EMBRAER objetiva o mercado militar da OTAN após vendas para Portugal

A confirmação da primeira exportação do avião de transporte KC390 abre um mercado estratégico para o maior modelo já produzido pela Embraer as frotas da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte).
Mais do que um negócio alentador para a empresa brasileira, que precisa reposicionar sua marca após sua linha de jatos regionais ter tido o controle comprado pela Boeing a exportação significa o primeiro ataque bem-sucedido do KC-390 ao seu concorrente direto, o C-130 Hércules.
Os portugueses pagarão € 827 milhões (R$ 3,5 bilhões no câmbio de sexta, 12) por cinco aviões, um simulador de voo e suporte técnico por 12 anos. Com isso, irão aposentar
seus seis antigos Hércules, modelo da norte-americana Lockheed Martin.

É preciso, claro, ressaltar a vantagem competitiva específica da Embraer nesse caso: partes da fuselagem do avião são feitas por sua subsidiária em Évora, o que significa empregos portugueses.
Além disso, o KC-390 tem capacidade de ser usado para combater incêndios, um problema sério em Portugal.
É também reabastecedor aéreo e pode executar outras missões, como resgate. Isso dito, Portugal é um país integrantes da Otan, aliança militar liderada pelos EUA que preza o conceito de interoperabilidade. Ou seja, suas Forças Armadas têm de usar equipamentos padronizados, que “conversem” entre si.
Hoje, há nos membros europeus da Otan 137 Hércules, a maioria aviões com O avião multimissão KC-390, maior aposta da Embraer na área militar  mais de 30 anos de uso. Itália, França e Grécia operam frotas maiores do modelo mais recente do aparelho, o J, mas o ponto de venda da Embraer é o fato de que o KC-390 é um avião do século 21.

 

É também seu ativo ser um produto testado pelo tempo, que passou por inúmeras atualizações, mas também é um projeto com seis décadas nas costas.
Os estudos da Embraer sobre o mercado indicavam que 2.700 C-130 ou análogas estão em operação no mundo, com uma idade média de 30 anos de uso. Só para a próxima década, seriam US$ 60 bilhões em negócios potenciais. Começar por um país da Otan é auspicioso para as pretensões da fabricante paulista.
O mercado europeu está em reformulação, e, desde 2011, 11 países do continente participam de um programa de uso conjunto de aviões de transporte, bastante vantajoso para os membros com menor capacidade de sustentar uma frota própria dos modelos.
O jato de dois motores KC-390 tem capacidade para até 26 toneladas de carga, ante 19 toneladas do quadrimotor turboélice Hércules.
Há a questão do custo: uma unidade de prateleira do avião da Embraer sai por US$ 85 milhões (R$ 315 milhões). Já um C-130 não sai por menos que US$ 100 milhões (R$ 370 milhões).
Na Europa, um rival potencial é o também quadrimotor a hélice Airbus A400M, que leva até 37 toneladas e está numa outra categoria de tamanho e preço (R$ 650 milhões).

É preciso ressaltar que esses valores são referenciais apenas, já que cada compra embute ganhos de escala e outros produtos, tornando impossível determinar um preço fixo para aviões militares.
Já o mercado de transporte pesado é dominado pelo C-17, um gigante que leva até 75 toneladas.
A venda para Portugal é a última a ser feita puramente pela Embraer remanescente do acordo com a Boeing —a primeira foi a encomenda de lançamento, de 28 unidades por R$ 7,2 bilhões pela FAB (Força Aérea Brasileira).


A partir de agora, o negócio será tocado pela joint venture estabelecida entre Embraer e Boeing para produzir e vender o avião, na qual os brasileiros detêm 51% de controle.
Com isso, a linha de produção do KC-390 poderá ser transferida totalmente ou em parte para os EUA, para facilitar o objetivo de seduzir o maior mercado militar do mundo —e país líder da Otan.
Os americanos operam cerca de 500 C-130 em suas diversas versões, e a Boeing almeja há anos atacar sua maior rival.
Além disso, o KC-390 mira mercados secundários, em que o Hércules e antigos aviões de transporte soviéticos imperam. São vendas a conta-gotas, contudo, e mesmo neles a Lockheed já se mostrou competitiva: no ano passado, a Nova Zelândia preferiu o C-130J ao KC-390.
A FAB, dona da encomenda original do KC-390, fica na torcida: ela investiu cerca de R$ 5 bilhões no desenvolvimento do projeto, que serão reembolsados na forma de pagamento de royalties de exportação

Com informações da EMBRAER, Igor Gielow via Folha de São Paulo/UOL/Mercado



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here
Enter the text from the image below