Europa: Mais de 1 milhão em protestos anti-confinamento, contra vacinação e passe sanitário obrigatórios

blank
Imagem do protesto de sábado acontecido em Londres, um dos muitos que ocorreram por toda a Europa durante a semana, com àpice para o sábado dia 24. Foto de autor desconhecido via redes sociais.

Google News

França e Itália em “alerta máximo de terrorismo” devido aos protestos

No fim de semana, milhares de ativistas que lutam contra um eventual 4° confinamento, anti passes sanitários, e contra a vacinação obrigatória saíram às ruas de cidades em todo o mundo, mas principalmente na Europa ocidental, para protestar contra as novas medidas restritivas e as iniciativas de obrigação de um passaporte de vacina para permitir acesso aos comércios e serviços.

Muitos denunciam também o uso das restrições sanitárias como manobras de controle político, acobertamento para casos de má gestão, corrupção e controle social em época de eleições. Existem descofianças generalizadas sobre um quarto confinamento geral, teoricamente já agendado em uma ação conjunta pelo governo na França e em outros países europeus para o fim do verão.

Dezenas de milhares de pessoas saíram às ruas de cidades francesas pela segunda semana consecutiva o que obrigou o governo francês a elevar o alerta de terrorismo pois centros de triagem e vacinação foram atacados e alguns até mesmo incendiados. Prefeitos e políticos estão sendo ameaçados de agressões e até de morte caso a lei do passe sanitário seja aprovada em definitivo.

De acordo com o Ministério do Interior francês, um total de 161.000 pessoas participaram de 168 ações de protesto em toda a França, incluindo 11.000 manifestações apenas em Paris. As grandes mídias também fizeram esforços para minimizar os fatos, mas foi impossível esconder a amplitude das manifestações pelas redes sociais.

Porém de acordo com levantamentos paralelos dos sindicatos de polícia, prefeituras e observadores internacionais os manifestantes passaram de 1 milhão e 500 mil espalhados pelas principais cidades francesas em um total de 275 cidades. Ainda se aguarda uma contabilidade dos números pela Europa, e estimações superficiais avaliam um total possível de mais de 5 milhões de pessoas envolvidas em protestos que começaram no dia 16 de julho até o final do sábado dia 24.

https://www.facebook.com/philippot.f/posts/4206038839480297

As manifestações massivas em alguns caso, mesmo pacíficas, foram reprimidas e levaram a confrontos com as forças de ordem, que  usaram em muitos casos gás lacrimogêneo e canhões de água para dispersar a multidão em muitas cidades da Europa, principalmente na França aonde a repressão aos movimentos anti-restrições é mais forte por ordem do governo.

Ao mesmo tempo, dois outros protestos ocorreram em Paris. Membros de um importante movimento antigovernamental dos “Gillets Jaunes” (Coletes Amarelos) e partidários do partido eurocéptico ‘Patriotas’ também estiveram presentes nas ruas.

https://www.facebook.com/philippot.f/videos/528480105029604

Dezenas de pessoas foram detidas em Paris após os confrontos, segundo o ministro do Interior francês, Gerald Darmanin.

Porém os protestos causaram uma aparente “flexibilização” do governo nas eventuais restrições que a implantação do passe (ou passaporte) sanitário poderá impactar na vida cotidiana na França. Porém, apesar de algumas modificações no texto da lei, a palavra final ainda está nas mãos da Assembléia Nacional.

Os protestos foram provocados pela recente decisão do governo de estender a exigência de um certificado especial de vacinação (passaporte sanitário) para pessoas que visitam várias áreas públicas, bem como de prolongar o mandato de vacinação obrigatória para certos empregos, incluindo médicos.

Depois que o primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, em 22 de julho, anunciou uma expansão do esquema de passaporte de saúde para entrada em locais como restaurantes, academias e cinemas e pediu às pessoas que se vacinassem ou enfrentassem um novo confinamento, protestos foram organizados em dezenas de vilas e cidades em toda a Itália .

Milhares de pessoas se reuniram em Trafalgar Square, em Londres, para o ‘Freedom Rally’ , para protestar contra as medidas restritivas introduzidas em meio à pandemia de Covid-19. Os confrontos menores resultaram em várias prisões, 4 policiais teriam ficado feridos

Centenas de manifestantes se reuniram em Belfast e Dublin, alguns carregando cartazes com mensagens antivacinas.

Pessoas marcharam nas ruas da Finlândia.

Os mesmos protestos foram relatados na Grécia.

Enquanto isso, nenhum protesto foi registrado na Alemanha.

Não só a Europa enfrentou grandes manifestações

A multidão desmascarada marchou pelas ruas de Sydney. Cerca de 150.000 pessoas participaram da manifestação, entoando slogans anti-lockdown e segurando cartazes clamando por “liberdade” e “a verdade”. Os manifestantes também foram detidos em Melbourne e em Brisbane.

Dezenas de prisões foram feitas enquanto alguns manifestantes atacavam a polícia em Sydney.

Governo francês cede “parcialmente” depois de duas semanas de polêmicas e grande protestos públicos

O Senado, dominado pela oposição de direita, fez várias mudanças substanciais no projeto de extensão do passe de saúde, excluindo os menores em particular e reservando-o para espaços interiores, mas a Assembleia terá a última palavra.

O projeto de lei expresso para implantar o passe de saúde na vida socio-comercial na França foi emendado em alguns pontos pelo Senado em 24 de julho. Uma emenda, adotada durante a primeira leitura do projeto de lei sobre novas medidas anticovid pela Câmara alta, por exemplo, retirou a menção “idade mínima de doze anos” prevista neste dispositivo para reservá-lo para as pessoas “major”.

Esta alteração apresentada pelos senadores Les Républicains (LR), incluindo Henri Leroy, teve parecer desfavorável do governo, mas também do relator da LR da Comissão de Direito, Philippe Bas. Pierre-Antoine Levi (centrista) destacou a “falta de consenso das autoridades sanitárias” sobre a vacinação de menores, Philippe Bas contando com “estudos convergentes” que mostram que “também são contaminantes, ou até mais, do que adultos” .

Os senadores também aprovaram uma emenda da socialista (PS) Marie-Pierre de La Gontrie, ainda contra o conselho do governo e da comissão, reservando-se a obrigação de apresentar este passe apenas para espaços interiores, “confinados”. “Apesar da crescente circulação da variante Delta, estudos epidemiológicos mostram que os riscos de contaminação são menores em espaços exteriores”, afirmou o senador PS.

Afirmação contestada por outros parlamentares e pelo secretário de Estado Adrien Taquet, em representação do governo, que sublinhou que “a viralidade” mais, mais, mais “” da nova variante torna a diferença interior / exterior menos relevante. “Você praticamente se esvaziou de sua substância” Outras alterações mudam este dispositivo principal, mas polêmico, destinado a lidar com o surto de contaminações pela variante Delta. Com isso, os senadores querem adiar a implantação dessa passagem para os lugares públicos de 30 de agosto para 15 de setembro.

A cifra de 50 pessoas para os estabelecimentos abertos ao público (ERP) deve, segundo eles, ser calculada com base no número de pessoas presentes e não na lotação do local. Isso, segundo Henri Leroy, “ajudaria o setor cultural que sofre”. “Vocês esvaziaram em grande parte de sua substância” este dispositivo, lamentou o Secretário de Estado da Criança e da Família, ao Ministro da Saúde, Adrien Taquet. Ele castigou “a coalizão heterogênea” que permitiu esses votos.

O presidente do grupo LR no Senado, Bruno Retailleau, já o havia alertado antes da votação contra o “risco de não fazer nada [por] multiplicar as exceções”. Essas disposições poderiam ser removidas em um comitê conjunto ou na continuação da nave. Uma emenda para conceder o passe provisório de saúde com base em uma única injeção de vacina, em vez de duas, foi rejeitada.

O governo, por sua vez, conseguiu aprovar uma emenda que estendia até 31 de dezembro, em vez de 31 de outubro, a isenção do prazo de carência para os servidores obrigados a entrar em regime de isolamento.

  • Com informações France 3, France Inter, France 24, BFMTV, LCI, CNews, RT France, France Inter, Le Parisien, HuffPost, BBC, Reuters, C8 France e redes sociais via redação Orbis Defense Europe.


Receba nossas notícias em tempo real nos seguindo pelos aplicativos de mensagem abaixo:

blank
blank

Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do DefesaTV em seu e-mail, é de graça!

Assista nosso último episódio: