão e aposentadoria para empresas estrangeiras que apoiam o regime totalitário da China. Ela tem como alvo empresas militares chinesas, incluindo aquelas designadas pelo Pentágono em junho e agosto de 2020.

Pequim “está explorando cada vez mais o capital dos Estados Unidos para fornecer recursos e permitir o desenvolvimento e a modernização de seus aparelhos militares, de inteligência e de outros aparelhos de segurança”, afirma a ordem.

O Partido Comunista Chinês (PCC), por meio de sua estratégia nacional agressiva chamada “Fusão Militar-Civil”, usa empresas chinesas para fortalecer o Exército de Libertação do Povo (PLA).

“Ao mesmo tempo, essas empresas levantam capital vendendo títulos para investidores dos Estados Unidos que negociam em bolsas públicas aqui e no exterior”, diz o pedido. O Departamento de Defesa este ano designou 31 empresas chinesas como empresas militares chinesas que operam direta ou indiretamente nos Estados Unidos, incluindo aquelas pertencentes ou controladas pelo PLA.

Muitas dessas empresas são negociadas publicamente nas bolsas de valores em todo o mundo, e milhões de investidores dos EUA, por meio de seus fundos de pensão, estão inadvertidamente transferindo riqueza dos Estados Unidos para essas entidades.

A lista do Pentágono inclui empresas como Aviation Industry Corp. of China, Huawei e Hangzhou Hikvision. Duas das empresas na lista, a China National Chemical Corp. (ChemChina) e a China Three Gorges Corp. (CTG), por exemplo, levantaram um total de US$ 3,4 bilhões em ofertas de títulos denominados em dólares em setembro, de acordo com um relatório da RWR Advisory, uma consultoria de pesquisa e risco com sede em Washington.

O relatório afirma que os principais bancos americanos Goldman Sachs e Bank of America estiveram envolvidos na oferta de títulos da ChemChina. JPMorgan Chase e Morgan Stanley estavam entre os subscritores da oferta de títulos da CTG. A ordem executiva proíbe o investimento em ações ou títulos dessas empresas militares chinesas “começando às 9h30, horário padrão do leste, em 11 de janeiro de 2021”.

“A ação do presidente serve para proteger os investidores americanos de fornecer involuntariamente capital que vai melhorar as capacidades dos serviços de inteligência do Exército de Libertação Popular e da República Popular da China”, disse Robert O’Brien, conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, em um comunicado.

Em 2 de outubro, havia 217 empresas chinesas listadas nas bolsas dos EUA, com uma avaliação de mercado total de US$ 2,2 trilhões, de acordo com a Comissão de Revisão de Segurança e Economia dos EUA-China.

Nos últimos anos, Pequim também pressionou fornecedores de índices globais e fundos para aumentar o peso das ações e títulos chineses em seus benchmarks ou carteiras. Um provedor de índices dominante, o MSCI, por exemplo, no ano passado aumentou substancialmente o peso das ações chinesas em seus índices, levando bilhões de dólares a fluir para as empresas chinesas.

Um observador da China, o senador Marco Rubio (R-Flórida), saudou a ordem executiva e instou o Congresso a seguir o exemplo. “A exploração dos mercados de capitais dos EUA pelo Partido Comunista Chinês é um risco claro e contínuo para a segurança econômica e nacional dos EUA”, disse ele em um comunicado.

“Nunca podemos colocar os interesses do Partido Comunista Chinês e de Wall Street acima dos trabalhadores americanos e de pequenos investidores.” Será muito difícil para as administrações subsequentes reverterem a política de Trump, de acordo com Roger Robinson, presidente e CEO do RWR Advisory Group.

“Em meus quarenta anos olhando para o nexo entre segurança nacional e finanças globais, não me lembro do uso de penalidades de mercado de capitais desse tipo. Em suma, é uma estreia histórica no meu livro, particularmente no que diz respeito a um grande jogador de mercados como a China”, disse ele por e-mail.

Robinson também é ex-presidente da Comissão de Revisão de Segurança e Economia do Congresso dos EUA e da China. “Não será mais possível colocar o gênio das sanções do mercado de capitais de volta na garrafa”, disse ele.

O deputado Jim Banks (R-Ind.) também aplaudiu a ação. Em junho, Banks apresentou um projeto de lei, o Stop Funding the PLA Act, que é semelhante à ordem executiva. “Esta é uma das decisões de política externa mais sábias e significativas que o presidente Trump tomou desde que assumiu o cargo”, disse ele em um comunicado.

“É ridículo que os EUA tenham permitido o financiamento do aumento de nossos principais adversários globais, e é um erro que não podemos cometer novamente”, finalizou.

  • Com informações da revista Epoch Time, Por: Emel Akan


Receba nossas notícias em tempo real nos seguindo pelos aplicativos de mensagem abaixo:

Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do DefesaTV em seu e-mail, é de graça!

Assista nosso último episódio:

Comments are closed.