EUA bate recorde de vendas de armas em janeiro

Arte com foto de Kim Oxnam via redação OD Europe.

Google News

Em janeiro, os cidadãos americanos bateram um recorde histórico, pois compraram mais de 2 milhões de armas de fogo, de acordo com fontes da indústria de armas leves para uso civil e também mostraram dados recentemente revelados pela National Shooting Sports Federation (NSSF), NRA e FBI, com um aumento anual de cerca de 75 por cento no mês.

De acordo com as estatísticas publicadas na segunda-feira, em janeiro de 2021, os americanos compraram mais de 2 milhões de armas de fogo, um número recorde que excede em muito as vendas de 1,2 milhão de armas em janeiro de 2020.

Com o FBI afirmando que realizou cerca de 4,3 milhões de verificações de antecedentes no mês passado, a NSSF disse que a agência nunca se viu tão mais ocupada, em termos de background check  (verificação de antecedentes criminais) de venda de armas, nas primeiras semanas em janeiro de 2021.

O NSSF disse que encontrou apenas três meses com vendas maiores de armas em seu registro em junho e julho de 2020, quando protestos e tumultos dos BLM-Black Lives Matters ocorreram nos Estados Unidos, e em janeiro de 2013, quando o presidente Barack Obama foi empossado para seu segundo mandato na Casa Branca.

Em janeiro, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, assumiu o cargo, com as vendas de armas geralmente disparando quando um novo líder democrata é empossado devido a temores das promessas de campanha de Joe Biden sobre uma possível proibição de rifles AR-15, registro obrigatório de armas de fogo obrigatório, e todo um possível endurecimento das leis sobre armas a nível nacional.

Os principais temores dos novos compradres de armas são que ocorram mais distúrbios civis violêntos e aumento da criminalidade contra as populações brancas e asiáticas, cometidos por criminosos e gangues da comunidade negra e latina. Curiosamente também acontece um aumento da procura e compra de armas de fogo pela população afroamericana, e também para se defender de ataques de gangues negras, gangues latinas e grupos antifas que atacam afroamericanos que não compactuam com o movimento BLM, entre outros.

Em alguns estados dos EUA, praticamente não existem mais armas disponíveis para venda com valores abaixo de US$1,000 (mil dólares) e nem mesmo munição dos calibres 9mm, .38, .45 e .223 entre outras… Dependendo do estado dos EUA, a fila de espera para a compra de um rifle novo da categoria do AR-15 chega à 3 meses, e, o mercado de usados está com preços tão caros quanto os dos produtos novos.

O mais curioso de tudo é que apesar dos recordes de vendas, as mortes causadas por conflitos banais ou criminais com o uso de armas de fogo continuam a cair vertigionosamente nos EUA…



Receba nossas notícias em tempo real nos seguindo pelos aplicativos de mensagem abaixo:

Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do DefesaTV em seu e-mail, é de graça!

Assista nosso último episódio: