Engenheiro da U.S. Navy é preso vendendo segredos de submarinos nucleares para governos estrangeiros

blank

Um engenheiro da U.S. Navy (Marinha dos EUA), Jonathan Toebbe (não informado se civil ou militar) foi preso por venda de segredos técnicos/militares de submarinos nucleares.

Ele estava tentando passar informações sobre o projeto de submarinos nucleares americanos para alguém que ele pensava ser um representante de um governo estrangeiro, mas o indivíduo era um agente do FBI disfarçado que trabalhava na investigação do caso.

Em uma queixa criminal detalhando acusações relacionadas a espionagem, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DoJ) informou que o engenheiro Jonathan Toebbe, com a participação da esposa professora universitária e ativista polìtica, vendeu informações por quase um ano para um contato que ele acreditava representar uma potência estrangeira.

O país para o qual ele supostamente estava enviando segredos não foi oficialmente mencionado, mas fontes anônimas que participaram na investigação, que forneceram informações extra-oficiais para algumas redes de TV dos EUA, deixaram claro que somente um país estrangeiro teria tal ousadia e já está envolvido em outras investigações semelhantes; a China.

Essas fontes anônimas (possivelmente do FBI ou do U.S. DoJ) também informaram que o engenheiro ja era suspeito de envolvimento com grupos extremistas anarquistas e da esquerda radical nos EUA, e também estava a um bom tempo tentando cooptar outros engenheiros para o que ele considerava uma “causa por um mundo melhor e mais equilibrado”…

O engenheiro também é suspeito de ter mantido contato com um marinheiro que foi recentemente condenado pela Justiça Militar por ter causado o incêndio no navio de assalto anfíbio USS Bonhomme Richard (LHD-6), que também era investigado por manter contatos com movimentos anarquistas e de extrema esquerda, que possivelmente recebem financiamentos de potências estrangeiras.

Não foi divulgado se o engenheiro investigado conseguiu passar informações para a China, Irã, Coréia do Norte, Paquistão, Turquia ou alguma outra nação, antes de ser formalmente investigado e preso.

Toebbe, 42, foi preso na Virgínia Ocidental com sua esposa, Diana Toebbe, de 45 anos, cúmplice nas atividades de venda de segredos e contato com a potência estrangeira”, depois de colocar um cartão de memória removível em um “depósito” pré-arranjado no estado, de acordo com o DoJ.

O FBI afirma que o esquema começou em abril de 2020, quando Jonathan Toebbe enviou um pacote de documentos da Marinha dos EUA para um governo estrangeiro que foi interceptado pela equipe de investigação, e disse que estava interessado em vender manuais de operações, relatórios de desempenho e outras informações confidenciais dos submarinos nucleares americanos.

As autoridades afirmam que ele também forneceu instruções sobre como conduzir a espionagem.

“Peço desculpas por esta má tradução para o seu idioma. Por favor, encaminhe esta carta para sua agência de inteligência militar. Acredito que esta informação será de grande valor para sua nação. Isso não é uma farsa. ” estava escrito em um dos pacotes, com a letra manuscrita do engenheiro Toebbe.

O escritório secreto do FBI no país estrangeiro não revelado recebeu o pacote, que tinha o endereço do remetente em Pittsburgh, em dezembro passado.

Isso levou a uma operação secreta de meses, na qual um agente se passando por um representante do governo estrangeiro ofereceu-se para pagar milhares de dólares em criptomoeda pelas informações que Toebbe estava oferecendo.

Em junho, o FBI disse que o agente secreto enviou US $ 10.000 em criptomoedas para Toebbe, descrevendo-o como um sinal de boa fé e confiança.

Mais tarde, agentes do FBI observaram enquanto os Toebbes chegavam a um local combinado em West Virginia para a troca, com Diana Toebbe aparecendo para servir de vigia por seu marido durante a operação de lançamento, de acordo com a denúncia.

O FBI recuperou um cartão SD azul embrulhado em plástico e colocado entre duas fatias de pão em um sanduíche de manteiga de amendoim.

