Encomendas de navios da Marinha Real Britânica mantem a construção naval escocesa viva

Se alguma vez houve a necessidade de se fazer uma demonstração prática do benefício positivo da Escócia ser parte do Reino Unido, isso pode ser visto com os novos navios sendo construídos no Clyde e no Forth

blank
O HMS Glasgow, em construção no Clyde, é a primeira fragata Type 26 construída para a Marinha Real (Foto: John Devlin)

Google News

A BAE Systems está construindo oito novas fragatas da classe Type 26, como parte de um programa de modernização a Real Marinha Britânica. O contrato dos três primeiros navios foi de £ 3,7 bilhões (R$ 22 bilhões), e no geral o programa deve sustentar 1.700 empregos na construção naval escocesa até 2030.

Não é apenas em Clyde, que vemos empregos sustentados graças aos gastos do governo do Reino Unido. Em Rosyth on the Forth, a empresa Babcock está construindo cinco novas fragatas Type 31 como parte de um negócio de £ 1,25 bilhão (R$ 10 bilhões), apoiando cerca de 2.500 empregos em todo o Reino Unido.

De volta a Base Naval de Clyde, que breve irá abrigar a frota de submarinos da Marinha Real e continua recebendo £ 1,5 bilhão (R$ 11 bilhões) em investimentos em infraestrutura.

O local é o segundo maior empregador de um único local na Escócia (atrás apenas do Queen Elizabeth University Hospital em Glasgow), fornecendo atualmente 6.800 empregos e deverá crescer para 8.200 empregos no futuro, sem contar com os empregos indiretos.

Se alguma vez houve necessidade de se fazer uma demonstração prática do benefício positivo da Escócia ser parte do Reino Unido, isso pode ser visto com os novos navios sendo construídos no Clyde e no Forth, sustentando empregos e apoiando as empresas locais.

  • Com informações do site celebrity.land


Receba nossas notícias em tempo real nos seguindo pelos aplicativos de mensagem abaixo:

blank

Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do DefesaTV em seu e-mail, é de graça!

Assista nosso último episódio: