Eventual presença de PMCs russos no Mali gera discórdia entre França e Rússia

blank

Um dos tópicos importantes para discussão na Assembleia Geral da ONU foi a situação no Mali, onde as autoridades locais foram deixadas sozinhas com a ameaça terrorista após a decisão da França de encerrar a Operação Barkhane e retirar suas tropas.

A situação ao bem dizer já não era boa a muito tempo pois apesar do bom trabalho conduzido pelos militares franceses, a ingerência do governo Macron com suas negociações pouco esclarecidas com os grupos terroristas deixaram as autoridades do Mali desconfiadas e assom os integrantes do novo governo militar resolveram negociar com a Rússia, um dos principais concorrentes da França na África.

A linha vermelha do destrato entre França e Mali, e que também serviu como um dos grandes argumentos para estragar as relações entre os dois países foi a negociação que levou a libertar mais de cem terroristas islâmicos en troca de uma refém francesa Sophie Pétronin (esta uma colaboradora simpatizante dos terroristas islâmicos) em outubro de 2020.

Mali: cem jihadistas libertados em troca de uma refém francesa e um político malien

Em 25 de setembro, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, confirmou que Mali estaria negociando com uma das empresas militares privadas russas para ajudar na luta contra o terrorismo, observando que o governo russo não tem nada a ver com esta questão.

“Eles apelaram para uma empresa militar privada da Rússia pelo fato de que, pelo que entendi, a França quer reduzir significativamente seu contingente militar, que estava lá e, como todos sabem, teve que lutar contra terroristas”, disse Lavrov.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia concluiu que os militares franceses no Mali “não tiveram sucesso e os terroristas ainda comandam o show lá”. Lavrov esclareceu que as autoridades do Mali avaliaram suas próprias habilidades na luta contra o terrorismo como insuficientes e decidiram recorrer às PMCs russas por motivos legais.

Negando o envolvimento do Kremlin em uma intermediação entre o governo do Mali e as empresas russas de PMCs, Lavrov acrescentou que Moscou apenas ofereceu apoio estatal ao Mali para garantir sua capacidade de defesa. Em particular, fornecer equipamento técnico-militar e participação em missões de manutenção da paz no âmbito do Conselho de Segurança da ONU.

Em um de seus discursos, Lavrov enfatizou a retórica indecente das autoridades da UE sobre a questão africana.

“… Como me disse Josep Borrel:“ É melhor você não trabalhar na África, este é o nosso lugar ”. Isso é exatamente o que ele disse. Seria melhor sincronizar as ações da União Europeia e da Rússia na luta contra o terrorismo na região do Saara-Sahel. E dizer: “Eu sou o primeiro aqui, então você sai” é, em primeiro lugar, um insulto ao governo de Bamako, que convidou parceiros externos, e em segundo lugar, é impossível falar com ninguém desta forma ”, concluiu Lavrov.

PMCs russos no Mali: outro ponto de discórdia entre Paris e Moscou

Por sua vez, o primeiro-ministro do Mali, Kokalla Maiga, confirmou que a França forçou o Mali a “preencher o vazio” no combate aos terroristas após a retirada das suas tropas.

Ele ressaltou que a França tomou uma decisão unilateral sem o consentimento da ONU e do governo do Mali. Seu país não tem escolha , de acordo com o primeiro-ministro.

“O Mali lamenta que o princípio da consulta e coordenação, que deveria ser a regra entre os parceiros privilegiados, não tenha sido observado antes de a decisão ser tomada pelo governo francês”, acrescentou o Primeiro-Ministro.

Governo do Mali negociando serviços do Wagner Group

Paris já ameaçou Moscou com “graves consequências” se o “Grupo Wagner” for implantado no país africano

Na véspera da 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU, o Ministro da Europa e Relações Exteriores Jean-Yves Le Drian se reuniu com seu homólogo russo, Sergey Lavrov, onde, além de Mali, discutiram uma série de tópicos relacionados com a crises, em particular no Afeganistão, Líbia e Ucrânia, bem como a questão iraniana.

Durante as negociações com o seu homólogo do governo de transição do Mali, a Ministra da Defesa francesa, Florence Parly, ameaçou Bamako com isolamento internacional no caso da contratação das empresas PMCs russas.

As tropas francesas lutam contra o terrorismo no Mali desde 2013, quando a França lançou uma operação militar no norte do país a pedido das autoridades malianas. Eles estavam lutando contra as tribos tuaregues e os grupos ligados à Al-Qaeda. Em 2014, a zona de operações foi estendida para Burkina Faso, Mauritânia, Níger e Chade e a Operação Barkhane foi lançada.

Após os golpes militares no país, o último dos quais ocorreu em maio, o presidente francês Emmanuel Macron anunciou que a França estava encerrando a Operação Barkhane no Sahel africano. Em vez das tropas francesas, deve ser criada uma aliança internacional que incluirá os estados da região.

Levando em consideração a ineficácia da luta de longo prazo contra o terrorismo no Sahel da África, não é surpresa que as autoridades locais estejam pedindo ajuda às empresas de PMCs russas, pois já provaram sua viabilidade no treinamento de forças locais e na proteção de autoridades em vários países africanos. países.

É por esta razão que as autoridades da Guiné Equatorial recentemente também se voltaram para os PMCs russos em busca de ajuda, mas sem sucesso devido a má fama do presidente dessa nação.

  • Com informações France Inter, STFH Analysis & Intelligence, Voice of Europe, TASS, via redação Orbis Defense Europe/Genebra.