Escalada para guerra aberta? Presidente turco ameaça atacar em toda a Síria

Tanques do exército turco se reúnem perto da fronteira síria em 21 de janeiro de 2018 em Hassa, na província de Hatay. Imagem ilustrativa(BULENT KILIC / AFP / GETTY IMAGES)

Depois de uma série de confrontos considerados leves e ocorridos por falta de coordenação bilateral, diversos atritos evoluiram para uma situação agora bem mais grave e que até certo ponto pode ser considerado como um conflito aberto, mesmo que ainda não exista uma delcaração formal de guerra.

E para piorar ainda mais a situação, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, ameaçou atacar tropas sírias em qualquer lugar da Síria no caso de um novo ataque às suas tropas que ocupam diversas posições dentro do territorio sírio, onde apoiam diretamente as milicias terroristas islâmicas que oficialmente combatem o regime do Presidente Assad, mas em fato são remanescentes de tropas do ISIS agora agindo por proccuração pelos interesses da Turquia na região.

“Declaro que atacaremos o regime em todos os lugares”, disse o presidente turco durante um discurso em Ancara no caso de um novo ataque contra as forças turcas presentes na província de Idleb. “O regime e as forças russas […] que os apóiam estão constantemente atacando civis, cometendo massacres e derramando sangue”, acrescentou.

O presidente turco também falou por telefone com seu colega russo Vladimir Putin. Os dois presidentes continuaram suas discussões sobre vários aspectos da solução da crise na Síria, no contexto da piora da situação na zona de descalcificação de Idleb.

Eles também disseram que esperavam a plena implementação dos acordos de remoção de escalada russo-turco na Síria, de acordo com um comunicado divulgado pelo Kremlin.

Conflito evolui depois de grande ataque do Exército Sírio contra posições e tropas da Turquia em Saraquib, territorio sírio ocupado por tropas turcas

O vídeo recém divulgado pelas grandes midias mostra a coluna militar do exército turco em chamas, a oeste da cidade de Saraqib. Esta coluna foi destruída por ataques de artilharia do Exército Sírio em resposta à tentativa do exército turco de proteger militantes ligados à Al Qaeda na área. Os sírios destruíram pelo menos um tanque de batalha M60T, um porta-morteiros M106 e vários dezenas de veículos.

Os sírios destruíram pelo menos um tanque de batalha M60T. Imagem via SANA Syria.

Ancara afirma ter matado 100 soldados sírios em retaliação pela morte de soldados turcos

Apos esse ataque contra tropas e posições turcas em territorio sirio ocupado, a Turquia alega ter “neutralizado” mais de 100 soldados do Exército Sírio e destruído tanques em resposta a um ataque que alega em Damasco, no qual se diz que cinco soldados turcos morreram. Damasco, por sua vez, não confirmou.

A resposta e as perdas anunciadas pela Turquia não foram imediatamente confirmadas ou negadas por Damasco.

“Segundo nossas fontes, 101 membros do regime foram neutralizados, três tanques, dois blindados leves e um helicóptero foi atingido e destruido”, disse o Ministério da Defesa turco em comunicado, que afirmou ainda que o bombardeio contra as posições sírias continuam.

Ancara disse que cinco soldados turcos foram mortos e outros cinco ficaram feridos em um bombardeio do exército sírio no posto de observação de Taftanaz, tripulado pela Turquia na província de Idleb, no noroeste da Síria.

O Exército Sírio, que combate grupos terroristas islâmicos na região apoiados por Ancara, já havia atingido soldados turcos durante suas operações para recuperar o controle da província de Idleb. Quatro soldados turcos foram mortos em 3 de fevereiro, o que exacerbou as tensões entre os dois estados.

Moscou explicou que as mortes desses soldados, que estariam sob fogo de Damasco durante uma operação contra grupos terroristas, poderiam ter sido evitadas se Ancara tivesse alertado sobre sua intenção de realizar uma operação nesta área.

Diante da continuação da ofensiva síria, o presidente Recep Tayyip Erdogan, que enviou reforços turcos para a região após o ataque, ordenou que a Síria se afastasse dos postos de observação militares turcos e pediu a Moscou que o fizesse, mais para controlar seu aliado sírio.

Essa troca adicional de hostilidades, se confirmada, ocorre enquanto uma delegação russa esteve em Ancara para conversas com o objetivo de encontrar uma solução para os confrontos em Idleb.

  • Com informações AFP, SANA Syria, Reuters e STF analisys & intelligence via redação Orbis Defense Europe.