O FBI pagou a Toebbe US $ 20.000 pela transação e forneceu o conteúdo do cartão SD a um especialista da Marinha, que determinou que os registros incluíam elementos de design e características de desempenho de reatores submarinos da classe Virginia, disse o departamento de justiça.

O cartão SD também incluía uma mensagem digitada que dizia:

“Espero que seus especialistas estejam muito felizes com a amostra fornecida e eu entendo a importância de uma pequena troca para aumentar nossa confiança.”

O FBI conduziu trocas similares ao longo dos próximos meses, incluindo uma em agosto na Virgínia, na qual Toebbe recebeu US $ 70.000 e escondeu um cartão SD em um pacote de goma de mascar.

Jonathan Toebbe trabalha para o governo dos EUA desde 2012, tendo uma autorização de segurança ultrassecreta e se especializando em propulsão nuclear naval, disse o FBI. Ele também foi designado para um laboratório na área de Pittsburgh que, segundo autoridades, trabalha com energia nuclear para a marinha dos Estados Unidos.

O perfil do casal Toebbe

Diana e Jonathan Toebbe são um casal que mora em Annapolis, Maryland, pais de dois filhos. A família vive em uma casa de US $ 430.000 com três quartos no bairro de classe média alta em Hillsmere Estates.

Informações biográficas divulgadas por oficiais da U.S. Navy afirmam que Jonathan Toebbe é um oficial da reserva da Marinha trabalhando como técnico civil na Marinha dos Estados Unidos desde 2012.

O homem de 42 anos trabalhava como oficial especializado em projetos de propulsão nuclear naval e tinha autorização de segurança ultrassecreta. Ele foi designado para o Programa de Propulsão Nuclear Naval, também conhecido como Reatores Navais.

Antes de ingressar no serviço em 2021, Jonathan Toebbe participou do Comando de Treinamento de Oficiais em Newport, Rhode Island. Ele então trabalhou como oficial de engenharia nuclear em Pittsburgh e na Virgínia do Norte.

Jonathan Toebbe serviu como tenente em 2016 e encerrou o serviço ativo em 2017. Trabalhou como oficial de recursos humanos até dezembro de 2020.

Ele foi premiado anteriormente com a Medalha de Serviço de Defesa Nacional, a Medalha de Comenda da Marinha / Corpo de Fuzileiros Navais e a Medalha de Serviço da Guerra Global contra o Terrorismo. No entanto, Jonathan Toebbe encerrou carreira a pedido pessoal em 19 de dezembro de 2020.

blank
Nas redes sociais Diana era uma pessoa norlam e acima de qualquer supeita apesar do intenso ativismo polìtico.

Enquanto isso, Diana Toebbe é professora de humanas na Key School (Universidade) em Annapolis. As autoridades confirmaram que a mulher de 45 anos trabalhava como professora nos últimos 10 anos. Diana foi suspensa de seu cargo na Key School por um período indefinido de tempo até o final da investigação pendente.

Diana era também conhecida por seu engajamento político com causas ditas “humanistas/ecologistas” da agenda de movimentos anarquistas e da extrema esquerda o que lhe valeu algumas advertências por excessos dentro do campus universitário.

De acordo com o The Baltimore Sun, o chefe da instituição Matthew Nespole mencionou que a universidade desconhecia o envolvimento de Diana nas atividades criminosas junto com seu marido. Ele disse que a escola ficou chocada com o incidente e irá cooperar com a investigação .

Os vizinhos disseram que a família Toebbe se mantinha isolada e não interagia muito com outros residentes locais na área, porém sua residência era frequentada por grupos de pessoas ligadas aos movimentos anarquistas conhecidos, desde antifas aos black lives matters, entre outros…

  • Com informações CBS News, Fox News, ABC News, NBC News, CNN USA, Daily Wire USA, France Inter, STFH Analysis & Intelligence, via redação Orbis Defense Europe/Genebra.